Por +Jovens +Mulheres +Negr@s +LGBTs +Indígenas na Política

Nessas eleições municipais é válido retomar algumas informações sobre a importância dos cargos proporcionais (legislativos).

Em 2014 foi eleito o Congresso mais Conservador desde 1964, ano do golpe militar. O resultado? Um golpe parlamentar-midiático.

A Câmara golpista é também uma Câmara Masculina, Branca, Heterossexual e velha.

Apesar da mudança de quase 50% do congresso em 2014, menos de 10% são mulheres (51 deputadas); menos de 5% são negr@s (22 deputad@s); e menos de 10% são jovens (50, até 34 anos). NENHUM indígena foi eleito e o ÚNICO parlamentar do Congresso Nacional assumidamente LGBT é o deputado Jean Wyllys.

Além disso dos 513 deputados na Câmara Federal, só 36 foram eleitos com votos próprios. O restante foi puxado por causa do coeficiente eleitoral (veja aqui como ele funciona: https://goo.gl/KZIa18).

A prefeitura é MUITO importante. Mas, não esqueça o poder do legislativo. Vote em mulheres, LGBTs, nos povos tradicionais, em negros e negras, COMPROMETID@S com as pautas sociais.

Por mais representatividade. Por +Jovens +Mulheres +Negr@s +LGBTs +indígenas na Política

Com informações: DIAP, Departamento Intersindical de assessoria Parlamentar/ Campanha pela Constituinte do Sistema Político / Inesc Instituto de Estudos Socioeconômicos/ Rede TVT.

Texto: Larissa Gould / Jornalistas Livres.

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

POSTS RELACIONADOS

A bahia que não veremos em Renascer

A Bahia que não veremos em Renascer

Enquanto a estreia do remake da novela “Renascer” promete ressuscitar a cultura do cacau na Bahia nas telas e o culto ao “bom coronel”, a dramática realidade no Sul do estado contradiz a narrativa ficcional. “Renascer” busca entretenimento, mas o segundo estado com maior população indígena do Brasil enfrenta uma realidade que não é mostrada nas tramas televisivas.