Pôncio Pilatos, o patrono dos juízes covardes

Pilatos foi governador da província romana da Judéia entre os anos 26 e 36 d.C. além de ter sido o juiz que condenou Jesus Cristo a morrer em uma cruz.

Ecce Homo ("Eis o homem"), pintura de Antonio Ciseri, representando a apresentação de Jesus Cristo por Pilatos à população de Jerusalém

Pilatos

Por Jônatas Baptista

Cedeste ao vil clamor, receoso de perder
O cargo, o mando, a glória, o luxo, a ostentação.
O medo te prostrou. Não te quiseste erguer
Além da turba infame, em louca exaltação.

Sufocaste ao interesse o mais santo dever,
Foste surdo à consciência, à alta voz da razão…
Esfarrapaste a toga! O crime, a arremeter
Contra o Justo, triunfou num sinistro clarão…

Homem da lei, fugiste ao nobre compromisso
De amparar o Direito, erguendo o teu protesto,
Contra a sanha do mau, soberbo, insubmisso…

A História recolheu teus fingidos alardes…
Lavaste as mãos, bem sei, mas não te salva o gesto
__Serás sempre o padrão dos juízes covardes.

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
CulturaDestaquesDireitos HumanosJusticamemória e Justiça

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish