Carta aos Efésios: trabalho que dignifica, sim!

Por frei Gilvander Moreira[1]

Eis mais um pouco de reflexão bíblica sobre a Carta aos Efésios, assunto do mês da Bíblia, em setembro de 2023. Em uma sociedade escravocrata como a do Império Romano, onde estavam as primeiras comunidades cristãs, onde “trabalhar com as próprias mãos” era coisa de pessoa escravizada, o autor da “Carta aos Efésios”[1] propõe revolucionar as relações sociais e aponta que todas as pessoas têm a mesma dignidade e, por isso, “trabalhar com as próprias mãos” deve ser postura ética para todas as pessoas e não apenas para quem está escravizado. Nas entrelinhas, a “Carta aos Efésios” propõe subverter as relações sociais e aponta que o caminho é a igualdade e a equidade entre todas as pessoas. Por isto, prescreve “trabalhar com as mãos, mas em coisa útil” (Ef 4,28), que gere vida, diríamos hoje. Trabalho com dignidade, sim; trabalho escravo, não!

Necessário se faz compreender como se dão as relações de trabalho e capital na nossa sociedade capitalista, com idolatria do mercado. Temos que reconhecer que a pessoa se faz humana trabalhando, pois, pelo trabalho, produz bens gerais necessários à vida humana. Mas trabalho é uma noção contraditória: tem verso e reverso. Pelo verso, o trabalho é engendrador de riqueza genérica humana, mas pelo reverso é mercadoria que gera acumulação de capital. O filósofo Karl Marx afirma o trabalho como um fazer criativo (poiesas, que, em grego, significa poético) e denuncia o trabalho escravizador (doulos, que,em grego, significa escravo). O trabalho pode se tornar uma matriz de pedagogia da emancipação humana, desde que a classe trabalhadora e a classe camponesa se libertem da exploração do capital, que usa a força de trabalho para acumular mais-valia e reproduzir o sistema do capital. O ser humano é criador de si mesmo, não sozinho, mas em comunhão de classe injustiçada. Emancipa-se quando conquista condições materiais históricas, que possibilitem desenvolver o seu infinito potencial humano. Na sociedade capitalista há um antagonismo, uma contradição, entre o trabalho proletário criador que emancipa e a concepção capitalista do trabalho que escraviza.

Na “Carta aos Efésios” a responsabilidade social é apontada como critério do agir ético: “… e que assim tenha para repartir com os pobres” (Ef 4,28). Assim, o autor da “Carta aos Efésios” solapa a ideologia dominante do império romano que trombeteava aos quatro ventos a acumulação de riquezas. Por outro lado, a “Carta aos Efésios” orienta que, para se construir uma sociabilidade justa e ética, o agir humano não deve ter como finalidade o enriquecimento pessoal, mas a geração de justiça social regada pela solidariedade social. Ou seja, trabalhar para acumular, não! Trabalhar para viver e construir uma convivência social justa e ética, o que passa, necessariamente, pelo compromisso de resgatar quem está sendo roubado e injustiçado. Portanto, cidadania para todos/as é o que prega a “Carta aos Efésios”.

Andai no amor”, sem hipocrisia (Ef 5,1).A exortação “andai no amor” (Ef 5,1), “vivendo amor autêntico” (Ef 4,15) é eloquente, porque coloca o amor no âmbito da ética, pois “andar” é agir, é comportar-se, é ter atitudes que concretizem as relações de amor. Não adianta dizer “te amo”, se o amor não é demonstrado em atitudes, no agir e no comportar-se. Na “Carta aos Efésios”, o autor brada: Falsas teologias, não! “Ninguém vos engane com palavras vãs” (Ef 5,6). As ideias, que formam o mundo simbólico e espiritual no qual vivemos, precisam ser ideias carregadas de palavras com senso de realidade e que orientem posturas humanizadoras. E jamais ideias negacionistas, moralistas e fundamentalistas, que mais alimentam preconceitos e discriminações. Pensando nos nossos desafios atuais, faz bem reconhecer que o Brasil não é apenas branco. O Brasil é indígena, é afro, é exuberantemente plural em termos culturais e religiosos. Portanto, postura ética de respeito, de empatia, de admiração e de reverência diante do diferente, que não oprime, mas enaltece o tecido social – é o caminho a ser seguido por todos/as. Quem, por exemplo, manifesta postura racista, misógina, homofóbica, que advoga uma pretensa hierarquia entre as pessoas está “enganando e dizendo palavras vãs”, segundo a “Carta aos Efésios”.

Comportem-se como filhos/as da luz. O fruto da luz consiste em toda bondade, justiça e verdade” (Ef 5,8b-9). Para não dar margem a espiritualismos vazios, o autor da “Carta aos Efésios” sempre explicita o sentido de várias exortações para o agir ético. Assim, comportar-se como filho/a da luz e não das trevas é ser pessoa bondosa, justa e verdadeira. O autor da “Carta aos Efésios” cita, provavelmente, um ditado popular da época que dizia: “Desperte, você que está dormindo. Levante-se dentre os mortos, e Cristo o iluminará” (Ef 5,14). No meio de relações escravocratas do Império Romano e em contexto de grande idolatria, com deuses para todos os gostos, o culto à deusa Ártemis, em Éfeso, que legitimava uma tremenda mistura de comércio com “capa” religiosa, contribuía para gerar um ambiente social de profunda alienação e desumanização. No império romano chegou-se até ao absurdo da divinização do imperador, de reis e autoridades vassalas do sistema opressor.

Algo semelhante ocorre nos dias atuais com pessoas afundadas em pietismos, em espiritualismos, em ideologia da retribuição, agarradas a símbolos religiosos, mas, ao mesmo tempo, discriminando pessoas, sendo racistas, homofóbicas, misóginas e chegando ao absurdo de tentar solapar as instituições democráticas, guiando-se por fake news, que disseminam ódio e intolerância. Enfim, a “Carta aos Efésios” convida este tipo de pessoas a se despertarem do sono que as hipnotizou. “Desperte da alienação em que você se meteu! ” –  diz a “Carta aos Efésios” a muitos de nós atualmente.

A “Carta aos Efésios”, aparentemente, aceita o machismo, o patriarcalismo e a escravidão, mas se lermos todo o texto e não apenas pinçar versículos, veremos outra coisa. A “Carta” advoga a superação do machismo, do patriarcalismo e da escravidão, ao apregoar: “Maridos, amem suas esposas como a seus próprios corpos” (Ef 5,28); “Senhores tratem bem seus escravos, sem ameaças”. (Ef 6,9), pois “o Senhor que está nos céus não faz distinção de pessoas” (Ef 6,9).

Concluindo: E agora, José e Maria? Enfim, sob o ponto de vista do agir ético, a “Carta aos Efésios”, aparentemente, pode ser usada por quem se interessa em disseminar discriminações e preconceitos, divisões e construção de muros, se se fizer dela uma leitura literal e fundamentalista. Ou seja, há quem leia pinçando versículos que lhe interessam e interpretando-os fora do contexto, do pretexto e da integralidade da “Carta”. Entretanto, se lida atentamente, nas linhas e nas entrelinhas, considerando o contexto em que foi escrita e a finalidade para a qual foi escrita, concluímos que a “Carta aos Efésios” é um (a) manifesto pedagógico, pastoral e teológico-libertador, pois defende que é no agir que se faz a diferença.

Sintetizando o que vimos: nosso Deus age de forma libertadora. Tudo “em Cristo”, pois pelo que Jesus Cristo praticou e ensinou, de fato, Ele se tornou “pedra fundamental”, inspiradora nas relações humanas e sociais. Libertar “pelo sangue” não se trata de uma questão mágica ou ritualista, mas é libertar doando a vida. Somos todos/as da família de Deus, sem distinção.  O comportamento digno que se espera de uma pessoa cristã é ter, na convivência social, posturas parecidas com as de Jesus Cristo, tais como, ser pessoa humilde, autêntica, verdadeira, que luta pela justiça, sendo justa, com a consciência de que “somos membros uns dos outros!” Roubo de nenhuma espécie, exorta-nos a “Carta aos Efésios”. Trabalho que dignifica, sim; trabalho escravizador, não! “Andar no amor” (Ef 5,1), sem hipocrisia. Todas estas belezas éticas e espirituais estão nos seis capítulos da “Carta aos Efésios”. Melhor que ler este texto aqui, é se debruçar sobre o texto da “Carta aos Efésios”, ler, reler, tresler – , de forma comunitária, buscando luzes e forças divinas para nosso caminhar histórico.

11/7/23

Obs.: As videorreportagens nos links, abaixo, versam sobre o assunto tratado, acima.

1 – Andar no amor na Casa Comum: Carta aos Efésios segundo a biblista Elsa Tamez e CEBI-MG – Set/2022

2 – Toda a Criação respira Deus: Carta aos Efésios segundo o biblista NÉSTOR MIGUEZ e CEBI-MG, set 2022

3 – Chaves de leitura da Carta aos Efésios, segundo o biblista PEDRO LIMA VASCONCELOS e CEBI/MG –Set./22

4 – Estudo: Carta aos Efésios. Professor Francisco Orofino

5 – Carta aos Efésios: Agir ético faz a diferença! – Por frei Gilvander – Mês da Bíblia/2023 -02/07/2023


[1] Optamos por colocar entre aspas “Carta aos Efésios” ao longo do texto, porque em uma análise mais acurada constatamos que, de fato, não se trata de uma Carta e nem é destinada apenas à Comunidade Cristã de Éfeso.


[1] Frei e padre da Ordem dos carmelitas; doutor em Educação pela FAE/UFMG; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico, em Roma, Itália; agente e assessor da CPT/MG, assessor do CEBI e Ocupações Urbanas; prof. de Teologia bíblica no SAB (Serviço de Animação Bíblica), em Belo Horizonte, MG; colunista dos sites www.domtotal.com , www.brasildefatomg.com.br , www.revistaconsciencia.com , www.racismoambiental.net.br e outros. E-mail: [email protected]  – www.gilvander.org.br  – www.freigilvander.blogspot.com.br       –       www.twitter.com/gilvanderluis         – Facebook: Gilvander Moreira III

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural