Pesquisas sociais: para que servem?

Como no futebol, brasileiro gosta de opinar sobre pesquisa e adora uma aposta. Faz parte do esporte nacional. Não deixa de ser engraçado. Mas não passa disso: uma graça
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Às vésperas das eleições municipais, decidi explicar o que é pesquisa aplicada e a diferença entre pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa. Fiz um manual para pesquisadores quando coordenei o instituto de pesquisas da PUC Minas, o Lúmen. Vou me fiar por ele para montar este texto.

Rudá Ricci, cientista político e presidente do Instituto Cultiva

Método de pesquisa significa a adoção de procedimentos sistemáticos. O método quantitativo é aquele em que se procura identificar um padrão de comportamento ou opinião, assim como o desvio em relação a este padrão, através da coleta de informações e do tratamento estatístico.
Assim, podemos descrever quantas crianças, entre 7 e 11 anos de idade, estão nas escolas do sul de Minas Gerais e cruzar este dado com outra variável: sexo ou município de residência. Outra vantagem nesses métodos é a possibilidade de montagem de séries históricas. A resposta majoritária é considerada o padrão de comportamento ou opinião. Veja: estatística indica busca de padrão. Sem estatística, a busca é outra.
Como apresentam dados estatísticos, os mesmos questionários podem ser reaplicados com certa frequência de maneira a estabelecer comparações das alterações de um fenômeno ou comportamento ao longo do tempo. O fundamental é estabelecer as variáveis básicas a serem exploradas.
Os estudos mais frequentes é o comparativo causal. É o caso de comparação de causas de comportamento de um grupo social. Estabelece-se uma série de variáveis a serem analisadas em um grupo social e define-se uma correlação com um grupo social de controle (que não apresenta as mesmas características daquele considerado central da pesquisa).


O instrumento mais comum para coleta de dados quantitativos é o questionário. O questionário descreve e mede as características de um grupo social. Os questionários podem conter perguntas fechadas, quando o entrevistado possui alternativas fixas, previamente estabelecidas.
No questionário fechado, as alternativas devem prever todas as possibilidades de resposta. Mas, pode incluir uma alternativa aberta, caso a resposta para codificar posteriormente (pós-codificação). Isso ocorre quando não se tem clareza das possíveis respostas.
Nos questionários com perguntas abertas o entrevistado responde com frases. Não se propõem em apresentar alternativas prévias. Normalmente, são empregadas em combinação às perguntas fechadas. O problema é sua codificação (agrupamento de respostas não previstas).
Os métodos quantitativos possuem limitações. As pesquisas quantitativas não incorporam as crenças e rituais sociais em sua dimensão subjetiva. Nem sempre um grupo social define determinado comportamento em virtude de escolhas racionais fixas.


Antes de passar para as pesquisas qualitativas, vale a pena lembrar que toda pesquisa quantitativa precisa ser checada. Entre 10% a 20% das pesquisas realizadas recebem nova visita de um técnico checador que avalia se houve realmente pesquisa e se foi feita corretamente.
Essa é uma das críticas às pesquisas feitas em fluxo (não domiciliar) em que se anota o celular do respondente. É quase impossível ter certeza se o número do celular é correto. Como checar? Os institutos que adotam este método aumentam a amostra (como faz o Datafolha).
Os métodos qualitativos são aqueles que não lançam mão de instrumental estatístico. São empregados quando existe um nível de complexidade na relação de variáveis ou uma determinada problemática relaciona-se com variáveis subjetivas.
Que fique claro: não se generaliza o resultado de pesquisa qualitativa como se faz com a quantitativa (porque, nesta, há um padrão estatístico definido). Ressalto este que está sendo um erro comum de análise: entrevista em profundidade com três pessoas não define padrão.

Charge de Bacellar


Recentemente, tivemos uma polêmica sobre grupos focais com três a seis bolsonaristas ou ex-bolsonaristas. Grupo focal é uma técnica qualitativa em que alguns convidados são incitados a discorrer sobre um ou mais assuntos. Não se pode generalizar que três a seis pessoas falem por todos.
Então, para que serve uma pesquisa qualitativa? Para entender a pluralidade de valores e motivações que interferem numa resposta. Pluralidade. Nada de padrão. Mostrar como os humanos são complexos. Weber tentou definir motivações padronizadas de ação coletiva.
Mas, como Weber chegou a tal sistematização? Tentando compreender certos padrões de comportamento que se repetem ao longo da história. Ao longo da história, não depois de um grupo focal realizado. Essa pressa está desorientando o não pesquisador social a entender o mundo.
Os métodos mais empregados nas qualitativas são: entrevistas não estruturadas, entrevista não diretiva, entrevista guiada, grupo focal. A entrevista não estruturada ou entrevista em profundidade busca saber o que o entrevistado considera mais relevante. Se organiza por roteiros.
Roteiros não são questões fechadas. São temas organizados que orientam um rumo das questões levantadas pelo entrevistador. Contudo, se o pesquisado antecipa alguma questão ou muda o rumo, o entrevistado o segue.


Normalmente, uma entrevista em profundidade se desdobra em vários encontros com o pesquisado. Ela se parece com um bordado cuidadoso. Não induz, não antecipa resposta, respeita o enredo do pesquisado porque se quer entender o que ele valoriza, o que o motiva.
O grupo focal ou grupo de discussão é outro método muito utilizado e extremamente delicado. Trata-se da seleção de um determinado grupo de pessoas, normalmente ao redor de dez, que mantenham uma identidade em relação a uma variável destacada para análise de um problema.
O objetivo principal do grupo focal é buscar uma construção do sentido comum para o grupo sobre um determinado tema, a partir do qual aqueles sujeitos constroem sentido a um conjunto de experiências. O grupo desenvolverá uma construção cooperativa sobre um tema.


No grupo focal haverá um moderador que estimulará, a partir de um roteiro, o debate entre os convidados. O moderador poderá utilizar alguns mecanismos interativos que a psicanálise lança mão. Trata-se de uma situação social.
Há muito debate técnico sobre pesquisa social aplicada. Nem entrei nas questões relacionadas à relação sujeito/pesquisador X objeto/pesquisado e pesquisa participante. Mas, espero que fique claro que não se trata de algo simples. Merece atenção do leitor.


Termino fazendo um comentário de uma insistência das mais equivocadas feitas por leigos em pesquisa e que, de tempos em tempos, postam suas impressões subjetivas nas redes sociais como certezas absolutas.
Vejo cada vez mais recorrentemente pessoas dizendo que conversou com tantas pessoas nas ruas, ou que as opiniões no seu local de trabalho ou na família convergem de tal maneira que lhe dá certeza de que o mundo todo pensa daquela maneira. Não sei se percebem que nesta situação se comete um erro cruzado, tanto em relação à pesquisa quantitativa, quanto qualitativa. Se fosse uma mera escuta, com muita generosidade se poderia imaginar que esta coleta de opiniões se aproximasse de uma técnica de pesquisa qualitativa. Contudo, como já destaquei, pesquisa qualitativa não se presta à generalizações ou indicação de padrões. Portanto, não se pode ouvir a própria família numa conversa solta na cozinha e já sair anunciando o fim do mundo. Como pesquisa quantitativa, ouvir aleatoriamente pessoas nas ruas ou em casa não segue um plano amostral que equaliza o perfil dos entrevistados por sexo, idade, renda e outras variáveis que equilibram a cesta de respondentes.
Assim, ouvir um ou outro, mesmo que sejam 100 pessoas, não lhe dá o direito de generalizar como se fosse um pesquisador profissional. Dá para dizer que foi um esforço amador de escuta. Nada além disso.
Como no futebol, brasileiro gosta de opinar sobre pesquisa e adora uma aposta. Faz parte do esporte nacional. Não deixa de ser engraçado. Mas, não passa disso: uma graça.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Marília Arraes ganha direito de resposta por mais uma fake news de João Campos

A candidata do PT à prefeitura do Recife, Marília Arraes, obteve mais uma vitória na Justiça Eleitoral numa campanha que ficará marcada pelas agressões e fake news praticadas pelo candidato do PSB, João Campos. Ele foi obrigado a retirar do ar a propaganda irregular que acusa falsamente Marília de ter contratado funcionários fantasmas em seu gabinete quando foi vereadora pelo Recife.

EXCLUSIVO: PSB usa de chantagem, intimidação e ameaças para derrubar Marilia Arraes

Áudio revela chefe de gabinete de Geraldo Julio falando em compra de apoio e ameaçando candidata a vereadora

Começou a circular hoje no Recife um áudio que mostra o chefe de gabinete do prefeito Geraldo Julio (PSB), Rodrigo Farias, ameaçando a candidata a vereadora Charmainne Almeida, do partido Solidariedade, e revelando o repasse de valores evidentemente não contabilizados para o apoio à candidatura de João Campos.

>