O paraíso e o maior jogador de futebol de todos os tempos

Maradona, índio, proletário, baixa estatura, rebelde desde criança, superou inúmeros e imensos obstáculos para se tornar a maior expressão mundial do futebol
Dois gigantes, Maradona e Sócrates

Com todo respeito a Pelé, mas Maradona foi MAIOR, dentro e fora de campo. Não se contam gols, mas carisma, magia e capacidade de fazer a diferença.

Por Walter Falcetta Júnior, jornalista

Pelé foi maravilhoso em campo (péssimo fora dele), mas sempre auxiliado por uma linha maravilhosa do Santos Futebol Clube.

Deram-lhe apoio Zito, Dorval, Mengálvio, Pepe e Coutinho. Lamento os santistas que valorizam menos esses monstros sagrados para sacralizar em excesso o ótimo Edson.

Maradona, índio, proletário, baixa estatura, rebelde desde criança, superou inúmeros e imensos obstáculos para se tornar a maior expressão mundial do ludopédio.

Começa no querido Argentino Juniors, surgido em Villa Crespo, da fusão do Sol de la Victoria com o Mártires de Chicago, esquadra operária de viés anarquista.

O clube sempre foi um celeiro de craques, na bola e na vida. Foi sempre o lugar onde a consciência política encontrou a glória lúdica do futebol.

Por Bacellar

Maradona, de rebelde, evoluiu a revolucionário, aprendendo que craque é sempre polivalente e atua onde a equipe lho necessita.

Tinha a biologia do talento, disruptiva, impossível de ser explicada pelas leis newtonianas. O giro rápido, o drible sobre si mesmo, a visão de jogo em 360 graus, a expressão solidária de ocupar o espaço e cobrir sem alarde a falha do companheiro.

Por isso, Maradona é maior. Porque jogava por todo o time. Era ao mesmo tempo o atacante, o meia, o volante e, não raro, dava bicudas na grande área.

Somente o maior de todos os tempos faria a diferença no bom Nápoli, mas ainda assim modesto em relação a outras equipes do calcio.

Somente o maior para garantir o triunfo máximo da Argentina, para oferecer solução a um time graúdo, competente, mas também limitado.

Maradona era um Garrincha deles, com inteligência tática incomparável, e a sabedoria elegante de seu ídolo e inspirador, Roberto Rivellino.

Fora de campo, Maradona era a explosão de humores, o erro, o acerto, o erro, mas muitos outros acertos. Na pele, tatuados o compatriota Che e o amigo Fidel.

Louco da vida com os imprensaleiros de má índole, soube tratá-los do modo que mereciam. E conosco, os éticos da profissão, foi atencioso e educado.

Ao mesmo tempo, foi um campeão das causas sociais. Solidário, amigo, chorava diante de um cidadão em situação de rua ou diante de uma criança enferma.

Maradona foi Chavez, Lula e Dilma, a palavra corajosa de apoio em favor da democracia e da justiça social.

Maradona, brincalhão, sincero, divertido, não fará falta ao mundo do futebol. Fará falta a este mundo falso, infectado e fascistizado.

A mão de Deus o chamou. Erguido aos céus, agora senta-se no trono das almas pias (e também imperfeitas), ao lado do outro mais maravilhoso amante da bola, Sócrates Brasileiro.

Amantes da sedição, jamais darão sossego a São Pedro. Arregimentarão querubins e serafins para montar loucas esquadras celestes. O anjo das pernas tortas já se escalou…

Se aqui nos rola uma lágrima, a torcida do paraíso se agita, alucinada e exultante.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

Uma resposta

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural