O lugar do indígena, a terra e a universidade

O saber como território

Vivemos dias de etnias, povos isolados contactados e já em risco de extinção. Um novo grupo de indígenas foi identificado, no Sul do Amazonas, na região do município de Lábrea. A informação foi divulgada pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), que criticou também a inércia da Fundação Nacional do Índio (Funai) em relação à proteção do grupo. Com a descoberta, o grupo será o 115º povo isolado a ser identificado no Brasil.

No vasto país, entre nosso noticiário diário de violações e direitos, os povos indígenas de todos os cantos trazem nova melodia às universidades, num caminhar histórico e constante de sangue e saberes.

Cidade de Lábrea – imagem pública

País imenso, onde o sertão infinito da conquista é um rolo compressor sobre a terra ausente do Estado e a lei constituída. Onde nasci e resido, no estado de São Paulo, famoso como o rico da nação, onde terra indígena é um quinhão entre latifúndios e canaviais extensos, terras antigas de boiadas e cafezais e tanta sorte de coisas, é onde também resiste o saber indígena que na universidade agora se agrega. São Paulo, outrora entre milhares de aldeias, talvez hoje trace sua mea-culpa.

O vestibular indígena unificado, em sua 1ª edição, entre Unicamp e UFSCar, recebeu quase 3 mil inscritos. A data da prova, inicialmente prevista para o dia 13 de março, está sendo alterada para o dia 27 de março, devido ao contexto da pandemia de Covid-19 e na expectativa de uma diminuição dos casos até o final do mês de março.

por Unicamp

O site da Unicamp informa que a Comvest (comissão permanente para vestibulares) anunciou uma alteração na data de realização do exame. A prova será aplicada de maneira presencial, em seis cidades do país: Campinas (SP), Recife (PE), Dourados (MS), São Gabriel da Cachoeira (AM), Manaus (AM) e Tabatinga (AM). A cidade de Bauru não atingiu o número mínimo de 50 inscritos e, segundo a Comvest, conforme previsto pelas regras do Edital do processo, não terá aplicação do exame. Os candidatos que haviam escolhido a cidade de Bauru deverão realizar a prova em Campinas. 

por Unicamp

Os candidatos deverão comprovar que pertencem a uma das etnias indígenas do território brasileiro, por meio da documentação especificada no Edital, a ser entregue no dia da prova. Outro pré-requisito é que os candidatos tenham cursado o ensino médio integralmente na rede pública (municipal, estadual, federal), ou em escolas indígenas reconhecidas pela rede pública de ensino ou tenham obtido a certificação do ensino médio pelo ENEM ou exames oficiais (por exemplo, o Enceja) e não tenham cursado nenhum período do ensino médio na rede particular.

Tudo desafia, se dura é a senda indígena, mais vasta é sua mão sobre a gente, nós tão bárbaros no novo mundo, em que dizíamos ser civilizados, tão antigos e perversos numa cultura ocidental ecocida e etnocida.

Há uma sede de ancestralidade e ainda devotos somos em ultrapassada aritmética, fórmulas arcaicas para um país que se afirma sem eira nem beira.

por Helio Carlos Mello

Como sempre diz o pensador Ailton Krenak, nós, os povos indígenas, estamos resistindo ao “humanismo” mortífero do Ocidente há cinco séculos; estamos preocupados agora é com vocês brancos, que não sabemos se conseguirão resistir!

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.