“Marte Um”: filme sobre menino negro que sonha em ser astronauta representa Brasil no Oscar

Protagonista é menino negro que sonha em trabalhar na Nasa; se virar finalista, será o primeiro indicado desde 1999
Menino de Contagem, MG, sonha em trabalhar na Nasa [Foto: Marte Um/Reprodução]
Menino de Contagem, MG, sonha em trabalhar na Nasa [Foto: Marte Um/Reprodução]

“Marte Um” foi o filme escolhido para representar o Brasil no Oscar 2023, pela categoria de melhor filme internacional. O longa-metragem conta a história de um menino negro, cujo pai é porteiro e a mãe é empregada doméstica, e que sonha em se tornar astronauta. O filme é de autoria do mineiro Gabriel Martins, cineasta negro, que já possui o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro na categorias de Melhor Curta-Metragem.

Por Thaís Helena Moraes e Emanuela Godoy

A decisão de indicar o filme partiu da Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais na manhã desta segunda-feira. A obra concorria com outros filmes brasileiros, como “Paloma”, “Carvão” e “Pacificado”. “Marte Um” também é dirigido pelo cineasta Gabriel Martins e produzido pela Filmes de Plástico, uma das produtoras mais relevantes no cenário artístico nacional. 

O filme acompanha o dia a dia da família Martins, composta de pai, mãe e dois filhos. O pano de fundo são as eleições de 2018, ocasião em que Bolsonaro foi eleito – e tem tudo a ver com os sonhos grandiosos do menino, que parecem cada vez mais distantes. O longa se passa na cidade de Contagem, em Minas Gerais, assim como os filmes “No Coração do Mundo” e “Temporada”, da mesma produtora.

Em entrevista à Folha, Martins destacou a importância de falar da vida e dos sonhos do povo negro. “Existe uma tradição de espetacularização de corpos negros, pela violência, pelo sofrimento, estabelecendo sempre uma relação com uma história de luta [..]. ‘Marte Um’ quer complexificar isso, porque não falamos de heróis e vilões. Falamos de pessoas vivendo, de pessoas humanas.”

A premiação do Oscar 2023 acontece em março e tem os finalistas anunciados em fevereiro. Considerada uma das mais importantes do audiovisual, o evento recebe apenas uma indicação de cada país anglófono na categoria de filme internacional. A última vez que um filme brasileiro esteve entre os finalistas foi em 1999, com o filme Central do Brasil. Na ocasião, a atriz Fernanda Montenegro também concorreu ao Oscar de melhor atriz.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Jornalistas Livres Entrevista: Maria Marighella

JL entrevista Maria Marighella, indicada nova presidenta da Funarte. Ela fala do desafio de participar do processo de reconstrução das políticas públicas culturais no Brasil pós-Bolsonaro

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria

Quem segura essa quebrada

Quem segura essa quebrada?

O Café com Muriçoca de hoje traz duas indicações de livros: “Viela Ensanguentada”, de Wesley Barbosa, e “O Pé que ficou naquela estação”, de Nina Barbosa.