Lula, resistência na medida, acompanhada de discurso histórico!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Artigo de Eduardo Campos, jornalista e advogado em Belo Horizonte

Lula não se deixou humilhar. Não acatou a “ordem” de Moro de render-se de imediato e com hora marcada. Demonstrou altivez e dignidade, combatividade e sensatez. A mobilização da sociedade não permitiria uma resistência continuada e indefinida.

Infelizmente, as ruas do país não se encheram ontem em repúdio ao crime contra ele perpetrado, ainda que tenha havido algumas manifestações expressivas. Muito pouco, ainda, para nos habilitar a virar o jogo. Mesmo entre muitos de nós, “politizados”, parece não haver ainda a compreensão necessária da importância das mobilizações. O ato de Belo Horizonte dessa sexta-feira comprova isto.

Lula fez um discurso que vai ficar na história. De cabeça erguida, com valentia, sem aparentar qualquer abatimento, mostrou pra nação o significado de sua prisão. Apontou o dedo para seus algozes, mas deixou claro os interesses que eles representam: a manutenção dos privilégios históricos das elites, a desconstrução dos direitos alcançados nos governos do PT, o desmonte da soberania nacional, tudo isto às custas do comprometimento dos espaços democráticos. Não deixou de mirar no papel decisivo da mídia no golpe e em toda esta trama, nominando, expressamente, a Globo, a Record, a Bandeirantes e a Veja, enfatizando a perseguição que sofre da primeira. Não poupou o MP e o Judiciário, tendo a cautela necessária ao referir-se aos ministros do Supremo Tribunal Federal. Defendeu as estatais e paraestatais, em particular a Petrobrás, a Caixa, o Banco do Brasil, o BNDES; apoiou, sem meias palavras, as ocupações de terras urbanas e rurais; mostrou, de maneira categórica, a necessidade de união das esquerdas; elogiou, sem economia, as lideranças novas emergentes, nas figuras de Boulos e Manuela.

Lula não só vai para a cela com a cabeça erguida. Nos deixa, também, com a moral elevada. Vai sair de lá, mais cedo ou mais tarde, com o peito estufado, como ele mesmo disse. Cabe a nós estufarmos o nosso, para que o intervalo de tempo da castração de sua liberdade seja o menor possível, e para que possamos superar este dia sombrio que marca, indelevelmente, um dos momentos mais trágicos da história do Brasil “republicano”.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Sem ressentimento, sem esquecimento

Reabilitar os direitos políticos e a reputação de Lula seria a única forma possível de confrontar, ao mesmo tempo, o lava-jatismo e o bolsonarismo

LULIZAÇÃO DE BOLSONARO?

Pra sobreviver, Bolsonaro precisará abandonar o bolsonarismo e ser um tantinho lulista, fazendo a tal comparação ter algum sentido

>