Lula escreve carta ao presidente chinês se desculpando em nome do povo brasileiro

Segundo o ex-presidente, o silêncio de Jair Bolsonaro diante das agressões de seu filho e do ministro das relações exteriores "envergonha o Brasil e comprova a estreiteza de uma visão de mundo que despreza a verdade, a Ciência, a convivência entre os povos e a própria democracia"

Lula com o presidente Hu Jintao em visita à China - Foto: Ricardo Stuckert

Que falta nos faz um estadista! Neste momento de pandemia de Coronavírus, os dois países com mais condições de ajudar outras nações a diminuir as mortes são Cuba, com seus médicos, e a China, que já venceu a primeira fase da contaminação em massa. Além disso, o país asiático é nosso maior parceiro comercial e nossas relações com ele serão fundamentais durante e depois da crise médica. Mas nada disso parece importante para o presidente da república, para o ministro das relações exteriores e para o suposto presidente do comitê de relações exteriores e defesa nacional da Câmara dos Deputados (os nomes estão com letra minúscula porque os atuais detentores dos cargos não merecem maiúsculas). Após três dias de conflito diplomático com a China iniciado por um post indecoroso no Twitter feito pelo filho do presidente (ele ainda ocupa o cargo de presidente do comitê de relações exteriores?), foi preciso um ex-Presidente da República falar em nome do Povo Brasileiro pedindo desculpas e explicando a situação vexatória…

Leia abaixo a carta que Lula escreveu a Xi Jinping, disponível em seu site, repudiando a atitude de filho de Bolsonaro e condenando o pai por se portar como “reles bajulador de Donald Trump”.

São Bernardo, Brasil,
20 de março de 2020

“Caro presidente Xi Jinping,

Em nome da amizade entre os povos do Brasil e da China, cultivada por sucessivos governos dos dois países ao longo de quase cinco décadas, venho repudiar a inaceitável agressão feita a seu grande país por um deputado que vem a ser filho do atual presidente da República do Brasil.

Tal atitude, ofensiva e leviana, contraria frontalmente os sentimentos de respeito e admiração do povo brasileiro pela China. Creio expressar o sentimento de uma Nação, que tive a responsabilidade de presidir por dois mandatos, ao pedir desculpas ao povo e ao governo da China pelo comportamento deplorável daquele deputado.

Como é de seu conhecimento, setores expressivos da sociedade brasileira condenaram aquela agressão, incluindo os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal do Brasil.

Lamento, entretanto, que o atual governo brasileiro não tenha feito ainda esse gesto pelos canais diplomáticos e por meio do próprio presidente da República, Jair Bolsonaro, que deveria ter sido o primeiro a tomar tal atitude. Seu silêncio envergonha o Brasil e comprova a estreiteza de uma visão de mundo que despreza a verdade, a Ciência, a convivência entre os povos e a própria democracia.

Lamento especialmente que esta agressão tenha ocorrido na conjuntura de um contencioso comercial entre a China e os Estados Unidos, país ao qual a política externa brasileira vem sendo submetida de maneira servil por este governo. Bolsonaro rebaixa as relações do Brasil com países amigos e se rebaixa como reles bajulador do presidente Donald Trump.

Este governo passará, sem ter estado à altura do Brasil, mas nada poderá apagar os laços de amizade e cooperação que vimos construindo desde 1974, quando o então presidente Ernesto Geisel restabeleceu as relações entre o Brasil e a República Popular da China.

Praticamente todos os presidentes brasileiros, desde então, fortaleceram nossa relação nos mais diversos campos. Recordo que, ainda em 1988, o presidente José Sarney assinou os acordos para a construção do satélite sino-brasileiro, que viria a ser lançado no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Em 1994, os presidentes Itamar Franco e Jiang Zemin estabeleceram a Parceria Estratégica Brasil e China, que tem frutificado em benefício mútuo. Desde 2009 a China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em meu governo, o Brasil reconheceu a China como economia de mercado e construímos juntos os BRICS, inaugurando um novo capítulo na ordem mundial.

Recentemente, expressei minha solidariedade ao povo e ao governo da China no enfrentamento ao coronavírus. Recebo agora a notícia de que os esforços admiráveis nesse combate resultaram na interrupção, pelo segundo dia consecutivo, da transmissão do vírus em seu país. Parabéns por esta vitória e sigam lutando.

Esta é a verdadeira imagem da China que nós, brasileiros e brasileiras, aprendemos a admirar, numa convivência de mútuo respeito. Um país com o qual desejamos manter e aprofundar as melhores relações de amizade e cooperação, inclusive no combate à grave pandemia que também nos atinge.

Receba minha saudação respeitosa e fraterna, que se estende a todo o povo chinês,

Luiz Inácio Lula da Silva

Categorias
ArtigoBrasil e ChinaChinaDestaquesGeopolíticaGeralGlobalInternacionalLulaPolítica
3 comentários:
  • jose francisco hofling
    22 março 2020 at 22:34
    Comente

    VOLTAMOS A RESPIRAR QUANDO VOLTAMOS A VER UM ESTADISTA DESSA MAGNITUDE…INFELIZMENTE ESTAMOS NO FUNDO POÇO…MAS VAMOS SAIR…SE VAMOS…

  • Gilberto Barros
    23 março 2020 at 11:15
    Comente

    Lula é um grande estadista, o maior liderança da América latina. Deus tenha piedade de nós brasileiros, temos uma figura grotesca na direção do Brasil. Esse bozo tem que ser interditado já.

  • Moisés Lima
    26 março 2020 at 14:51
    Comente

    RECEBA MINHA SAUDAÇÃO RESPEITOSA E FRATERNA, QUE SE ESTENDE A TODO O POVO CHINÊS,

    LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

    ESTADISTA NATO!

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

    Relacionado com