Livro expõe atuação da mídia no impeachment de Dilma

Publicado pela Editora Insular, a obra reúne estudos que investigam as manifestações nas redes sociais e a produção jornalística no impedimento da ex-presidente. Organizadores sustentam que a mídia criou clima de opinião favorável à desconstrução de Dilma

Em agosto de 2016, Dilma Rousseff tinha seu mandato impedido após votação em plenária no Senado Federal. Polêmico e controverso, o processo de impeachment de Dilma contou com ampla cobertura midiática e forte repercussão nas redes sociais. Com vistas à investigação da atuação da mídia no processo de impedimento da ex-presidente, a Editora Insular, em parceria com a Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de Brasília (UnB), lançou essa terça-feira (3) o sexto volume da série Jornalismo e Sociedade, a obra Desconstruindo uma queda: a mídia e o impeachment de Dilma Rousseff, organizada pelos professores Liziane Guazina (UnB), Helder Prior (PPGCOM UFMS) e Bruno Araújo (UFMT).

Nos oito estudos reunidos no livro, os autores e autoras, pesquisadores de diversas universidades do país, investigam o cenário que permite compreender a derrubada de Dilma Rousseff do poder – e seus desdobramentos político-econômicos a partir de pesquisas centradas na observação empírica e na análise sobre a atuação dos meios de comunicação tradicionais e das mídias sociais em diferentes dimensões do processo político-midiático. Segundo os organizadores, os estudos mostram vários “mecanismos de construção midiática” que influenciaram a da queda de Dilma Rousseff. Eles sustentam que a mídia agiu na “construção de um cenário de opinião favorável ao impedimento e, ao mesmo tempo, de desconstrução da imagem pública do Partido dos Trabalhadores, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da própria presidenta eleita”.

Para a Profa. Rousiley Maia, doutora em Ciência Política pela University of Nottingham e titular do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a obra é uma competente análise sobre a produção jornalística nacional e internacional e sobre as manifestações dos cidadãos nas redes sociais a respeito do impedimento: “Este livro reúne sofisticadas análises sobre essas questões, a partir de uma ampla e diversificada base de dados. O escopo e a magnitude desta obra são o resultado do esforço colaborativo empreendido por pesquisadores das mais destacadas universidades brasileiras.”

O livro conta com pesquisas dos autores Anita Hoffmann (Cásper Líbero), Antonio Fausto Neto (Unisinos), Carla Cândida Rizzotto (UFPR), Eurico Matos (UFBA), Heitor Costa Lima da Rocha (UFPE), José Luiz Aidar Prado (PUC-SP), Kelly Prudêncio (UFPR), Laís Cristine Ferreira Cardoso (UFPE), Pedro Mesquita (UFBA), Tatiana Dourado (UFBA), Vinicius Prates (UPM), além dos também organizadores Liziane Guazina (UnB), Hélder Prior (Universidade Autônoma de Lisboa – UAL) e Bruno Araújo (UFMT). A obra está disponível para a venda no site da Editora Insular. A obra será lançada oficialmente durante o 8º Congresso da Associação Nacional dos Pesquisadores em Comunicação e Política – COMPOLÍTICA, de 15 a 17 de maio, na Universidade de Brasília.


SOBRE A SÉRIE

A Série Jornalismo e Sociedade, do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de Brasília, uma parceria com a Editora Insular, situa o jornalismo como construção social e prática sociodiscursiva, que participa da constituição de horizontes de referência sobre o mundo. Contempla a divulgação de estudos empíricos e esforços de teorização que buscam construir/discutir/fazer avançar uma Teoria do Jornalismo e da Notícia, bem como discussões sobre o jornalismo como práxis, as formas de (auto)regulação da profissão e seu papel na promoção da democracia e da cidadania no contexto brasileiro e em comparação com outros países. A Série tem um categorizado Conselho Editorial formado por professores, doutores e pesquisadores do nosso e de outros países.

SOBRE OS ORGANIZADORES

Liziane Guazina é professora e vice-diretora da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília. Doutora em Comunicação, membro do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UnB. Líder do Grupo Cultura, Mídia e Política e pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Mídia e Política (NEMP/CEAM), ambos da Universidade de Brasília.

Bruno Araújo é professor na Faculdade de Comunicação e Artes da Universidade Federal de Mato Grosso. Doutor em Comunicação, pesquisador do Núcleo de Estudos sobre Mídia e Política (NEMP/CEAM) e do Grupo de Pesquisa Cultura, Mídia e Política. Pesquisador colaborador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX, da Universidade de Coimbra.

Hélder Prior é doutor em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior (2013). Realizou estágio de pós-doutorado na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (PNPD/CAPES) entre 2014 e 2015. Investigador Integrado do LabCom.IFP da Universidade da Beira Interior e investigador colaborador no Observatorio Iberoamericano de La Comunicación da Universidade Autônoma de Barcelona. É professor do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Autónoma de Lisboa.

Categorias
DemocraciaDireitos SociaisEstado de ExceçãoGeralGolpeHistóriaInjustiçajornalismoPolítica
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta