Empresas podem ser auditadas por programa de Direitos Humanos e inclusão

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O ativista baiano Yuri Silva, que os leitores dos Jornalistas Livres devem conhecer como o editor chefe do Mídia4P e que tem seus artigos frequentemente publicados também aqui, inicia uma nova jornada junto com juristas paulistas. Eles participam de um projeto de Compliance em Direitos Humanos para monitorar, auditar e certificar empresas que respeitam minorias sociais.
Compliance é um termo usado no mundo corporativo, que deriva do termo inglês comply significa “agir em sintonia com as regras”, em termos didáticos, significa estar absolutamente em linha com normas, controles internos e externos, e com políticas e diretrizes estabelecidas para aquele negócio.

O combate ao racismo e a exclusão de minorias ganha um novo fôlego com a vinda de Yuri Silva de Salvador para São Paulo, para se unir a esse programa abrigado pelo Instituto para Reforma da Relação entre Estado e Empresa (IREE). O IREE é uma organização independente sediada na capital paulista e que tem como objetivo promover o debate democrático, pluralista e suprapartidário para aperfeiçoar a interação entre o setor público e o setor privado no país.

A iniciativa se dá em meio a amplificação do debate sobre o as responsabilidades corporativas por atos de violência e racismo como o que assassinou por sufocamento Beto Freitas, no estacionamento do Carrefour. Com certeza também, por conta de toda indignação e movimentação popular, que não ficou apenas no âmbito das redes, mas se ampliou em diversos atos e intervenções pelo Brasil todo.

A ideia é juntar lideranças sociais e operadores econômicos dispostos a mudar a realidade, com o objetivo de implementar um Programa de Compliance em Direitos Humanos, algo novo no país, com a finalidade de monitorar e auditar permanentemente a relação dessas companhias com as pautas sociais.

Yuri Silva é ativista dos Direitos Humanos e do Movimento Negro e milita há 17 anos no Coletivo de Entidades Negras (CEN) onde atuou como coordenador nacional. Atuou também no Observatório Popular de Política sobre Drogas (OPPD Racial) e foi Conselheiro Estadual de Políticas para a População LGBTQIA+ do Estado da Bahia. Com sua experiencia junto ao terceiro setor pretende promover diálogos com as principais corporações nacionais e multinacionais e outros atores políticos sobre a inclusão da pauta das minorias na política interna e externa dessas empresas.

“Quero que isso impacte no setor econômico de forma expressiva, porque só assim haverá mudanças reais, com mais executivos e mais funcionários negros, mulheres e LGBTs e mais políticas inclusivas que sejam de verdade e não somente para inglês ver. A gente tem que explicar para os empresários que não há crescimento sem inclusão, porque ninguém cresce excluindo”, diz o ativista, prometendo conceder certificações a quem cumprir o conjunto de normas, que ele batiza de ‘Tecnologia Empresarial da Diversidade’.

Como Jornalista foi repórter, entre outros lugares, do jornal A Tarde (2016-2018) e correspondente do jornal O Estado de S. Paulo (2018-2019), onde especializou-se na cobertura dos poderes Executivo e Legislativo e em pautas relacionadas às questões sociais. É editor chefe do Mídia 4P que é publicado na Carta Capital e também aqui nos Jornalistas Livres.

“Vamos juntar os melhores profissionais do direito e os mais capazes especialistas nessas pautas dos direitos humanos e criar normativas técnicas, dentro da legislação e do que já existe acumulado no compliance, com o objetivo de separar o joio do trigo, promovendo mudanças reais na realidade das corporações e da sociedade em geral”, afirma Yuri.

Yuri Silva vai trabalhar ao lado do advogado paulista Walfrido Warde Jr., maior especialista em litígios empresariais do Brasil e autor do best-seller ‘O Espetáculo da Corrupção’ (Leya), e do auditor fiscal Valdir Moysés Simão, ex-ministro-chefe da Controladoria Geral da União (CGU) e ex-ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão do Brasil. Também se integram ao time inicial outras figuras de destaque no direito e no debate sobre o combate às desigualdades, como o doutor e mestre em Direito Administrativo Rafael Valim, que além de professor da PUC-SP e da Università Commerciale Luigi Bocconi (Itália), é um dos líderes da editora Contracorrente e diretor cultural do IREE. Além do estudante de direito e diretor institucional do IREE, Rodrigo Siqueira; e da economista-chefe do IREE Juliana Furno.

“É óbvio que esse Programa de Compliance vem em um momento sensível, de debates polares e intensos sobre esse tema, sobretudo após o caso do Carrefour. Mas temos que ter foco em como apontar saídas vitoriosas e não verborrágicas. E nesse sentido o que nós vislumbramos é que nosso projeto tenha impactos econômicos, influencie os atores financeiros, políticos, sociais e econômicos, influencie na Bolsa de Valores, em fundos de investimento e outros instrumentos e espaços desse setor”, afirma Silva. “O importante é dar visibilidade aos desafios dessas pautas tão indispensáveis para o crescimento econômico do nosso país, porque crescer sem incluir não dá mais”, idealiza.

Leia algumas das reportagens de Yuri Silva publicadas aqui nos Jornalistas Livres
Após movimento negro provocar debates públicos, Salvador já tem oito pré-candidatos negros à Prefeitura

Ladeira da Preguiça resiste à tentativa de higienização social no Centro Antigo de Salvador

QUEM FETICHIZA A ESCRAVIDÃO TEM QUE SER PRESO POR RACISMO

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>