“Corte das bolsas significa evasão de universitários mais pobres”, diz estudante da UFMT

"BALBÚRDIA" Universitários utilizavam a bolsa para custear alimentação e gastos com o curso - Por: Thays Amorim para o Muvuca Popular

Verônica durante a narração da Liga das Nações de Voleibol pela TOCA

O corte nas bolsas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) reportado semana passada pelos Jornalistas Livres (veja aqui) tem afetado diversos estudantes. No dia 11 de outubro (sexta-feira) a universidade cortou todas as bolsas de tutoria, monitoria e extensão sem qualquer aviso prévio aos estudantes. O auxílio, que não chega a um salário mínimo (R$ 400 e R$ 800), é utilizado pelos alunos para a permanência, alimentação e custos com o faculdade. Sem o recurso, os estudantes de Comunicação Social procuram novas alternativas para vivenciar os programas que a UFMT oferece.

Sonhos interrompidos 

Esse é o caso de Pollyana Diva Rodrigues da Silva, 23, estudante de Rádio e TV, que recebia R$ 400 por participar do projeto de extensão do Teatro Universitário. Com o dinheiro, a graduanda pagava a alimentação e ajudava nas despesas de casa, incrementando a renda da mãe, que é empregada doméstica.

Pollyana foi aprovada, recentemente, no programa de intercâmbio para estudar em Cúcuta, Colômbia, na Universidad Simón Bolivar. Os critérios exigidos para a aprovação em uma universidade estrangeira levam em conta o coeficiente durante o curso, se o estudante não possui mais de uma reprovação e/ou trancamento, e se recebeu prêmios ou menções honrosas. Apesar do sonho de realizar o intercâmbio, a UFMT não paga o translado e o custo com as passagens. “Eu estava contando com a bolsa, isso pode me prejudicar muito. Nós estamos buscando outras alternativas através da vakinha online, rifa e eventos beneficentes”, comenta Pollyana.

“O corte das bolsas de extensão, monitoria e tutoria significa evasão de universitários mais pobres da faculdade e/ou paralisação das atividades”, relata David da Silva Ferreira de Souza, 21, graduando em Publicidade e Propaganda. Assim como Pollyana, David também foi bolsista e conseguiu permanecer no curso graças aos auxílios, já que o universitário é natural de Sorocaba (SP) e sua mãe não consegue ajudá-lo financeiramente.

Pollyana recebeu o prêmio de melhor roteiro de documentário do Centro Oeste, em maio, no Congresso da Intercom, principal entidade de estudos da comunicação no Brasil

Aprovado para estudar em Bragança, Portugal, David também tem procurado outros meios para arrecadar verba. “Desde a 8° série tenho vontade de realizar intercâmbio. Infelizmente, pela condição financeira, nunca foi possível”, relata.

Cortes atrapalham pesquisas 

De acordo com a apuração do emanuelzinho, existem 1.111 pesquisas registradas pela UFMT. Além de fomentar a ciência, as pesquisas constroem uma sociedade melhor, levando informação e conhecimento público e gratuito. Os bolsistas estão se movimentando para reverter a situação, e amanhã (22), participam de uma reunião com o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) para discutir a questão.

Outra estudante afetada pelo corte de bolsas é Verônica da Rocha Paulino, 20, estudante de Comunicação Social – Rádio e TV. A bolsista recebia R$ 400 para trabalhar na Agência Experimental de Comunicação (TOCA). “O projeto surgiu para fazer as atividades que, muitas vezes, a gente não consegue realizar dentro da sala de aula”, explica Verônica. O trabalho desenvolvido pela TOCA, criada em 2017, possibilitou a universitária de ser uma das primeiras narradoras de esportes em Mato Grosso, transmitindo ao vivo, pelas redes sociais, a Liga das Nações de Voleibol Masculino em junho.

Verônica já participou de outros projetos além da TOCA. “Eu passo praticamente o dia inteiro na universidade. Eu chego em torno das 6h e saio por volta das 19h/20h, todos os dias. Às vezes sábado eu estou aqui também”, relatou a universitária. Com a bolsa, Verônica comprou um novo computador para conseguir estudar e ainda auxilia nas despesas de casa.

De acordo com a União Estadual de Estudantes (UEE MT), 329 bolsas de extensão, 342 de monitoria e 50 de tutoria foram cortadas, totalizando 721. A UFMT ainda não divulgou o número oficialmente.

Apesar do Ministro da Educação, Abraham Weintraub, ter anunciado na última sexta-feira (18) o desbloqueio de 100% do orçamento das universidades e institutos federais, a UFMT não se posicionou sobre o retorno das bolsas ou porque elas foram bloqueadas. Porém, mesmo sem o auxílio, vários estudantes permanecem em suas atividades e pesquisas.

Você pode ajudar Pollyana e David através da vakinha online clicando aqui e aqui.

Matéria original em: https://www.muvucapopular.com.br/mato-grosso/corte-das-bolsas-significa-evasao-de-universitarios-mais-pobres-diz-estudante-da-ufmt/31570

Categorias
CidadaniaCidadesCuiabáCuiabáDemocraciaDestaquesDireitos HumanosEducaçãoEstudantesMato Grosso
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta