Condenado! Dallagnol terá de devolver dinheiro gasto na Lava Jato

"Dallagnol encheu a cabeça de vocês de mentiras", disse Lula a empresários na Fiesp
Dallagnol, condenado pelo TCU a devolver dinheirama que gastou na Lava Jato
Dallagnol, condenado pelo TCU a devolver dinheirama que gastou na Lava Jato

Por Patrícia Cornils, dos Jornalistas Livres

O Tribunal de Contas da União (TCU) condenou o ex-procurador Deltan Dallagnol, o ex-procurador geral da República Rodrigo Janot e o procurador João Vicente Romão a devolver R$ 2,8 milhões gastos pela força-tarefa da Operação Lava Jato com diárias e passagens não comprovadas devidamente. Cabe recurso à decisão, mas se ela não for suspensa até segunda-feira, dia 15, Dallagnol não poderá disputar uma vaga de deputado federal pelo Paraná na Câmara Federal pelo Podemos, como pretende.

Hoje o ex-procurador Dallagnol também foi citado pelo presidente Inácio Lula da Silva, em debate na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. Lula lembrou que a Lava Jato destruiu setores de serviços de engenharia e de construção no Brasil. “Eu sonhava que o Brasil teria a terceira [maior] indústria petroquímica do mundo. Queria que a Brasken fosse essa grande empresa. Apareceu a Lava Jato para destruir a Brasken”, disse Lula. “Em nome de quem? De um fedelho chamado Dallagnol, que encheu a cabeça de vocês de mentira? Conseguiu contruir um mundo de mentiras? Qual é a indústria de engenharia que nós temos hoje no país? Quantos anos levou para a gente construir uma indústria de engenharia que competia com os Estados Unidos, que fazia as obras em Nova York, o aeroporto de Miami? Que estava tomando o mercado dos americanos no mundo árabe? Na África? Cadê? Acabou? Em nome de quem? Em nome de que honestidade? Em nome de que corrupção? Corrupção eles tentaram fazer, fazendo acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.”

Leia mais notícias sobre Deltan Dallagnol AQUI

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.