Comer é um Direito Humano. Contra o genocídio pela fome

Rede de cozinhas quilombolas de Minas Gerais contra a fome
Rede de cozinhas quilombolas de Minas Gerais contra a fome

Nós, Jornalistas Livres, passamos para lembrar que não é só neste 16 de Outubro, Dia Mundial da Alimentação, que devemos lutar pelo direito de todos por um prato de comida. Essa é uma luta de todos os dias do ano.

Por Leonardo Koury Martins

A luta pela alimentação deve ser uma bandeira global. Comer é um ato político. Sendo assim, a fome é uma decisão política, às vezes como forma de protesto, como ocorre nas greves de fome. Mas governos de vários países transformam a fome em prática genocida.

Vivemos em um país que é o maior produtor de alimentos do mundo, mas 19 milhões vivem o cotidiano da fome.

Os Jornalistas Livres são a favor da Agroecologia e da Luta pela Terra, para que todas, todos e todes possam viver livres da especulação das commodities ou pelo modelo de comida/mercado.

Viva a luta dos movimentos sociais do campo, das águas, das florestas e da cidade que dizem COMER É UM DIREITO!

Fortaleça o Tuitaço

#LuteContraFome

Leia mais textos e artigos dos Jornalistas Livres sobre a Fome AQUI

Leia a entrevista com José Graziano, ex-diretor da FAO, sobre os 18 anos do Bolsa Família e do desmonte de políticas públicas patrocinado por Bolsonaro AQUI

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Cada um com sua prioridade

Já os mais pobres têm urgência. Sua sobrevivência depende de comida na mesa e o futuro governo precisa agir imediatamente, mesmo que seja obrigado a provocar um desarranjo no “mercado”

A máscara da caridade

O bolsonarista Cássio Cenali não foi nem original em sua crueldade: ele apenas emulou, de forma medíocre e rasteira, o que seu patrão faz em Brasília