Comer é um Direito Humano. Contra o genocídio pela fome

Rede de cozinhas quilombolas de Minas Gerais contra a fome
Rede de cozinhas quilombolas de Minas Gerais contra a fome

Nós, Jornalistas Livres, passamos para lembrar que não é só neste 16 de Outubro, Dia Mundial da Alimentação, que devemos lutar pelo direito de todos por um prato de comida. Essa é uma luta de todos os dias do ano.

Por Leonardo Koury Martins

A luta pela alimentação deve ser uma bandeira global. Comer é um ato político. Sendo assim, a fome é uma decisão política, às vezes como forma de protesto, como ocorre nas greves de fome. Mas governos de vários países transformam a fome em prática genocida.

Vivemos em um país que é o maior produtor de alimentos do mundo, mas 19 milhões vivem o cotidiano da fome.

Os Jornalistas Livres são a favor da Agroecologia e da Luta pela Terra, para que todas, todos e todes possam viver livres da especulação das commodities ou pelo modelo de comida/mercado.

Viva a luta dos movimentos sociais do campo, das águas, das florestas e da cidade que dizem COMER É UM DIREITO!

Fortaleça o Tuitaço

#LuteContraFome

Leia mais textos e artigos dos Jornalistas Livres sobre a Fome AQUI

Leia a entrevista com José Graziano, ex-diretor da FAO, sobre os 18 anos do Bolsa Família e do desmonte de políticas públicas patrocinado por Bolsonaro AQUI

COMENTÁRIOS

  • POSTS RELACIONADOS

    A fome não pode ser um negócio

    No Dia Mundial da Alimentação, encaramos nossa incapacidade de alimentar cerca de 15 milhões de pessoas que passam fome, aquelas que não fazem uma refeição durante dois, três dias na semana

    >