Chega de horror! Fora, genocida!

Um genocida desfila sem máscara e comanda a orgia da Covid em hospital de bacanas, um fascista analfa comanda a Cultura, o jurista Merval Coalhada Pereira impõe verdades de sarjeta ao STF durante anos...
Bolsonaro sem máscara no hospital em São Paulo
Bolsonaro sem máscara no hospital em São Paulo

O processo de imbecilização do Brasil trouxe junto a normalização de absurdos. Um genocida limítrofe que sempre viveu de rachadinhas em gabinetes lotados de parentes e agregados funcionários fantasmas é presidente da República…

Por Carlos Eduardo Alves

Filhos que expressam sua ignorância em uma língua próxima ao Português, um general de burrice comovente recebe a Saúde e manda centenas de milhares de brasileiros para a cova, parlamentares meliantes assaltam o erário público com a indecência do Fundão…

Um genocida desfila sem máscara

Um genocida desfila sem máscara e comanda a orgia da Covid em hospital de bacanas, um fascista analfa comanda a Cultura, o jurista Merval Coalhada Pereira impõe verdades de sarjeta ao STF durante anos…

Juízes e desembargadores brincam de Justiça fascista para pobres e minorias, Temer está solto e palpitando, “analistas” de direita mentem e erram todas as linhas e letras do que apostam…

A morte evitável passa a ser rotina, a fome volta para milhões de famílias, a prostituição infantil vira cenário comum, as árvores são derrubadas e contrabandeadas por bandidos de colarinho branco, mulheres e gays são mortos todos os dias vítimas da ignorância…

Normalizamos a barbárie em todos os campos. Ouvimos os primitivos e constatamos seus atos como quem troca de camisa. O Brasil é hoje a terra das trevas…

Por isso, é cada vez mais necessário dizer chega de horror! Fora, genocida! Pela reconstrução de um Brasil que respeite diferenças e restituição da cidadania mínima à sua multidão de miseráveis.

COMENTÁRIOS

2 respostas

  1. Coprofilia de Genô arrasta Brasil para submundo da Familícia .

POSTS RELACIONADOS

Quem vê corpo não vê coração. Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental na classe trabalhadora.

Desigualdade social e doença mental

Quem vê corpo não vê coração.
Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental. Sobre como a população pobre brasileira vem sofrendo com a fome, a má distribuição de renda e os efeitos disso tudo em nossa saúde.

Cultura não é perfumaria

Cultura não é vagabundagem

No extinto Reino de Internetlândia, então dividido em castas, gente fazedora de arte e tratadas como vagabundas, decidem entrar em greve.