Carlos Eduardo Martins: “A desindustrialização brasileira no mundo não tem comparação”

Sobre o artigo de Haddad questionando a existência de uma burguesia industrial e nacional brasileira:

1) Apesar de criticar as opções econômicas e políticas da burguesia industrial brasileira, o autor ainda apega-se melacolicamente à busca do elo perdido da burguesia nacional, ao afirmar que esta ainda não se comporta como classe;

2) Esta melancolia esteriliza sua crítica referenciada intelectualmente, pasmem, em Fernando Henrique Cardoso, que organizou o enterro da indústria brasileira ao atualizar a dependência do tripé do capitalismo associado para o Consenso de Washington e a finaceirização;

3) É absolutamente assustador que Haddad evite o termo desindustrialização para se referir à perda da participação da indústria no PIB brasileiro, recorrendo a generalizações como a da superação global da indústria pelo setor de serviços de alta tecnologia. A desindustrialização brasileira no mundo não tem comparação. Não desenvolvemos um setor de serviços de alta tecnologia e nosso PIB industrial per capita é 25% menor que o de 1980, enquanto o dos Estados Unidos é 75% maior;

4) A chave da desindustrialização brasileira está na opção política da grande burguesia interna, enquanto fração dominante do capitalismo no Brasil, de impor a superexploração dos trabalhadores. Isso exige a ruptura com o desenvolvimento para estabelecer altos níveis de desemprego e precarização do trabalho, propiciando a desorganização dos movimentos sociais e a lumpenização cultural para permitir a conciliação da superexploração com níveis muito superiores de qualificação da força de trabalho. O apoio das principais frações da burguesia brasileira ao Golpe de Estado de 2016, a EC 95 e a Paulo Guedes apenas reafirmam que a pretensão de Fernando Henrique Cardoso de articular dependência e desenvolvimento mostrou-se um despropósito histórico, ancorada na ilusão ideológica do desenvolvimento dos 70. A balança da história pende muito mais para os caminhos abertos por Ruy Mauro Marini, Theotonio dos Santos e Vânia Bambirra, onde eu e outros temos inserido nossos trabalhos de forma crítica para desenvolver este filão interpretativo;

5) Parte da crítica ao artigo de Haddad provém das viúvas do nacional desenvolvimentismo que, à esquerda e à direita, menos céticas que Haddad, esperam o ressurgimento de uma burguesia redentora que de fato nunca existiu;

6) Tudo isso sugere que uma eventual candidatura de Haddad parece ainda ancorar-se em referências interpretativas e, possivelmente, em alianças que estão muito abaixo das necessidades do nosso povo diante da radicalização que a luta de classes apresenta no Brasil e na America Latina.


Carlos Eduardo Martins é doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor adjunto e chefe do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenador do Laboratório de Estudos sobre Hegemonia e Contra-Hegemonia (LEHC/UFRJ), coordenador do Grupo de Integração e União Sul-Americana do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso) e pesquisador da Cátedra e Rede Unesco/UNU de Economia Global e Desenvolvimento Sustentável (Reggen). É colunista do Blog da Boitempo, com o qual colabora mensalmente, às segundas.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

2 respostas

  1. O unico fator a ser abandonado é o Modelo de Gestão Pública, cuja manutenção e alimentação vem do Modelo Político-partidário-eleitoral. Portanto, tudo vem destes modelos que são arcaicos, estáticos e não atendem a Constituição. Para não enfrentar a Gestão Pública como manda a Constituição, o Congresso e o Executivo alteram e a remendam para tornar os absurdos, retiradss de direitos, etc, constitucionais. Nossas instruções acompanham o modelo e resguardam privilégios e ineficiências que sufocam e penalizam os brasileiros, exclusão e sofrimentos continuados se assemelham a tortura.
    Estou no debate e as ordens para contribuir.
    A imprensa e omissa e subserviente a este modelo, assim como outras classes que estão mudas e só reproduzem o que está de acordo com este modelo.
    Imprensa pode e deve agir para fazer evoluir para um Modelo de Gestão Pública que contemple os interesses do povo brasileiro, um novo modelo Democrático, que cumpra a Constituição, que faça cumprir o Estado Democrático de Direito e devolva a dignidade a todos nós brasileiros.

  2. A burguesia brasileira é míope e hipócrita prega estado mínimo para o povo mas adora se escorar no estado quando lhe convém. Dificilmente seremos um país de primeiro mundo . Porque um país dividido e injusto impede esse sonho, o que se aperta muito escapa entre os dedos. Sem bem estar social,o conflito sempre estará presente. Afinal todos querem qualidade de vida.

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural