Bandido bom é bandido crucificado

Por José Barbosa Junior

Relembrar esta data traz consigo significados para além da espiritualidade, transpondo a barreira religiosa do fato. Jesus foi morto por desafiar um sistema perverso, que aliou um Império cruel e genocida a uma religião vendida e ameaçada pela mensagem de libertação do profeta galileu.

Reforçando a ideia defendida por Marx, de que a história acontece “primeiro como tragédia, depois como farsa”, não tenho dúvidas em denunciar que vivemos uma farsa terrível, fantasiada de moralismo e que insiste em fazer alusão à fé cristã.

Nada mais mentiroso! Nada mais falso! Nada mais perverso.

Vivemos hoje, no Brasil, a grande farsa evangélica messiânica, que atribui a Jair Bolsonaro todos os requisitos para classificá-lo como um Anticristo, apoiado por uma igreja corrompida e conivente, que em nada faz lembrar o crucificado.

Jesus subverteu sistemas e dogmas religiosos. É a antítese do que se esperava como Messias. É pobre, periférico, não branco, agitador… Desafia poderes imperiais e religiosos com palavras de amor e chamando a humanidade à comunidade, a repartir riquezas, a não oprimir ninguém, e à experiência de novos céus e nova terra como um “paraíso de igualdade”.

Percebam bem: é fácil falar de nova terra, mas precisamos resgatar o sentido de “novo céu”… É preciso uma outra espiritualidade, uma nova percepção do transcendente. Basta da religião que oprime e segrega. Que venha a espiritualidade que une, iguala e expõe as opressões e horrores dos poderosos.

Isso tudo para dizer que quem defende isso, tanto lá quanto cá, será visto como ameaça e perigo: um bandido. O bandido é o que subverte a Lei estabelecida. Jesus foi um deles. E foi tratado como tal. Preso, torturado e morto.

Para a religião que domina, bandido bom é bandido crucificado.

Mas… Como diz um outro barbudo que a gente conhece bem: “podem até me prender ou tentarem me matar. Mas não matarão e nem prenderão as minhas idéias. Elas já estão por aí…”

É por isso que a história não termina na sexta-feira, mas no domingo.

Porque cremos em ressurreições!

*José Barbosa Junior – Teólogo e Pastor da Comunidade Batista do Caminho em Belo Horizonte

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria