Bandido bom é bandido crucificado

Escrevo este texto na "sexta-feira santa", dia em que toda tradição cristã rememora a crucificação de Jesus, o pobre de Nazaré

Por José Barbosa Junior

Relembrar esta data traz consigo significados para além da espiritualidade, transpondo a barreira religiosa do fato. Jesus foi morto por desafiar um sistema perverso, que aliou um Império cruel e genocida a uma religião vendida e ameaçada pela mensagem de libertação do profeta galileu.

Reforçando a ideia defendida por Marx, de que a história acontece “primeiro como tragédia, depois como farsa”, não tenho dúvidas em denunciar que vivemos uma farsa terrível, fantasiada de moralismo e que insiste em fazer alusão à fé cristã.

Nada mais mentiroso! Nada mais falso! Nada mais perverso.

Vivemos hoje, no Brasil, a grande farsa evangélica messiânica, que atribui a Jair Bolsonaro todos os requisitos para classificá-lo como um Anticristo, apoiado por uma igreja corrompida e conivente, que em nada faz lembrar o crucificado.

Jesus subverteu sistemas e dogmas religiosos. É a antítese do que se esperava como Messias. É pobre, periférico, não branco, agitador… Desafia poderes imperiais e religiosos com palavras de amor e chamando a humanidade à comunidade, a repartir riquezas, a não oprimir ninguém, e à experiência de novos céus e nova terra como um “paraíso de igualdade”.

Percebam bem: é fácil falar de nova terra, mas precisamos resgatar o sentido de “novo céu”… É preciso uma outra espiritualidade, uma nova percepção do transcendente. Basta da religião que oprime e segrega. Que venha a espiritualidade que une, iguala e expõe as opressões e horrores dos poderosos.

Isso tudo para dizer que quem defende isso, tanto lá quanto cá, será visto como ameaça e perigo: um bandido. O bandido é o que subverte a Lei estabelecida. Jesus foi um deles. E foi tratado como tal. Preso, torturado e morto.

Para a religião que domina, bandido bom é bandido crucificado.

Mas… Como diz um outro barbudo que a gente conhece bem: “podem até me prender ou tentarem me matar. Mas não matarão e nem prenderão as minhas idéias. Elas já estão por aí…”

É por isso que a história não termina na sexta-feira, mas no domingo.

Porque cremos em ressurreições!

*José Barbosa Junior – Teólogo e Pastor da Comunidade Batista do Caminho em Belo Horizonte

Categorias
AnáliseArtigoOpinião
2 comentários:
  • Wanessa Monteiro
    19 abril 2019 at 16:12
    Comente

    Vivemos tempos difíceis, onde vemos que o nosso único e verdadeiro refúgio é Cristo! Se alguém busca Igreja ou líder religioso para serem seus guias estão perdidos. Muitos vivem a sexta-feira ao invés de viver o domingo.

  • Jose Carlos Carvalho (@CarlosSonater)
    20 abril 2019 at 11:08
    Comente

    Essa é a nova narrativa esquerdista???Chega a ser nojenta!!!

  • Deixe uma resposta