Após denunciar assédio, alunas recebem ameaça de chacina no IF de Pirituba

Usuário anônimo ameaçou realizar uma chacina no campus; as aulas foram suspensas na última segunda-feira (29)
Alunos protestam contra o assédio no IF de Pirituba [Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução]
Alunos protestam contra o assédio no IF de Pirituba [Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução]

No último sábado (27), um usuário anônimo enviou intimidações e ameaças de chacina a estudantes do Instituto Federal de Piritiba, em São Paulo. A mensagem foi enviada via email, por meio da plataforma anônima MailLater, e cita nomes de alunas e alunos, dizendo: “nós vamos assassinar todos”. A ameaça veio depois que alunas da escola denunciaram casos de assédio dentro do Instituto e expuseram os nomes dos assediadores.

Por Thaís Helena Moraes

A mensagem anônima afirma que alguns alunos do IF de Pirituba passaram a ser “tratados igual lixo” depois das denúncias de importunação sexual, e que isso teria motivado as ameaças. “Meninas, não sintam medo de serem assediadas, sintam medo de perderem as suas vidas”. O usuário refere-se às garotas como “pedaços de carne” e diz que a escola será vítima do que chama de “novo massacre”. Tomando conhecimento das ameaças, o Instituto Federal de Pirituba dirigiu-se à delegacia na noite do dia 27; o registro da ocorrência só foi realizado na manhã do domingo, 28. As aulas foram suspensas na segunda-feira seguinte (29).

As ameaças surgiram depois que alunas do Instituto se uniram para denunciar casos de assédio no campus de Pirituba. O Instituto apoiou as estudantes, abrindo rodas de conversa e debates sobre gênero nas aulas. Uma manifestação ocorrida em 19 de agosto mobilizou estudantes de todos os anos, que discursaram sobre suas experiências de importunação sexual e citaram os nomes dos assediadores.

Alunos se uniram em 19 de agosto para denunciar assédio no Instituto [Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal]

No começo do ano, ainda, desenhos de suásticas foram encontrados em carteiras nas salas de aula do Instituto. Os alunos acreditam que possa haver relação entre o acorrido e a recente ameaça de chacina. Segundo fontes, o Instituto prega sempre a tolerância e tem uma postura progressista; para eles, esse comportamento agressivo e ultradireitista pode ser uma consequência da pandemia, momento em que alunos do ensino fundamental – agora estudantes do ensino médio – podem ter contato com grupos extremistas na internet.

O Instituto Federal de Pirituba já toma as medidas necessárias à segurança da comunidade. Além do registro de boletim de ocorrência, foram feitas reuniões com a Reitoria, servidores, alunos e pais/responsáveis para esclarecer a situação. A equipe de Tecnologia da Informação trabalha com a Polícia para rastrear a mensagem; a empresa de controle de acesso e vigilância foi notificada e intensificará seus processos, bem como a Ronda escolar. Segundo nota divulgada pelo Campus, também será disponibilizado atendimento psicológico à comunidade e a segurança vem sendo reforçada com presença da Polícia Militar a partir da terça-feira (30). O Instituto reforça ainda que assédio, violência e ameaças são repudiados e intoleráveis.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A cor do golpe

Os discursos de ódio a conta gota, institucionalizaram-se. Eles destilam o ódio a negros, mulheres, LGBTIQIA+, nordestinos e pcd’s.