“A morte de Moïse a goles de refrigerante”

O Brasil que ignora a África é o mesmo que matou Moïse a goles de refrigerante e pauladas.


Por Franklim Peixinho*

O Brasil que ignora a África é o mesmo que matou Moïse a goles de refrigerante e pauladas. A cada líquido gaseificado sorvido ao olhar oblíquo de consumidores, apresentava-se a habitual naturalidade de mais um açoitamento de um preto atrevido. Uma ousadia mortal e necessária para que o Kakongo, Loango, Mpangu… Hoje, Angola e Congo, não morram nas terras colonizadas que ainda se arvora em europeizar. O Brasil para pessoas pretas ainda é um projeto mal sucedido de genocídio, mas que persiste causando dor, adoecimento e revolta.

Ousar é o verbo mais conjugado pela população preta, e graças a esta ação é que o epistemicídio promovido pela educação branca alienada e alienante não conseguiu destituir a história do indivíduo-sujeito. Este pode morrer, mas ressuscita em gerações seguintes, na contramão do assassinato colonial. Nesta contradição, no mosaico social brasileiro, o desejo em se espelhar em opressores se perfaz numa sanha sádica, fria e cruel, pelas mãos de quem executa uma vida preta a pauladas, como também daquele que tacitamente concorda com o ‘‘corretivo’’ dando um suposto ‘‘assaltante’’ em meio a goles de refrigerante, ou ainda com a inércia de agente públicos – os guardas municipais no mais puro genuíno racismo institucional – que se omitiram quando acionados para socorrer com o congolês. Matemos Moïse com normalidade!

Ora, a intenção era somente espancar, da mesma forma que o sargento da marinha matou esta semana, ‘‘culposamente’’, o Durval Teófilo, seu vizinho, já que o mesmo era preto e sua cor levou o assassino, ‘’imprudentemente’’, a confundi-lo com um ladrão. Chegamos, então, a duas conclusões: se é ladrão cabe a execução privada e capital da pena, e se ainda por cima for preto, deixa quieto, ‘‘segue o fluxo’’ – porque deve merecer. Este é a sociedade brasileira que ainda discute a necessidade de cotas raciais e a tal inexistência de racismo. Mais uma morte preta que revolta e alimenta a necessidade de se avançar cada vez mais, até frear o projeto de genocídio no Brasil contra pessoas pretas.

(*) Franklim Peixinho é advogado, professor de História e Direitos Humanos, doutor em Ciências Jurídicas e Sociais (UMSA), mestre em Políticas Públicas e em História da África (UFRB) e doutorando em Difusão do Conhecimento (UFBA)

Foto: Sato do Brasil/Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

2 respostas

  1. Basta de violência contra a população negra, no Brasil ou em qualquer outro lugar do planeta. Vamos por um fim também a outras formas de agressões contra os negros, muitas vezes mal dissimulada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POSTS RELACIONADOS

Cultura não é perfumaria

Cultura não é vagabundagem

No extinto Reino de Internetlândia, então dividido em castas, gente fazedora de arte e tratadas como vagabundas, decidem entrar em greve.

O silêncio dos nada inocentes e a coragem de Lula

Em coletiva de imprensa na África, o presidente brasileiro disse o que muitos governantes têm medo de dizer: que o Estado de Israel comete, com cumplicidade da mídia e dos líderes ocidentais, um genocídio comparável ao dos nazistas