Yanomami repudiam ida de Bolsonaro a sua Terra

Ele Não! Em carta, indígenas repudiam visita anunciada de Bolsonaro a Terra Yanomami Presidente prometeu "conversar com indígenas e garimpeiros" no Amazonas nesta quinta (27); comunidade cobra segurança
23/08/2019. Credito: Ed Alves/CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia - DF. Politica. Cerimonia Dia do Soldado. Presenca do Presidente Jair Bolsonaro com o comandante do Exercito Leal Pujol. Local. Setor Militar Urbano de Brasilia.

Ele Não! Em carta, indígenas repudiam visita anunciada de Bolsonaro a Terra Yanomami

Presidente prometeu “conversar com indígenas e garimpeiros” no Amazonas nesta quinta (27); comunidade cobra segurança

Martha RaquelBrasil de Fato | São Paulo (SP) | 26 de Maio de 2021 às 18:42

Presidente prometeu aterrissar em base do Exército vizinha a Terra Yanomami, para “conversar com indígenas” – Ed Alves

Indígenas Yanomami repudiaram a intenção de Jair Bolsonaro de viajar nesta quinta-feira (27) à comunidade Maturacá, no município de São Gabriel da Cachoeira (AM). A região fica próxima à fronteira com a Venezuela. 

O anúncio foi feito pelo próprio presidente da República, em uma live transmitida no dia 29 de abril, e não foi confirmado oficialmente pelo Palácio do Planalto, que não havia divulgado a agenda presidencial da próxima quinta até a publicação desta reportagem.

Na live, Bolsonaro – defensor da regularização da atividade garimpeira em território indígena – disse que planeja visitar um pelotão de fronteira do Exército (PEF) que fica no limite da terra Indígena Yanomami, “para conversar com indígenas” e “aterrissar” em um garimpo ilegal (que fica dentro do território indígena). Jair Bolsonaro nunca visitou uma Terra Indígena. 

Na mesma live em que Bolsonaro prometeu a visita ao Território Indígena, o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcelo Xavier, defendeu legalizar o garimpo em área indígena.

Carta dos Yanomami repudia a visita presidencial

Em carta divulgada no último dia 15 de maio, os Yanomami dizem que a decisão de repudiar a visita presidencial é coletiva e legítima. 

O documento, assinado pelo presidente da Ayrca (Associação Yanomami do Rio Cauaburis e Afluentes), José Mario Góes, pela presidente da Kumirayoma (associação de mulheres), Erica Figueiredo, e por outros quatro líderes locais, explica o posicionamento da comunidade. 

“Nós, caciques, líderes e povos, habitantes originários milenar do território, comunidades Ariabú, Maturaca, Nazaré, Inambu, Cachoeirinha, Ayar, e Maiá novamente reiteramos nossa posição legítima em repudiar visita do presidente senhor Jair Messias Bolsonaro no nosso território Yanomami.” diz o documento. 

Para os indígenas, a intenção da visita é “tratar e tentar acordar conosco a legalização de mineração no território Yanomami, portanto, essa não é a nossa ansiedade”. 

“Ao contrário disso, exigimos que o governo deve implementar ações de fiscalização de forma contínua nos entornos, limites dos territórios indígenas já demarcados, registrados e homologados, para proteger os povos indígenas”, continuam. 

Para os Yanomami, o governo deveria retirar os invasores do território em caráter de urgência e garantir a saúde dos povos e da “Terra Mãe”. 

“Não aceitamos legalização de atividades mineradoras em nossas terras. Essa ação mineradora, entendemos, não trará benefício para nenhum de nós indígenas Yanomami, a fim de suprir necessidade essencial, ou seja, prioritária, tanto presente quanto futuro”, explicam, na carta escrita por eles em português. Veja a íntegra do documento abaixo.


Carta aberta Yanomami direcionada ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) / Reprodução


Carta aberta Yanomami direcionada ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) / Reprodução

 O documento também exige que seja dada condições e recursos necessários para os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (unidades de atendimento e saúde) que existem no Estado Brasileiro e atendem e prestam serviços às comunidades indígenas. 

Segundo os indígenas, por falta de assistência adequada, moradores de comunidades de difícil acesso não são assistidos pelo sistema de saúde instalado. 

Na cultura Yanomami, não há decisão individual e, sim, coletiva. Dessa forma, os indígenas se manifestam coletivamente contra o anúncio de visita de Bolsonaro. 

“Essa diferença de organização social e governança do território deve ser respeitada pelo governo. […] Nós Yanomami, por estarmos insatisfeito da visita de locais de garimpo ilegal, novamente ratificamos posição de repudio. É legítima a posição Yanomami”, finaliza a carta. 
 

Edição: Vinícius Segalla

23/08/2019. Credito: Ed Alves/CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia – DF. Politica. Cerimonia Dia do Soldado. Presenca do Presidente Jair Bolsonaro com o comandante do Exercito Leal Pujol. Local. Setor Militar Urbano de Brasilia.

COMENTÁRIOS

  • POSTS RELACIONADOS

    408 atos fora Bolsonaro no 19 de junho, veja a lista

    Última atualização, agora já são 408 atos confirmados pelo Fora Bolsonaro. “Continuamos ocupando às ruas e as redes sociais na luta por Vacina no Braço, Comida no Prato e pelo Impeachment do Bolsonaro e de seu governo Genocida. Se o 29M foi bonito, este será mais ainda! Importante que todas e todos sigam as medidas de proteção possíveis, para caminhar lado a lado em defesa da vida, por vacina para todos e por impeachment já”

    >