Xavantes lutam contra as queimadas no Mato Grosso

Ano passado (2020), as queimadas foram piores, porém eles tinham o auxílio da brigada Antifascista. Com o COVID, esta ajuda é uma incógnita.

“Antigamente não havia muitas queimadas, só havia queimada pra fazer caçar, casamento, ritual…Antigamente a queimada pra fazer caçar tinha limite. Hoje tem muitas queimadas, muita destruição do cerrado (…) E nós somos o povo do cerrado.”

Libêncio Xavante

A rodovia (BR-70), no Mato Grosso, perpassa o território do povo Xavante (Sangradouro), o que facilita para os fazendeiros invadirem as terras e botarem fogo.

Na aldeia Abelhinha, eles estão tentando criar uma brigada para combater o fogo. De acordo com moradores, as queimadas aumentaram exponencialmente ano passado, causando crises respiratórias em crianças e idosos.

Moradores carregam corpo de animal morto no incêdio (2020). Por: Libêncio Xavante

O sistema de saúde

Com o sistema de saúde em crise por causa do Covid, seria extremamente perigoso levar as crianças e idosos até os hospitais, e por isso estão ainda mais preocupados com a questão das queimadas.

Eles não têm acesso aos medicamentos normalmente utilizados para o tratamento de doenças respiratórias, e com as queimadas não conseguem achar as plantas medicinais que utilizariam no tratamento.

Cerrado em fogo. (2020) Crédito: Libêncio Xavante

O período de queimadas vai de julho até setembro, e por isso eles estão tentando se preparar o quanto antes. Todavia, não tem dinheiro para comprar os equipamentos necessários. Assim, o objetivo é criar uma brigada que fique responsável por cuidar do fogo cada vez que ele ocorrer.

Ano passado a brigada Antifascista, de São Paulo, havia colaborado com os moradores da região. A questão é que se eles não forem vacinados (os membros da brigada), não poderão ir até Sangradouro e os indígenas não terão ninguém para ajudá-los e nem o equipamento. 

Eles estão totalmente sozinhos, e mesmo sabendo como utilizar os instrumentos necessários para acabar com as queimadas, sem o equipamento não poderão fazer nada. Por isso, apesar do desejo de proteger sua terra, não estão próximos de consegui-lo.     

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.