Viva Carol Solberg! A caquética CBV vai à lona

A Confederação Brasileira de Vôlei teve de engolir o "Fora Bolsonaro" gritado pela jogadora de vôlei
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Com medo da repercussão pública (inclusive internacional), a medíocre Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) limitou-se a ‘contemplar’ a atleta Carol Solberg com uma simples advertência: não pode mais falar “Fora, Bolsonaro”.

Eustáquio Trindade Neto, jornalista

Simples, mas que carrega o peso de uma censura que nos remete aos piores tempos da história recente do Brasil. Tempos em que vozes da resistência surgiram também de dentro do esporte. Casagrande, Dr. Sócrates, Wladmir, Reinaldo, Dr. Afonsinho, Isabel Salgado (mãe da Carol Solberg), Jackie Silva…

E hoje? Dá vergonha. Atletas brasileiros, medrosos, na maioria, não sabem do poder que têm nas mãos. Ameacem uma greve. E aí, eles vão levar quem pras olimpíadas do Japão? Os velhos reaças que presidem a entidade? Esporte nunca deixou de ser uma atividade política. Desde as Olimpíadas de 1936, em Berlim, já se sabia disso. Me espanta o silêncio das vozes mais influentes no Brasil. Me espanta o silêncio da subserviente mídia especializada (os impensáveis comentaristas do canal SPORTV), hoje muito mais empenhada em bajular técnicos e jogadores de sucesso.


ANTES DE SER ATLETA, O ATLETA É CIDADÃO
O voleibol foi o primeiro esporte coletivo brasileiro a conseguir uma medalha olímpica. Tem uma história riquíssima. E ela passa por aqui, por Minas Gerais. Pelo Minas Tênis Clube, que se confunde com a própria história do vôlei brasileiro. Tá nesse livro que orientei como TCC, em meu último grande trabalho como professor. Um livro que inspira, porque conta uma história detalhada em sua rigorosa pesquisa histórica e na observância de valores que são eternos e que deveriam continuar assim, como regra e não como exceção na prática do esporte.
Um abraço pro Fábio Paes, líbero, ainda em atividade, que não conheço, mas que já soube que é das raras vozes discordantes dentro dessa massa de atletas que prefere silenciar.


Um abraço, João Vitor Cirilo, Wagner Fonseca, Rafael Martins, Frederico Vieira e Márcio Júnio. Foi uma honra trabalhar com vocês!

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A transição política inacabada de 2015

A movimentação atual de Bolsonaro em direção ao Centrão, além do silêncio ensurdecedor do “gabinete do ódio”, indicam a fragilidade das forças extremistas do Brasil, assim como a fragilidade da tese da ascensão dessas forças

Rachadinha na versão de Itapecerica SP

Ex-funcionária da Câmara de Vereadores de Itapecerica da Serra, região metropolitana de São Paulo, fez denúncia ao Ministério Público de SP, por ter sido obrigada a “rachar” parte dos seus honorários com a Presidência da casa.

>