CHAPADA DOS VEADEIROS E A LUTA SOLITÁRIA CONTRA AS QUEIMADAS

Texto e fotos: João Paulo Guimarães, para os Jornalistas Livres

A cobertura de reportagem fotográfica requer observação. Observar a paisagem do local em referência ao que se vai fotografar. Por exemplo, se eu estou indo fotografar áreas afetadas pelo fogo criado pelo agronegócio, então preciso ter certeza do impacto na paisagem, das áreas destruídas próximas às plantações de grãos produzidos pelo agro. Esse impacto está muito presente no Cerrado.

Essa cicatriz do agro no Cerrado,  no Pantanal e na Amazônia são contundentes. Para cobrir o último incêndio na Chapada dos Veadeiros, ocorrido no final de setembro, percorri cerca de 2.300km de ônibus, de Belém-PA até Brasília, e depois até Cavalcante-GO, um dos municípios englobados pela Chapada dos Veadeiros.   Observei o que o agro fez com a paisagem, na Amazônia e no Cerrado. Mares sem fim de soja e milho. Quilômetros a perder de vista com cores amareladas e bege, com pequenos detalhes de verde na composição. O verde mais abundante da paisagem que encontramos foi o eucalipto. Cultivado também para exportação.

Tudo é produzido por dinheiro, na paisagem que o agro compõe. Nada é natureza. Nada é preservado ou autossustentável. Tudo nascido do fogo e direcionado para fora do país. O Cerrado planta e colhe dinheiro. Nada volta para o povo do Cerrado ou para o pequeno agricultor. Tudo é pela expansão de impérios da soja e da pecuária. E a soja e a pecuária são as principais inimigas do meio ambiente. Odeiam o verde e a saúde dos rios e açudes. Não só queimam, como também envenenam os lençóis freáticos com agrotóxicos e defensivos. É desse ódio que nasce o fogo criminoso, e desses incêndios nasceram, em todas as regiões do país, altruístas e corajosas, as brigadas voluntárias de combate ao fogo.  

Neste ano, na Chapada dos Veadeiros, foram consumidos 36.000 hectares. Trezentos e sessenta milhões de metros quadrados de cerrado destruídos! E essa destruição se iniciou em uma área conhecida como Vale da Lua, em Alto Paraíso-Goiás, outro dos municípios que compõem Veadeiros.

Esse foi o início do caos. A partir daí, a parte da Chapada localizada em Cavalcante começou a sucumbir aos focos de fogo que, aos poucos, foram se transformando em grandes incêndios, invadindo áreas preservadas e territórios dos quilombolas Kalunga, que só não foram atingidos graças ao conhecimento ancestral de combate ao fogo dos quilombola que compõe o Prevfogo, divisão do IBAMA especializada em combater incêndios em todo o Brasil. 

As brigadas do Icmbio, a Rede Contra Fogo, Prevfogo IBAMA e a Brivac foram os principais recursos para debelar a ação do fogo criminoso. Voluntários que arriscam a vida, e em alguns casos, a perdem para os incêndios. Ano passado foram duas mortes de brigadistas. Neste ano, acidentes pontuais, mas que mostram que o perigo é real e constante durante os combates a incêndios.

Em 1961, quando foi criado, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (PNCV) ocupava uma área de 625.000 hectares. Passou por seguidas reduções, até chegar, em 1981, a absurdos 65 mil hectares. Essas reduções da área do Parque se deram, sobretudo, por pressão do agronegócio. Em 2001, o Parque foi reconhecido como Sitio do Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, e teve sua área  ampliada  para 235.  Desde 2017, através de grande mobilização de ambientalistas, políticos, cientistas e servidores do ICMBio, o Parque conseguiu ampliar mais um pouco, passando a 245.000 hectares. Mesmo assim, muito menor do que a área de sua criação, em 1961. Essa recuperação de parte da área original do PNCV provocou a ira dos ruralistas.

Não por coincidência, 2017 também foi o ano de um dos piores incêndios florestais da história da Chapada, e 65.000 hectares de uma das áreas de Cerrado mais biodiversa do país foram consumidos pelo fogo ( 25% da área total da reserva). Investigações preliminares do ICMBio e da polícia apontaram fortes indícios de incêndio criminoso. Estranhamente, o maior incêndio da Chapada dos Veadeiros ficou impune. A procuradora da República no MPF/GO Nádia Simas Souza pediu o arquivamento dos inquéritos “pela antiguidade dos fatos, pelo esgotamento das diligências de investigação e pela falta de uma linha de apuração idônea sobre a autoria do crime”.

Enquanto isso, seguem , seguem os crimes com a impressão digital característica daqueles que ainda vão transformar os biomas do país em uma imensa plantação de soja. Até lá será que vamos conseguir respirar fumaça?

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A fome não pode ser um negócio

No Dia Mundial da Alimentação, encaramos nossa incapacidade de alimentar cerca de 15 milhões de pessoas que passam fome, aquelas que não fazem uma refeição durante dois, três dias na semana

>