Tá tudo bem, viu?

Por Álvaro Nascimento, jornalista

1. O presidente da República propõe, em tom ameaçador, que as Forças Armadas realizem uma apuração paralela à do TSE nas eleições de 2022. Ele mente dizendo que “quando encerra eleições (sic) e os dados chegam pela internet, tem um cabo que alimenta a sala secreta do TSE. Dá para acreditar nisso? Sala secreta, onde meia dúzia de técnicos diz ‘quem ganhou foi esse’. Uma sugestão é que neste mesmo duto seja feita uma ramificação, um pouco à direita, porque temos um computador também das Forças Armadas para contar os votos”.

2. Após ser condenado, por 11 votos a 1, pelo Supremo Tribunal Federal, a 8 anos e 9 meses de prisão, perda do mandato e dos direitos políticos, por ter defendido o fechamento do STF e ameaçado um de seus membros, exortando o povo a “invadir o STF, agarrar o Alexandre de Moraes pelo colarinho dele, sacudir a cabeça de ovo dele, e o jogue dentro de uma lixeira”, o deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), no dia seguinte à condenação pelo Supremo e antes mesmo do julgamento de eventuais recursos e da decisão estar transitada em julgado, recebe o indulto através de decreto do presidente da República.

3. O ministro do STF indicado por Jair Bolsonaro, André Mendonça, sugere a seus pares o arquivamento do inquérito que investiga a produção em massa de notícias mentirosas (Fake news), comandado por seu colega Alexandre de Moraes, oferecendo em troca o encerramento do conflito do presidente com o Supremo Tribunal Federal. Fortes evidências levantadas nas investigações apontam para crimes cometidos pela estrutura de campanha e apoiadores de Bolsonaro.

4. O bilionário mais rico do mundo, Elon Musk, conhecido mundialmente por suas severas críticas e resistências às medidas para um maior controle de notícias falsas e propagação das manifestações de ódio e discriminação nas redes, compra o Tweeter, uma das mais utilizadas na prática deste tipo de crime. Os principais líderes dos movimentos fascistas e de direita no mundo comemoram a compra.

5. Dirigentes do Executivo e do Legislativo no Brasil realizam evento de desagravo, no Palácio do Planalto, onde o deputado Daniel Silveira porta o decreto presidencial de indulto, emoldurado nas cores verde e amarela, exibindo-o como um troféu, numa clara demonstração de enfrentamento ao Supremo em seu esforço de punir a militância extremada dos seguidores do presidente. Silveira é ovacionado na cerimônia.

6. Elevando ainda mais o enfrentamento à decisão do Supremo, o deputado indultado pelo decreto do presidente é indicado (e aceito pela direção da Casa) para ser membro de cinco comissões parlamentares da Câmara dos Deputados, entre elas a importantíssima Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), como membro efetivo e como vice-presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado.

7. O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, pastor com porte de arma – demitido após os escândalos envolvendo corrupção em seu Ministério via liberação de recursos milionários acatando indicações de outros pastores – ao embarcar no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, dispara uma arma de fogo no balcão da Latam. Uma funcionária da Gol no guichê vizinho é atingida por estilhaços. Ribeiro afirma que ao tentar “desmuniciar a arma dentro da pasta, ocorreu o disparo acidental”. Ele e todos os seguidores de Jair Bolsonaro são ardorosos defensores da liberação da venda de armas no Brasil, tendo atuado fortemente para isso.

8. O ex-Juiz Sérgio Moro, famoso – tempos atrás – pela imagem midiática de paladino da legalidade, dá à Justiça Eleitoral o endereço de um hotel para transferir o seu título de eleitor do Paraná para São Paulo, ao mesmo tempo em que troca o Podemos pelo União Brasil, com vistas a se candidatar ao Senado por seu “novo” domicílio eleitoral.

9. Uma menina indígena de 12 anos é estuprada até a morte por um grupo que é parte dos 30 mil garimpeiros cuja presença na Terra Indígena Yanomami, em Roraima, é ilegal. A denúncia é de Júnior Hekurari, líder indígena na região. Uma mulher que tenta proteger a menina estuprada é agredida pelos garimpeiros e uma outra menina, ainda bebê, que estava em seu colo, cai em um rio e seu corpo desaparece. Mas está tudo bem, viu, gente?



Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Ministério Público, cultura ou barbárie?

Por Gilvander Moreira[1] A ação de reintegração de posse movida contra famílias vulneráveis da Ocupação Marielle Franco pelo prefeito de Montes Claros/MG, Humberto Souto, de

>