Serial killer do meio ambiente, Ricardo Salles cai

Ministro que queria "passar a boiada" enquanto as atenções estavam focadas na pandemia já vai tarde, bem tarde
Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pede demissão - Foto de Lula Marques
Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pede demissão - Foto de Lula Marques

O peixe morre pela boca. Ministros, pelo cofre, suposta esperteza e serventia esgotada para a chefia. Além de atos delinquentes, Ricardo Salles ficará para sempre conhecido pelas palavras infames naquela reunião no dia do descobrimento do Brasil, 22 de abril. “Vamos aproveitar que a imprensa só fala em pandemia para passar a boiada e mudar todo o regramento jurídico.”

Por Ricardo Melo

Na moita, sem nenhum trocadilho. Pôs as mãos à obra.

Sentindo-se endossado e acima da lei, Salles abriu a porteira de vez para a boiada. Pilhado num contrabando recorde de madeira ilegal, fez o que sempre soube fazer.

Articulou mudanças na Polícia Federal, defenestrou delegados que enxergaram seus crimes, trocou superintendências do Ibama. Cedeu carona em jatinhos para gangues de garimpeiros. Acolheu desmatadores e assassinos de indígenas, aliados da destruição ambiental voraz.

Errou a mão, assim como já havia feito no governo Alckmin, de quem foi assessor e de concreto só produziu mais processos contra ele. Errou o momento também.

Os negócios escusos vinham enchendo seus cofres, mas começaram a incomodar o agronegócio, o único setor da economia real que tem apresentado resultados timidamente positivos na economia em dissolução.

Quando se observam os resultados do PIB sem o agronegócio, os números são ainda mais pífios. Detalhe: o Brasil é um dos líderes da exportação de alimentos e commodities, enquanto a fome grassa aqui dentro e o desemprego empina —o agronegócio não gera mão de obra intensiva.

Gera PIBinhos, mas não enche pratos de comida ou cartões de ponto. A roda gira com maquinário, não com seres humanos –a não ser para os grandes latifundiários e seus terceirizados.

Salles e sua boiada viraram incômodos. A gota d’água são os processos em curso na Polícia Federal. Salles pensou que Bolsonaro ia blindá-lo.

Após 15 dias de uma devassa em suas propriedades (15 dias!), cedeu o celular, mas se recusou a entregar a senha. Pensou ter se safado ao comparecer à delegacia ao lado de um assessor armado.

Como se esconder meia dúzia de números e letras no mundo de hoje fosse um seguro inexpugnável. A esperteza se mostrou burrice como era de se esperar com esse tipo de criatura.

Mais de 100 pedidos de impeachment

Bolsonaro só está interessado numa coisa: salvar a ele e a própria família da cadeia. Os delitos da quadrilha assentada no Planalto são públicos, notórios, nacionais e internacionais. Mais de uma centena de pedidos de impeachment empilhados nas gavetas de Arthur Lira, presidente do Senado. Este já avisou: a depender dele, continuarão mofando nos escaninhos.

A tendência é Bolsonaro multiplicar manobras para desviar o foco dos crimes de que ele e sua famiglia são acusados. Rachadinhas, Flavio Bolsonaro, Fabricio Queiroz, assassinato de Marielle, manipulação eleitoral –a lista é interminável. Onde foi parar esta folha corrida?

Ainda é pouco: escândalos dos escândalos, vai-se mostrando aos poucos que a participação do governo Bolsonaro nas mais de 500 mil mortes no país foi mais longe do que se pensava.

Além do boicote ao combate às medidas de combate à pandemia, descobre-se agora um esquema internacional de corrupção na compra de vacinas a preços 1.000% mais caros do que outras oferecidas há meses ao governo brasileiro.

Vacinas que nem sequer passaram pela Anvisa, mas negociadas com intermediários nacionais amigos do presidente. Coisa de mais de R$ 1 bilhão.

Dinheiro já reservado, empenhado, que só pode ser gasto para este fim. Enquanto isso postos de saúde da São Paulo e outras capitais fecham as portas por falta de imunizantes. Neste dia (23.04) lá se foram mais de 2.300 vidas.

Analogias são sempre pedagógicas, ajudam a refletir, mas dificilmente explicam o presente com todas as suas cores. O Brasil nunca passou por uma situação como esta.

Bolsonaro é mais que um acidente histórico, os arrependidos que o digam. É desequilibrado, psicopata, mitomaníaco, mesmo diante de seus grandes apoiadores da elite doméstica subserviente.

O apoio a Bolsonaro míngua a olhos vistos como mostram pesquisas e manifestações de rua de um lado e de outro. Nas Armas, ele tem apoio de PMs empobrecidos.

No Alto Comando do Exército, depende de oficiais ignorantes sem nenhum prestígio entre as tropas e mais preocupados em estufar os soldos (arrisco-me a dizer que até Mourão é mais respeitado na caserna).

No Congresso, a base de Bolsonaro é composta de uma maionese de partidos em relação aos quais duvido que qualquer brasileiro saiba citar os nomes das legendas.

Até o Judiciário ensaia alguma rebeldia (sem nenhuma ilusão sobre o amanhã), como mostrou o STF na votação contra Moro, inquirição de governadores e o TSE contra o voto impresso. Não há Aras capaz de tampar tantos furos no dique.

É bicho morto? De forma alguma. Feras acuadas tendem a ser mais ferozes. Daqui até as eleições (ou antes) é de se esperar de Bolsonaro novos espasmos contra a imprensa, canetadas com cada vez menos tinta, ameaças a granel ou até tentativas de quarteladas.

Leia mais sobre o legado de Ricardo Salles AQUI.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A fome não pode ser um negócio

No Dia Mundial da Alimentação, encaramos nossa incapacidade de alimentar cerca de 15 milhões de pessoas que passam fome, aquelas que não fazem uma refeição durante dois, três dias na semana

>