Rindo para não chorar

A semana em charges

Salve, cidadão! Salve, salve, cidadã! Após um longo e tenebroso verão, finalmente criamos vergonha na cara voltamos à ativa com a mais aguardada e ansiada postagem semanal dos Jornalistas Livres: Rindo para não chorar – a semana em charges. Aquele extrato concentrado de chorume gráfico e choramingações aleatórias que faz a alegria e a tristeza do seu domingo. Quer charges? Ei-las:

Por Quinho

E assim nós vamos vivendo de amor

Se foi Elza Soares. Que mulher, que artista, que legado. Saravá, Madame!

Por Carvall

Falando em legado…

Nessa semana completou-se o centenário do Velho Briza. Esse faz muita, mas muita, falta. Em um Brasil de bundas-moles, que assistem sentados aos descalabros bozonarianos bovinamente, era preciso um Brizolão pra chacoalhar a gurizada. Mas do mesmo molde que o bagual dos pampas, que chamou na chincha a milicada em 64, parece que não enfornaram mais nenhum.

Por Jota Camelo

Miragem

De volta ao presente inglório o que nos resta é a linda miragem do oásis das eleições. A redenção total de toda a desgraceira que caiu sobre nossas cabeças desde o Golpe de 2016. Cuidado camaradas… Esse deserto pode ser maior e mais árido do que muitos imaginam. Não se dá um golpe de estado para devolver o poder placidamente…

Por Bacellar

Piolhagem

Como dizia minha saudosa e pressurosa avózinha… A União faz açucar. Farinha pouca meu pirão primeiro. Chapéu de prego é marreta e cada cachorro que lamba sua própria caceta.

Ah… A sabedoria popular…

Por Netto

Paredão

Que delícia voltar a vida normal agora que acabou a pandemia né, galerinha? SQN. Só-que-não. O relaxamento prematuro de medidas de proteção, a transmissibilidade da ômicron e a tchurma do negacionismo antivac nos levaram de volta a estaca 1 (se não fossem as vacinas seria estaca 0 mesmo). Ontem (sábado 22) foram mais de duzentos mil casos novos registrados em 24 horas. Novo recorde! E os óbitos? Subindo, evidentemente. Nas palavras de um epidemiologista: A curva do gráfico de novos casos não é uma elevação… É um paredão. Então vê se não da mole.

Por Brum

Multinfanticídio

Diante dessa nova onda da doença qual é a ação do birolirismo? A mais esdrúxula possível, claro. A direita tresloucada encontrou seu novo inimigo número um: A vacinação infantil. Não basta ser genocida, tem que ser infanticida também. Psicopatia pouca é bobagem.

Por Aroeira

Arrombado

Como era de se prever, para a surpresa de um total de zero pessoas, o orçamento de 2022 teve o cofre arrombado pelo centrão. 4.900.000.000,00R$ só de fundo eleitoral (mais ca$calho do que pra pasta da saúde! Na pandemia!). Mas o Ciro (Nogueira, não o outro) quer 5.700.000.000,00 R$ por que 4.900.000.000,00 R$ tá poco. Como é linda a nova política e o fim da corrupssaum, né meuzamores?



Por Thyagão

Parem de dar ibope pra globo, p*[email protected]!

O senhor, desculpe… A senhora, me perdoe a irritação. Mas PQP [email protected]@lh*, esquerda do meu coração… PAREM DE ASSISTIR E COMENTAR BBB. Parem imediatamente. Não, não dá “visibilidade para as lutas”, não, não “ocupa espaços”, não, decididamente não “fomenta discussões fundamentais”. Quem edita aquela P* é P* do C* do Boninho. Necessariamente vão usar os brothers e as brodhas e xs brothxrs para ferrar com a esquerda. Necessariamente. Então – por caridade – não caiam (de novo!) nessa esparrela.

Grato.

Por Venes

Super duper mega tera rich

A gente olha em volta… Pros amigos… Pros parentes, os colegas, conhecidos, vizinhos… Todo mundo se lascando nessa pandemia, né não? Mas tem um seletíssimo grupo que não apenas não está se lascando como está se lambrecando gostoso na bufunfa. Quem? Ora, quem… Os de sempre. Essa singela – diminuta e exclusivíssima – neocasta global dos bilionários. Somando os quinhentos mais endinheirados, os super-ricos acrescentaram a seus patrimônios, desde que a covid se espalhou geral, um total de 5.500.000.000.000,00 R$ – CINCO E MEIO TRILHÕES! Eu sei que acabei de dar um chilique aqui um pouco acima por causa de uma futilidade como BBB e essa notícia sim que merecia todo um ataque histérico dos mais surtados… Mas isso é tão nojento, mas tão sujo, mas tão podre, mas tão pornográfico que nem consigo mais xingar.

Por Paulo Emílio Campos

Rodin

Só pra terminar o primeiro “rindo para não chorar” do ano com um tom mais leve… O que dizer dessa charge em 3D, gente? O homem é um Michelangelo, um Brecheret, um Rodin! Que escultura, bicho. Brabo demais!

Por hoje é só, camaradas! Vamos começar devagar por que esse 2022 tem tudo pra ser escrotaço desafiador e precisaremos de todas as forças para encarar o que vem pela frente. Até domingo que vem! Bjus no corassaum.

COMENTÁRIOS

  • POSTS RELACIONADOS

    Crônica do Arrombado

    Uma da madrugada esquina da São João na Nova Cracolândia… crônica de Valéria Jurado com fotos Ale Ruaro relata a imersão no território de absoluto abandono do estado

    >