Relembre os casos de corrupção que assolam o governo Bolsonaro

Datafolha revela que 7 a cada 10 brasileiros acreditam que existam irregularidades nas contas públicas do governo. Relembre os casos de corrupção que envolvem Bolsonaro e sua família

De acordo com a pesquisa Datafolha, 70% da população brasileira acredita que há irregularidades nas contas do governo Bolsonaro. Em julho, esse número estava na mesma faixa: 73% era a parcela populacional que achava haver corrupção na gestão federal. Tais resultados explicitam que o velho argumento populista de combate a corrupção já não convence mais o povo brasileiro, que percebe no discurso anti-corrupção de Bolsonaro apenas hipocrisia.

Nesta sexta-feira (23/09), Demetrius Gomes Cavalcanti, desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, mandou o UOL retirar imediatamente as matérias sobre os 51 imóveis da família Bolsonaro comprados com dinheiro vivo. A reportagem mostra que quase metade do patrimônio em imóveis do presidente Jair Bolsonaro (PL) e familiares foi edificado, nos últimos 30 anos, com dinheiro vivo. Foram compras de R$ 13,5 milhões registradas no cartório com a forma de pagamento “em moeda corrente nacional”. Com a correção do atual IPCA, esse valor equivale a R$ 25,6 milhões.

Em um claro ato de censura, a decisão foi resultado de um pedido do filho do presidente, Flavio Bolsonaro (PL), que tenta descaradamente abafar os casos de corrupção ligados a sua família. Com isso em vista, os Jornalistas Livres te convidam a relembrar os alguns dos principais escândalos e denúncias do governo Bolsonaro, a partir de sua eleição em 2018 até os dias atuais.

Compra de vacinas

Um dos principais casos investigados durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 foi a compra da vacina indiana Covaxin, produzida pelo laboratório Bharat Biotech. Em depoimento, o deputado federal Luis Claudio Fernandes Miranda (DEM-DF) e o irmão Luis Ricardo Fernandes Miranda, chefe da divisão de importação do ministério da Saúde, revelaram um suposto esquema de fraude na negociação para a compra de 20 milhões de doses do imunizante. A denúncia apontava um envolvimento do próprio Ministério da Saúde e a empresa brasileira Precisa Medicamentos, responsável pela venda da vacina no Brasil.

O deputado afirma que Bolsonaro estava ciente sobre o esquema, visto que os irmãos tiveram um encontro com o presidente no qual foi apresentada a documentação fraudulenta. No dia 20 de março – suposta data da reunião entre os envolvidos – Luis Miranda, publicou em seu perfil no Twitter uma foto ao lado de Bolsonaro. Na legenda, o deputado coloca que ambos tratavam de “assuntos que são importantes para o Brasil”.

Rachadinhas

A prática conhecida como “rachadinha” é o nome popular dado para quando há desvio de salário de assessor – uma transferência de parte ou de todo salário do servidor para o parlamentar ou secretários a partir de um acordo anteriormente estabelecido. Em 2020, Fabrício Queiroz, e ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi preso em uma operação da Polícia Civil e do Ministério Público (MP) de São Paulo. Ele era investigado pela participação em rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), onde o filho de Bolsonaro ocupou uma cadeira por 4 mandatos. De acordo com o MP, Fabrício recebeu R$ 2 milhões em 483 depósitos de assessores ligados a Flávio.

Quando perguntado sobre o caso, Bolsonaro alega que “é uma prática meio comum, concordo contigo. Não é só no Legislativo não, também no Executivo municipal, até de um outro poder também, tá? E em cargo de comissão você pode botar quem entender ali”.

Orçamento secreto

Em 2020, o governo Bolsonaro foi responsável pela criação de um “orçamento secreto”, possibilitando que deputados e senadores façam repasses de verbas públicas sem que haja um destino ou destinatário declarado – tirando a transparência de operações bancárias parlamentares. A aprovação desse sistema também abriu brechas para que, além de emendas parlamentares, candidatos possam retirar dinheiro para suas campanhas eleitorais do orçamento secreto. Com a falta de transparência garantida pela medida, casos de corrupção no governo passaram a ser cada vez mais comuns.

Um exemplo disso é a denúncia de compra de compra de votos parlamentares na eleição de Arthur Lira (PP) para presidente da Câmara dos Deputados. Lira, aliado de Bolsonaro e pertencente ao chamado “centrão”, foi eleito em uma votação fraudada por meio de compra de votos com dinheiro retirado do orçamento secreto. Em entrevista exclusiva ao jornal The Intercept, o deputado federal bolsonarista Waldir Soares de Oliveira (União Brasil) revelou ter recebido uma oferta de R$ 10 milhões em emendas em troca do voto em Lira.

Corrupção no Ministério da Educação

O mais recente caso de irregularidades no governo foi em relação a gestão do ex-ministro da Educação (MEC) e pastor da Igreja Presbiteriana de Santos, Milton Ribeiro. Denúncias revelam que Ribeiro comandou esquema que exigia pagamento de propina para as igrejas dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, em troca de contratos de obras federais para construção de escolas. Ailson Souto da Trindade, candidato a deputado estadual pelo Progressista no Pará, informou ao Estadão, que o pagamento deveria ser feito em espécie e que o dinheiro seria escondido na roda de uma caminhonete para ser transportada de Belém (PA) para Goiânia (GO), onde ficam as igrejas.

Gilmar, Arilton e Milton já são investigados pela polícia por conta do “gabinete paralelo” do MEC. O inquérito corre sob sigilo no Supremo Tribunal Federal (STF), após interferências do Presidente Jair Bolsonaro. O ex-ministro e os pastores chegaram a ser presos durante o processo. Trindade foi o 12ª pessoa a denunciar o esquema de corrupção, prefeitos também confirmaram a necessidade de pagar propina em dinheiro, comprar bíblias e ouro para ter acesso a verbas do ministério.

COMENTÁRIOS

13 respostas

  1. O Povo precisa acordar, muitos ainda dormem!!!!

  2. Certamente não será publicado porque a censura não permitiria

  3. O falsário ainda assim pretende a reeleição, sabido que o sono do povo não continua tão profundo o quanto dantes. Fora Bolso.. e avante Brasil!!!

  4. Deixa eu entender… A corrupção é a família dele, inclusive cunhados e ex-cunhados, ter comprado 51 imóveis em 30 anos? Por que esses casos não são investigados e ele não é preso?

    1. Pq ele corta tudo não deixa ninguém investigar nada e os bolsonaristas jurando que só o lula rouba, toda vez que converso com bolsonaristas me dá vontade de morrer com tanta burrice

  5. se 0,0000001 for verdade , não chega nem próximo do pt

  6. Tudo tirado de contexto.
    Você pega todoas as compras de imóveis ao longo de 30 anos da família inteira do cara, incluindo as ex e seus novos maridos, corrige o valor numa taxa inventada e mesmo assim não chega no sítio so Lula…. Kkkk
    A compra da vacina é outra coisa ridícula, primeiro caso de corrupção na comora de de algo que NEM FOI COMPRADO…. KKKK
    Rachadinha, é do estatuto do PT…. RSRS
    O orçamento secreto é uma p4oposta do PT, que o Bolsonaro tentou vetar… Rsrs
    Quanta apelação!

  7. Excelente pesquisa, jornalistas livres. E ainda tem gente uma parte da população que vota nesse ser que age como pedófilo, para usar expressão suave.

  8. Excelente pesquisa, jornalistas livres. E ainda tem gente uma parte da população que vota nesse ser que age como pedófilo, para usar expressão suave.

  9. O problema maior está em escolher entre o ruim e o pior, sem saber quem é quem nessa história.
    Conclusão: Qualquer um que ganhe as eleições, o povo estará perdendo. Pois, perdemos a oportunidade de escolher alguém novo e nós mesmos é que estaremos colocando no poder mais do mesmo.
    O que nos resta é olhar as propostas de cada um e escolher alguém que acharmos melhor para o país, e claro, deixarmos de ser tão omissos e cobrar que seja feito o prometido, acompanhar, coisa que é nosso direito e dever.

  10. Tem uns gados aqui, que precisam se livrar do cabresto, pois esse os impede de ver a verdade: bolsonazi é um BANDIDO!!!

POSTS RELACIONADOS

A nova fase do bolsonarismo

Por RODRIGO PEREZ OLIVEIRA, professor de Teoria da História na Universidade Federal da Bahia O ato de 25/2 inaugurou um novo momento na história da