Diário do Bolso: governo da morte bate recorde

O número de mortos pela covid nunca foi tão alto. Batemos 1.105 mortes de média móvel! Estamos no auge, no clímax, no cume! Pô, agora sim, Diário, eu me sinto recompensado. Desde o começo eu fiz de tudo pra espalhar esse coronavírus aí Com os velhos batendo as botas, a gente economiza na Previdência. E, no fim das contas, até a renda per capita vai subir, porque morre muito mais pobre do que rico.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por José Roberto Torero* RECORDE BATIDO!

O número de mortos pela covid nunca foi tão alto. Batemos o recorde de 1.105 mortes de média móvel!

Estamos no auge, no clímax, no cume! Recorde….

Pô, agora sim, Diário, eu me sinto recompensado. Desde o começo eu fiz de tudo pra espalhar esse coronavírus aí:

*disse que era só umresfriadinho;

*não fiz teste em massa (teste em massa pra mim é experimentar macarrão, kkk!);

*não fechei aeroporto;

*inventei remédio que não cura nada (teve até médico que acreditou, Deus esteja com ele);

*troquei os ministros da saúde que não quiseram espalhar minha cloroquina;

*botei militares que não entendem nada de saúde pra cuidar da saúde;

*deixei milhões de testes estragarem;

*aglomerei e mandei aglomerar;

*não usei máscara e disse que ela não fazia diferença;

*não comprei vacina quando tinha que comprar;

*e, quando comprei, comprei pouca e disse que ela não era confiável.

Deu trabalho fazer tudo isso? Ô, se deu! Mas valeu a pena. Acovid nunca esteve tão espalhada.

E agora tem o carnaval, as aulas presenciais voltaram e a tal variante Manaus está se espalhando.

Tenho fé que vamos passar muito desses 240 mil mortos, desses 10 milhões de infectados e dessas 1.100 mortes por dia.

O importante é não esmorecer e continuar firme nesse caminho. Tem que ter caráter, caramba! Por exemplo, a mãe do Veio da Havan morreu de covid, mas depois de uns dias ele já estava em cima dum caminhão, falando contra o loquidaum. Pode fechar a tampa do caixão, mas o comércio não, pô!

Além disso, a vacinação tá em passo de Pazuello e bagunçadona(vamos vacinar personaltrainer e veterinário antes de professor, policial e motorista de ônibus), e eu continuo brigando com a China (agora pedi para eles trocarem o embaixador, só pra provocar).

Já, já, a coisa vai ser como eu sempre quis: todo mundo pega a tal da covid e quem morrer, morreu.

Com os velhos batendo as botas, a gente economiza na Previdência. E, no fim das contas, até a renda per capita vai subir, porque morre muito mais pobre do que rico.

Se o Guedes bobear, eu boto esse coronavíruscomo ministro da economia, kkk!

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

PS: A única coisa que eu não gosto dessa pandemia é que me chamem de Capitão Cloroquina. O resto talkei.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: Daniel Silveira continuará preso?

Diário, hoje a Câmara decide se o Daniel Silveira continua preso ou não. Os deputados queriam soltar o marombado rapidinho, mas avotação do STF para manter ele no xadrezacabou em 11 a 0. Nem o meu juiz votou contra!Aí ficou difícil. Foi uma goleada pior que o 7 a 1 pra Alemanha, pior até que eliminação do Nego Di, porque ele recebeu 98,76% dos votos e o Daniel teve 100%.

Diário do Bolso: salva de 21 tiros no dia do repórter

O que eu sinto pelos repórteres ficou bem explicado naquela frase que eu disse pro cara dO Globo em agosto do ano passado, quando ele perguntou por que o Queiroz tinha depositado 89 mil na conta da Micheque, quer dizer, da Michelle. A frase foi: “Vontade de encher tua boca com uma porrada, seu safado”.

>