Racista ofende crianças negras de 10, 11 e 12 anos no restaurante

REVOLTA: Disse que as crianças, que almoçavam no restaurante com os pais, eram trombadinhas que estavam no local para roubar os clientes. Acusado de racismo, o homem fugiu sem pagar a conta

Luis Alberto Oze Jacob, o homem que se encheu de coragem para, covardemente, atacar meninos de 10, 11 e 12 anos, chamando-os de "trombadinhas"

Por Laura Capriglione e Douglas Alves Mendes, dos Jornalistas Livres

Três crianças, de 10, 11 e 12 anos, foram atacadas com injúrias racistas nesta quarta-feira (19), em um restaurante na praça da Liberdade, o Bentô House, logo depois de terem almoçado no local em companhia dos pais de um deles, ambos negros.

Bentô House: restaurante na Liberdade e foi cenário do ataque racista

O agressor, Luis Alberto Oze Jacob, de 47 anos, programador, morador em Osasco, almoçava no mesmo local, quando viu as crianças sentadas em uma mesa, à espera dos adultos que as acompanhavam, que estavam pagando a conta no caixa. Imediatamente, o homem começou a incitar os demais comensais em voz alta, dizendo que cuidassem de suas bolsas e pertences pessoais, que os garotos eram “filhos de detentos do PCC que vivem no Glicério” (um bairro pobre vizinho à Liberdade), que eram “filhos de presos que receberam indulto de natal”, que estavam ali “só para roubar”.

Acompanhante das crianças, e mãe de um deles, Débora Rosa da Silva viu o que estava acontecendo e foi tomar satisfações com o agressor. Disse a ele que se tratava de injúria racial e discriminação, mas Oze Jacob, em vez de se desculpar, começou a se dizer “vítima” –segundo ele, estava apenas tentando “ajudar” os demais clientes do restaurantes.

Duas mulheres que também almoçavam no andar térreo, mostravam-se indignadas com o preconceito manifestado pelo homem, o mesmo ocorrendo com o cineasta Diego Avarte, 33 anos, sentado ao lado do agressor e que a tudo testemunhou.

“Eu vou chamar a polícia! Você vai ter de se explicar na polícia!”, disse Débora a Oze Jacob. Foi a senha para o homem largar seu sushi de salmão e a coca-cola zero, levantar-se da mesa, empurrar Débora e sair correndo pelo bairro da Liberdade. Ele não pagou a conta do restaurante.

Em seu encalço foi o acompanhante dos meninos e pai de um deles, o professor José Francisco Ferreira de Oliveira, 60 anos, e mais dois amigos.

Oze Jacob foi detido e levado ao 1º Distrito Policial. A coragem que demonstrava dentro do restaurante contra os três meninos (de 10, 11 e 12 anos, repita-se), sumiu. O homem, que não quis falar com a imprensa, disse à polícia que “foi mal interpretado”, que estava “triste” por ter sido chamado de “racista”, que “não entende o porquê de tanta ira”.

Oze Jacob, que é casado com uma mulher de origem nipônica, não tem perfil nas redes sociais, mas a mãe dele tem. Ela fez campanha para Bolsonaro, é evangélica e usou o avatar: “Brasil Acima de tudo; Deus acima de todos” durante o período eleitoral.

O delegado plantonista, Julio César dos Santos Geraldo, lavrou um termo circunstanciado, que remeteu ao Ministério Público ainda ontem.

Bem ao lado do restaurante, poucos minutos antes da discussão entre Oze Jacob e a família negra, aconteceu um ato público exigindo respeito aos mortos cujos cadáveres afloraram neste mês na terra vermelha do bairro da Liberdade, quando da demolição de um prédio comercial. Trata-se de remanescentes do antigo cemitério dos escravos, o primeiro cemitério público de São Paulo, chamado “Dos Aflitos” (não por acaso), fechado em 1855.

Moradores nada ilustres da cidade da São Paulo do passado, escravos, defensores da independência face à Coroa Portuguesa, loucos, líderes populares eram enterrados lá, sem caixão, sem lápides ou monumentos mortuários, enquanto os ricos encontravam o descanso eterno dentro das igrejas.

A família negra ofendida no restaurante japonês tinha participado do ato em homenagem aos seus ancestrais. Feitiço do tempo, a agressão contra os meninos mostra que a escravidão e o racismo ainda não foram devidamente enterrados. Só isso explica o homem branco que ousa, em pleno 2018, atacar três crianças baseado no fato de que a pele delas não é “suficientemente” branca. O nome disso é racismo!

Categorias
#EleNãoCalúnia e DifamaçãoCotasDemocraciaDesigualdadeDestaquesDireitos HumanosfascismoGeralHistóriaHistória do BrasilHistória não-contadaInjustiçaLuiz GamaNegras e NegrosracismoSão Paulo
13 comentários:
  • L.
    20 dezembro 2018 at 12:36
    Comente

    Ato detestável, desprezível e que necessita de punição. Entretanto, qual o significado dessa parte “Oze Jacob, que é casado com uma mulher de origem nipônica”, o que vcs querem dizer com isso? O que importa se a esposa desse medíocre tem descendência nipônica?
    Denunciando o racismo com mais racismo, deprimente.

    • Laura Capriglione
      20 dezembro 2018 at 16:18
      Comente

      informações não são acusações. visam apenas a colocar um contexto em torno do cidadão acusado, já que ele se recusou a ser entrevistado. todas as informações são corretas. obrigada.

      • Claudia
        21 dezembro 2018 at 12:24
        Comente

        Parabéns, é um prazer ler uma reportagem completa, com informações que ajudam a completar o quadro da lamentável criatura (a mãe evangélica e apoiadora do inominável mostra bem a quem ele puxou). E ao L., que criticou a informação sobre a mulher do racista, o correto é utilizar é ASCENDÊNCIA. Descendência é prole, ascendência é origem.

  • Racista ofende crianças negras de 10, 11 e 12 anos no restaurante | O LADO ESCURO DA LUA
    20 dezembro 2018 at 14:36
    Comente

    […] Fonte: Racista ofende crianças negras de 10, 11 e 12 anos no restaurante […]

  • Tuako
    20 dezembro 2018 at 15:46
    Comente

    Que apodreça na cadeia.

  • Além
    20 dezembro 2018 at 17:25
    Comente

    A educação proposta os Freire em 64 em seu plano Nacional junto a Goulart teria evitado esta ascensão do racismo, da homofobia, da mentira. E teria evitado um presidente eleito com mentiras e ameaças.

  • Fabio Bobadilha
    20 dezembro 2018 at 19:05
    Comente

    Triste. Lamentável.

  • Lima
    20 dezembro 2018 at 20:49
    Comente

    Programador que não tem perfil nas redes sociais??? A mãe dele tem? Será que o perfil é da mãe dele ou ele se esconde atrás do nome dela?

  • Renato Pinheiro
    21 dezembro 2018 at 3:52
    Comente

    O Brasil já era. Esses acontecimento continuarão e mesmo com processos nunca terão fim. É triste mas esses poderia ter sido um país que poderia dar certo, no entanto, nã deu.

  • Angel
    21 dezembro 2018 at 7:17
    Comente

    Ele sai sem pagar a conta e o trombadinha são os negros???? … ser humano precisa evoluir muito.
    Ridículo, impugnate, lamentável… sem dominacoes a um ato desse diante as crianças

  • Antonio Brito
    21 dezembro 2018 at 10:59
    Comente

    Ser humano desprezível!!!!!!

  • José Roberto Barbosa
    21 dezembro 2018 at 12:24
    Comente

    Ele disse que os meninos iriam roubar, mas acabou que ele roubou o restaurante.

  • Ana Maria Silveira
    1 fevereiro 2019 at 10:43
    Comente

    Cadeia é pouco para um agressor desse tipo! Tem é de pagar uma indenização robusta, que pese bastante no bolso. Depois ir para a cadeia.

  • Deixe uma resposta