Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro #67 – Danilo Martins Yoshioka: Quatorze

Danilo Martins Yoshioka apresenta o 67º ensaio do Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro - Imagens que narram nossa história
Quatorze. Dia 8

Quatorze. Fui diagnosticado com covid no dia 29 de julho de 2020, no dia 27 eu senti os sintomas e comecei meu isolamento no quarto, pois moro com meus pais.

Diante de tantas incertezas dessa doença, comecei a me retratar diariamente, vi que o número de 100 mil mortes por covid no Brasil se aproximava, e decidi então começar a publicar meu trabalho nessa data tão simbólica, no dia 8 de agosto. Hoje, dois meses depois, já perdemos quase 150 mil pessoas. 

O principal ponto que quis mostrar no trabalho é sobre ansiedade, medos e agonias, pois o isolamento e a falta de informação (por ser uma doença nova) são cruéis, geram uma enorme insegurança e isso foi o pior para mim, apesar dos sintomas que tive que passar.

Quatorze dias.

Quatorze. Dia 1
Quatorze. Dia 2
Quatorze. Dia 3
Quatorze. Dia 4
Quatorze. Dia 5
Quatorze. Dia 6
Quatorze. Dia 7
Quatorze. Dia 8
Quatorze. Dia 9
Quatorze. Dia 10
Quatorze. Dia 11
Quatorze. Dia 12
Quatorze. Dia 13
Quatorze. Dia 15

.

Minibio

Sou jornalista de formação e desde sempre, nunca fui uma pessoa feliz com o meu texto, o que é essencial no jornalismo é como tentar fotografar, sem uma câmera. Com uma câmera na mão, descobri que posso informar também, então desde 2016 venho trabalhando com hardnews e conciliando o fotojornalismo com alguns outros métodos de fotografia.

.

Para conhecer mais o trabalho do artista

Site: www.danilomartinsyoshioka.com
Instagram: https://www.instagram.com/danilomartinsyoshioka/

.

O projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro é um projeto dos Jornalistas Livres, a partir de uma ideia do artista e jornalista livre Sato do Brasil. Um espaço de ensaios fotográficos e imagéticos sobre esses tempos de pandemia, vividos sob o signo abissal de um governo inumanista onde começamos a vislumbrar um porvir desconhecido, isolado, estranho mas também louco e visionário. Nessa fresta de tempo, convidamos os criadores das imagens de nosso tempo, trazer seus ensaios, seus pensamentos de mundo, suas críticas, seus sonhos, sua visão da vida. Quem quiser participar, conversamos. Vamos nessa! Trazer um respiro nesse isolamento precário de abraços e encontros. Podem ser imagens revistas de um tempo de memória, documentação desses dias de novas relações, uma ideia do que teremos daqui pra frente. Uma fresta entre passado, futuro e presente.

Outros ensaios deste projeto: https://jornalistaslivres.org/?s=futuro+do+presente

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Na medula do verbo

Na medula do verbo

Hoje, o Café com Muriçoca traz a recomendação de leitura da obra “Na medula do verbo”, de Michel Yakini-Iman.

Jornalistas Livres Entrevista: Maria Marighella

JL entrevista Maria Marighella, indicada nova presidenta da Funarte. Ela fala do desafio de participar do processo de reconstrução das políticas públicas culturais no Brasil pós-Bolsonaro

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria

Quem segura essa quebrada

Quem segura essa quebrada?

O Café com Muriçoca de hoje traz duas indicações de livros: “Viela Ensanguentada”, de Wesley Barbosa, e “O Pé que ficou naquela estação”, de Nina Barbosa.