Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro #133 – Bueno Caos: Muros que Gritam

Bueno Caos apresenta o 133º ensaio do Projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro - Imagens que narram nossa história
BuenoCaos, Murosque gritam2

Muros que Gritam. Lambe-lambe e resistência.

Com a chegada da pandemia, a tradicional presença dos cartazes e lambe-lambes nas ruas e muros de São Paulo passou por um período de retraimento, assim como outras formas de expressão urbana. Visto que a maioria das pessoas estava (ou deveria estar) isolada em casa, não fazia muito sentido seguir colando nas ruas naquele momento.

Contudo, com o prolongamento da pandemia e o agravamento da situação sanitária, social e econômica pelo país, a crescente indignação popular em relação a este cenário começou a se manifestar também através dos cartazes, como costuma acontecer em momentos de crise. Em São Paulo, nos muros de vias de grande circulação de pessoas, por onde passam diariamente, milhares de trabalhadores de serviços essenciais, cartazes com conteúdos críticos passaram a ser vistos com mais frequência.

Foi neste contexto que produzi os lambes e os registros fotográficos deste ensaio. Estas obras fazem parte de uma série chamada “Revolucionários de cartolina”, que retrata personagens diversos segurando cartazes com mensagens. Para falar sobre as questões atuais, escolhi trabalhar com duas imagens antagônicas: a primeira imagem retrata o presidente da república, que desde o início da pandemia tem adotado uma postura de negação em relação ao vírus e às medidas protetivas como um todo. As diferentes frases reproduzidas foram ditas por ele ao longo destes mais de 12 meses de epidemia. A outra figura traz uma profissional da linha de frente no combate a Covid-19 com uma passagem bíblica que costumava ser utilizada pelo presidente e seu grupo, mas que nesta nova contextualização aponta para o ambiente de desinformação que tanto tem prejudicado na prevenção da doença.

Por serem produzidos em papel, lambe-lambes são em geral mais efêmeros do que outras manifestações de rua. O papel é receptivo a várias interferências: pode-se escrever, desenhar, rasgar e eventualmente outros cartazes serão colados por cima, num processo de sobreposição constante.

Pude notar, no entanto, que este processo se deu de forma mais acelerada com a figura do presidente. As rasuras muitas vezes apareciam no mesmo dia em que os lambes eram colados. No espaço de algumas semanas, alguns já estavam bastante danificados. Busquei registrar algumas destas interferências em diferentes momentos em diferentes muros da cidade.

As marcas que os lambes carregam, bem como a sobreposição das várias camadas de cartazes com diferentes tipos de mensagens são registros históricos em constante transformação. Neste momento crítico, em que vivemos sob uma política de Estado claramente genocida, estas camadas de mensagens sobrepostas trazem à tona muitos dos afetos, anseios e revoltas que atravessam a população. Os muros gritam.

BuenoCaos, Murosque gritam15
BuenoCaos, Murosque gritam16
BuenoCaos, Murosque gritam3
BuenoCaos, Murosque gritam4
BuenoCaos, Murosque gritam2
BuenoCaos, Murosque gritam7
BuenoCaos, Murosque gritam6
BuenoCaos, Murosque gritam9
BuenoCaos, Murosque gritam10
BuenoCaos, Murosque gritam11
BuenoCaos, Murosque gritam12
BuenoCaos, Murosque gritam13
BuenoCaos, Murosque gritam14
BuenoCaos, Murosque gritam1

.

Minibio

Luis Bueno, conhecido como Bueno Caos, é artista urbano, designer e educador. Desde 2010 tem trabalhado com a técnica do lambe-lambe (colagem de papel sobre diferentes tipos de superfícies) como sua principal linguagem. É autor de trabalhos como a série “Pelé beijoqueiro”, “Leitores” e “Revolucionários de cartolina”, entre outros.

.

Para conhecer mais o trabalho do artista

www.instagram.com/buenocaos

www.buenocaos.com

.

O projeto Futuro do Presente, Presente do Futuro é um projeto dos Jornalistas Livres, a partir de uma ideia do artista e jornalista livre Sato do Brasil. Um espaço de ensaios fotográficos e imagéticos sobre esses tempos de pandemia, vividos sob o signo abissal de um governo inumanista onde começamos a vislumbrar um porvir desconhecido, isolado, estranho mas também louco e visionário. Nessa fresta de tempo, convidamos os criadores das imagens de nosso tempo, trazer seus ensaios, seus pensamentos de mundo, suas críticas, seus sonhos, sua visão da vida. Quem quiser participar, conversamos. Vamos nessa! Trazer um respiro nesse isolamento precário de abraços e encontros. Podem ser imagens revistas de um tempo de memória, de quintal, de rua, documentação desses dias de novas relações, essenciais, uma ideia do que teremos daqui pra frente. Uma fresta entre passado, futuro e presente.

Outros ensaios deste projeto: https://jornalistaslivres.org/?s=futuro+do+presente

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A POSSE, COMO CULTURA

Augusto Boal (in memoriam 2002) nos lembra a importância da ocupação das ruas e espaços públicos pela cultura. E por meio dela, transmitir pelos sentidos – e não só pela razão – a transformação de palavras e promessas.