Presidente da Bolívia vem ao Brasil, visita Lula e ignora Bolsonaro

No Brasil, o presidente da Bolívia visita o ex-presidente, se reúne com economistas e visita comunidade boliviana
Lula e Luis Arce, presidente da Bolívia / Foto: Ricardo Stuckert
Lula e Luis Arce, presidente da Bolívia / Foto: Ricardo Stuckert

Nesta segunda (5), o presidente da Bolívia, Luis Alberto Arce Catacora, veio ao Brasil. A visita faz parte de uma agenda internacional que tem sido cumprida desde 2021, mas não está entre os planos de Luis Arce se reunir com Jair Bolsonaro. No país, o presidente se reuniu com economistas brasileiros, com o ex-presidente Lula e com a comunidade boliviana.

Ao chegar ao Brasil, o primeiro evento que Arce participou foi de um encontro com economistas brasileiros. Nele, o presidente defendeu o modelo econômico boliviano e criticou o neoliberalismo. O atual projeto econômico boliviano, implementado pelo antecessor Evo Morales, se apresenta como uma alternativa para o modelo neoliberal. Na ocasião, Arcre era Ministro da Economia.

“O modelo neoliberal não tem alma, nem corpo ou essência de sociedade. Não tem a preocupação de resolver os problemas sociais, por isso colocamos no nosso projeto o nome de modelo econômico social. (…) Nossa intenção é resolver o problema da comunidade, não de um grupo, não de alguns”. (Luis Arce)

No discurso entre os economistas, Arce defendeu o Estado. Para o presidente, o interesse em desenvolver o país parte do Estado, não do mercado. O neoliberalismo, que defende a redução do corpo estatal, é considerado insuficiente na tarefa de distribuição de riquezas internas, uma vez que seu foco é na exportação. Para o modelo boliviano, o Estado deve garantir que o país deixe de entregar seus recursos naturais.

Depois dareunião, o presidente da Bolívia foi ao encontro do ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva. Em um hotel de São Paulo, os dois conversaram sobre a entrada do país vizinho no Mercosul. A entrada do país boliviano na união aduaneira apenas depende do congresso brasileiro. Fazendo parte do Mercosul, a Bolívia poderia usufruir das vantagens dos países-membros, como o livre trânsito de pessoas e mercadorias. Lula garantiu que, se eleito, trabalhará para acelerar a integração da Bolívia no bloco.

Celso Amorim, o ex-ministro das Relações Exteriores do governo Lula defendeu que a Bolívia no Mercosul também ajudará o Brasil na sua política exterior. Como membro da Comunidade Andina, o país boliviano facilitaria nosso contato com a comunidade que está sendo reforçada agora.

Foto: Reprodução / Twitter
Foto: Reprodução / Twitter

Por último, Arce visitou a comunidade boliviana na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Brás. Em redes sociais, o presidente agradeceu o carinho com que foi recebido pelos bolivianos no Brasil. Sublinhou também o seu compromisso de seguir trabalhando para melhorar as condições de vida dos compatriotas que que vivem no exterior.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

O Mundial amaldiçoado

Copa do Qatar é da família real, com 6.751 trabalhadores imigrantes
mortos para concretizar a festa do futebol