Por que Bolsonaro decidiu defender Daniel Silveira?

A vantagem de Lula é grande demais para ser revertida em tão pouco tempo. A única saída passa a ser a agitação golpista. Golpe não é evento. Golpe é processo

Rodrigo Perez Oliveira, professor de Teoria da História na Universidade Federal da Bahia

Em 16 de fevereiro de 2021, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, decretou a prisão do deputado federal Daniel da Silveira (PSL/RJ) por ataques às instituições da democracia. Silveira chegou a ameaçar de morte os membros da Suprema Corte. De lá para cá, o parlamentar foi preso, foi solto, foi obrigado a usar tornozeleira eletrônica. Desobedeceu diversas ordens judiciais.

Em 20 de abril de 2022, o colegiado do STF condenou Silveira a 8 anos de prisão. Nas primeiras horas, Bolsonaro ficou calado. No mesmo 20 de abril, o pastor evangélico Silas Malafaia publicou vídeo em suas redes sociais mobilizando seus seguidores para a defesa de Silveira, dizendo que “se o presidente for macho, dará indulto a Daniel Silveira”. Horas depois, Bolsonaro decretou o perdão ao deputado, acionando o preceito constitucional da graça.

Meu objetivo aqui não é discutir a legitimidade jurídica do ato presidencial, até porque a OAB já se manifestou em parecer técnico, afirmando que Bolsonaro está desviando a finalidade da graça, incorrendo, portanto, em ilegalidade.

Desejo mesmo é discutir os motivos políticos que levaram Bolsonaro a confrontar o STF para defender Daniel Silveira.

Seria lealdade com o aliado?

A crônica política está repleta de exemplos que mostram o pouco apreço com que Bolsonaro costuma tratar seus aliados.

General Santos Cruz, Gustavo Bebiano, Sérgio Moro, general Joaquim Silva e Luna e tantos outros aliados foram humilhados publicamente. A lealdade de Bolsonaro é restrita à sua família, bem na lógica da máfia.

Não, definitivamente, Bolsonaro não está decretando guerra contra o STF por causa de Daniel Silveira. Digo mais: Silveira não passa de pretexto para o aprofundamento do processo golpista que está em curso desde 1 de janeiro de 2019, quando Bolsonaro subiu a rampa do planalto para assumir a Presidência da República.

O golpe contra a democracia sempre foi o principal objetivo de Jair Bolsonaro. Em momentos de maior confiança, ele foi mais ousado . Em outros, de fragilidade, dissimulou os reais interesses, aparentando moderação.

Sem dúvida, o dia 7 de setembro de 2021 foi o momento de maior ousadia, com a tentativa de golpe que foi frustrada por motivos ainda não muito claros. Com o perdão do trocadilho, Bolsonaro sentiu o golpe e desde então se esforçou por aparentar moderação, sugerindo estar disposto a jogar dentro das regras estabelecidas pela República.

Estabeleceu vínculos fisiológicos com o Centrão. Viajou pelo país para entregar obras e habitações populares. Contrariou as diretrizes de Paulo Guedes para forçar a concessão do Auxílio Brasil aos pobres e de reajuste aos servidores públicos, em movimentação típica de um político convencional que no exercício do cargo tenta a reeleição.

Mas a realidade não colaborou com essa versão aparentemente moderada de Jair Bolsonaro. A seis meses das eleições, todos os institutos de pesquisa apontam para o amplo favoritismo de Lula. Recentemente, o Vox Populi reuniu dados de pesquisas desenvolvidas por nove institutos. A média dos resultados mostra que Lula está muito perto de vencer a eleição ainda no primeiro turno.

Bolsonaro e seus aliados dizem não acreditar nas pesquisas. Mentira! Acreditam sim! Sabem perfeitamente que é muito difícil virar o jogo. A vantagem de Lula é grande demais para ser revertida em tão pouco tempo. A única saída passa a ser a agitação golpista. Tá aí o significado político da graça concedida a Daniel Silveira. Se Bolsonaro liderasse as pesquisas, não mexeria sequer um dedo para livrar Silveira da cadeia.

Há quem diga que o STF, por cálculo político, optará por não tensionar ainda mais o ambiente institucional e manterá o decreto da graça, em mais um gesto de contemporização com o golpismo. Se fizer isso, teremos a curiosa situação em que pra evitar o golpe, a Corte Suprema do país acaba aceitando o avanço golpista.

Que tipo de cálculo seria esse?

Não importa quantas concessões sejam feitas. Bolsonaro não irá parar. Mais do que nunca, ele precisa do golpe. Só lhe restou o golpe. É questão de sobrevivência.

Até aqui as instituições da República foram lenientes e permitiram a escalada golpista, sempre apostando na possibilidade da contenção institucional do criminoso que ocupa o Palácio do Planalto.

Mas e quando Bolsonaro se recusar a aceitar o resultado das eleições e colocar seus homens armados nas ruas pra dizer que não entregará a faixa? Nesse momento, não será mais possível conversar, não haverá mais o que conciliar. Resta saber se ainda será possível reagir.

Talvez essa será a hora em que perceberemos que enquanto discutíamos se haveria ou não golpe, o golpe já estava acontecendo. Golpe não é evento. Golpe é processo.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.