PF encontra transações suspeitas em gabinete de Bolsonaro; STF quebra sigilo

A Polícia Federal (PF) encontrou mensagens que indicam movimentações bancárias suspeitas no telefone do tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, uma das principais figuras políticas que trabalham ao lado de Bolsonaro. As irregularidades teriam sido feitas no gabinete do presidente da República e apontam pagamentos fracionados, quitação de contas da família e de pessoas relacionadas com a mulher de Bolsonaro, Michelle. As informações foram divulgadas após a quebra de sigilo bancário e telemático (de mensagens e outros meios de comunicação) de Cid.

Em inquérito aberto pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, Cid foi ouvido na operação que averigua o vazamento da investigação sobre o ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nas eleições de 2018. No caso, o irmão de Mauro Cid, Daniel Cid, publicou em suas redes sociais parte do processo compartilhado por Bolsonaro. Na ocasião, o ataque hacker foi utilizado pelo presidente para comprovar uma possível fraude no processo eleitoral – que o elegeu. A quebra de sigilo bancário foi ordenada pelo ministro e na análise do material foram encontradas essas manifestações suspeitas.

Entre as mensagens que levantaram as suspeitas da PF se encontram recibos de pagamento de boletos de plano de saúde e até prestações mensais fixas destinadas a tia de Michelle, que cuida da filha do casal em alguns momentos. Conversas também mostram integrantes da Ajudância de Ordens – um grupo dentro do gabinete de Bolsonaro – abordando saques em espécie e depósitos fracionados – que, de acordo com as investigações, podem apontar uma tentativa de mascarar a origem do dinheiro. A PF apura se tais pagamentos foram feitos com dinheiro público e se as transações valores partiram de cartões corporativos da Presidência.

Em nota, a assessoria do gabinete de Bolsonaro afirma que “todos os recursos não têm origem no suprimento de fundos. O presidente nunca sacou um só centavo desse cartão corporativo pessoal”. Com relação a participação de Mauro Cid e os pagamentos realizados a tia de Michelle, o Palácio do Planalto frisa que “Cid não fazia transferência de conta a conta. Ele sacava o dinheiro para a conta do presidente não ficar exposta, com o nome dele no extrato de outra pessoa”. As outras despesas são justificadas em gastos pessoais feitos com a conta pessoal de Bolsonaro.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode

Craque dentro e fora do campo

O centroavante Richarlison ganhou cerca de 4 milhões de seguidores em seu Instagram após fazer os dois gols na vitória do Brasil contra a Sérvia.