Os últimos homens do mundo

 Houve um dia em que conheci os últimos homens de um povo, Baita e Tamandua Piripkura. Tão instigado fiquei, eu diverso, eles únicos e últimos, um fim. Qual é o espaço e tempo do índio, fiquei pensando assim, enquanto atravessava uma rua. Quem foi o primeiro indígena abatido, enquanto o sinal vermelho piscava, pensara naquele momento.

A medida e tempo do meu quadrado nesse instante é um país sem futuro? Juízes supremos adiam a definição ou delírio do marco temporal para a existência indígena e seus domínios, enquanto a nação naufraga numa vã filosofia de direitos e deveres.

“Tamandua e Baita sobreviveram a um massacre de madeireiros na década de 1980. Segundo relatos de Jair Candor no documentário “Piripkura”, os indígenas conseguiram escapar de uma emboscada e se esconderam, enquanto os brancos matavam todos seus parentes.”

Baita Piripkura em tratamento no Hospital São Paulo

Sobrevivemos à pandemia até aqui, Baita ainda resiste também, meu país em desatino tem pilouras.

https://www.socioambiental.org/pt-br/noticias-socioambientais/dois-ultimos-indigenas-piripkura-estao-ameacados-por-grilagem

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Piripkura, os últimos “Borboleta”

por Adelino Mendez* De 1970, até hoje, o que foi destruído na Amazônia já não seria o suficiente para ter “melhorado” a vida da população?

>