Olimpíadas Vermelhas: esporte e política se misturam, sim!

Primeira semana do campeonato foi marcada por homenagens e protestos políticos

Esporte tem tudo a ver com política e quem discorda não entende nem sobre um e nem sobre outro. A primeira semana das Olimpíadas de Tóquio foi marcada por homenagens, agradecimentos  e protestos.

Vitória e protesto no Boxe

O boxeador cubano Júlio Cesar La Cruz, medalha de ouro nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, derrotou nesta sexta-feira (30) o cubano/desertor naturalizado espanhol Emmanuel Reyes.

Reyes tem sido um furioso opositor da Revolução Cubana e, antes de embarcar para Tóquio, prometeu “arrancar cabeças” nessa Olimpíada.

La Cruz comemorou a vitória rejeitando a palavra de ordem dos cubanos fascistas de Miami, “Pátria e vida”,  e reafirmando, dentro do ringue, o lema revolucionário “Pátria ou morte! Venceremos!”. 

Foi uma homenagem gigante à resistência do povo cubano, que insiste em lutar contra o imperialismo americano. Fidel estaria orgulhoso dele. 

Na próxima semifinal, o cubano enfrentará o brasileiro Abner Texeira.

Judô: Palestina livre em primeiro lugar

Sorteio feito e decisão tomada. O judoca argelino Fethi Nourine desistiu de participar da Olimpíada de Tóquio após o sorteio determinar que ele estava no mesmo grupo que o judoca israelense Tohar Butbul.

Nourine iria estrear contra o atleta Mohamed Abdalarasool, do Sudão, na categoria de 73kg. Caso fosse vencedor, enfrentaria o israelense.

Fethi, que condena a invasão criminosa da Israel dos territórios palestinos, já se posicionou outras vezes sobre a causa. Em 2019, ele desistiu do campeonato mundial de judô quando soube que iria enfrentar o israelense.

Fethi não reconhece o Estado de Israel porque Israel expulsou o povo palestino da terra que a ONU e a maioria das Nações reconhecem como sendo a Palestina Livre. Além disso, o atleta argelino é um franco opositor da colonização sionista da Palestina, com o roubo das terras, da água e das propriedades dos palestinos.

Nesse processo, foram expulsos 750 mil palestinos. Famílias inteiras perderam suas casas, raízes e nunca mais puderam voltar para seu território.

Judoca argelino rejeita luta contra israelense e deixa Olimpíada
Judoca argelino rejeita luta contra israelense e deixa Olimpíada

Mais um

Mais um competidor se recusou a enfrentar o israelense Butbul. O judoca Mohamed Abdalrasool, do Sudão, que iria disputar com argelino Nourine, passou então a ter como adversário Butbul na fase oitavas de final da categoria até 73 kg.

Abdalrasool, então, decidiu não comparecer. O judoca sudanês não se pronunciou sobre a decisão de não competir.

Os ataques de Israel contra a Palestina voltaram às capas dos grandes jornais em maio deste ano após Israel ameaçar despejar palestinos do bairro de Sheikh Jarrah, que fica fora dos muros da Cidade Velha de Jerusalém.

Vídeos de bombas, crianças feridas e prédios destruídos circularam pelo mundo.

Mohamed Abdalrasool não compareceu para a luta

“Um presente para Chávez”

O venezuelano Julio Mayora foi o primeiro medalhista do país nas Olimpíadas de Tóquio. Natural de La Guaira, Mayora conquistou a medalha de prata no levantamento de peso no último dia 28 de julho e relembrou o aniversário de 67 anos de Hugo Chávez, chefe de Estado venezuelano morto em 5 de março de 2013, em Caracas, depois de triste agonia.

Em ligação com o presidente Nicolás Maduro, Mayora declarou: “Essa medalha de prata vai para o presidente Hugo Chávez”.

O halterofilista, que levantou 326kg na conquista, contou que recebeu apoio do Ministério de Esportes da Venezuela para seguir a carreira no esporte.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Salve, Gloria Maria!

Salve Gloria Maria. Mulher, preta, chic, vanguardista e ícone fashion. Tal como um farol, ela sinalizava que era possível desbravar o mundo.

Bolsonaristas ameaçaram matar repórter dentro do Senado

“Encostaram uma arma na minha cintura, dizendo que eu ia morrer. Outro encostou em meu ouvido e disse que tinha outra arma nas minhas costas. Senti algo, como um pequeno cano. E não paravam de me xingar com diversos palavrões. Comecei a implorar pela minha vida”