O que o MTST tem a nos ensinar?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por Thallita Oshiro para os Jornalistas Livres

Dessa vez eu queria ir só para me divertir, ficar no calor das pessoas, abraçar amigos e conhecer de perto mais histórias do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que ontem comemorava seus 20 anos. Eu não queria me preocupar com equipamento ou com o desenvolvimento de uma pauta focada nos artistas. Mas a quem quero enganar? Sou fotógrafa documentarista e não iria perder a chance de registrar aquele momento.
Quando cheguei, o evento já havia começado. Muitos amigos mídia ativistas que eu não via há tempos estavam presentes. Entrei sem problemas na área restrita na parte de trás do palco e logo subi no trio. Havia cerca de 20 mil pessoas. Um evento assim me sensibiliza, mas logo precisei descer para ver os rostos de perto.

A chuva veio pesada para atrapalhar, acompanhada de todo tipo de previsão meteorológica. Nesse momento, surge um grito da multidão: “Pode chover, pode molhar. É no molhado que o sem teto vai ficar”. Procurei o homem que liderava o coro para conversar. “A gente não tem medo de luta, menina. A gente vai ter medo de chuva? Hoje é comemoração.” E assim seguiram em festa até a saudação dos primeiros raios de sol.

Tive a oportunidade de conversar com integrantes do movimento oriundos de Brasília, de São Bernardo do Campo, de Sergipe, do Piauí e de São Paulo. Percebi que quando você pergunta a um sem teto de onde ele é a resposta imediata sempre é a mesma: sua ocupação, depois o seu estado e a cidade. O sentimento de pertencimento tem haver com um tipo vinculação política e afetiva com o território ressignificado pelas próprias mãos dos militantes. “Venha conhecer o Novo Pinheirinho, você vai ser muito bem recebida lá também. Sou de São Bernardo, a Senhora conhece? O que estamos fazendo lá é histórico. Não tem vagabundo no nosso movimento não. Só família e trabalhador. Obrigada por fotografar nossa festa. A luta é de todos.”

O que parecia ser apenas um show de Caetano Veloso se transformou em uma forma de divulgação da marca e da luta do movimento dos sem teto. Dispersos na multidão, era possível observar a militância puxando palavras de ordem e conversando com as pessoas. Pulavam e comemoram, sem abandonar a missão de tornar aquele momento em mais um episódio da saga dos sem teto que trazem à luz do dia as desigualdades dos principais centros urbanos do país. “A gente prometeu pro Caetano que ele viria hoje, porque ele foi humilde de amassar barro para conhecer a nossa luta. Está cheio de gente que agora conhece o MTST.” Declara um militante diluído no mar de gente.
Para alguns olhares, o evento de ontem era apenas um carnaval. Uma festa com famosos que frustra os “bem delimitados” propósitos políticos do movimento social. A verdade é que desde a ascensão dos setores conservadores responsáveis pelo golpe há uma crescente aproximação da classe artística em relação às causas populares.

Para um ou outro que se localiza entre a esquerda, ainda existe, infelizmente, certo autoritarismo que cega diante da complexidade dos processos políticos e sociais. Em se tratando de política, a estreiteza é um erro. Foi ela que ajudou a gente a chegar nesse buraco do Estado de exceção. Em se tratando de cultura, o autoritarismo ganha uma feição bem conhecida.

O povo simples e pobre seria sempre a retaguarda de uma vanguarda cultural. Para isso, uma boa dose da própria história dos movimentos sociais brasileiros ajuda a resolver a chaga de uma visão limitada. Lembremos da pedagogia desenvolvida no interior do Movimento dos Sem Terra (MST), que educou intelectuais brasileiros. Isso mesmo: educou os intelectuais brasileiros a saírem das amarras da academia burocrática e a forjar um pensamento libertário. Se Caetano aprende com o MTST, que bom!

Acredito que minhas lentes ajudaram a registrar um episódio importante da história dos movimentos sociais. Na fotografia, é muito importante entrar numa relação de alteridade com o fotografado. Pude perceber que ontem a atitude dos sem tetos era, antes de mais nada, absolutamente consciente. Sabiam a importância de divulgar a luta deles. Ganhar mais gente para a causa. Dispersos de forma inteligente na multidão, evoluíram para o último canto na despedida de Caetano no término do show, quando 20 mil gritavam, em uníssono: “Aqui está o povo sem medo, sem medo de lutar.” Viva a pedagogia popular.

Esse texto exprime a opinião pessoal da autora. Aqueles que tiverem opinião contrária, e quiserem contribuir com o debate, tem aqui um espaço aberto. Envie sua opinião para [email protected]

COMENTÁRIOS

  • POSTS RELACIONADOS

    Em Ribeirão Preto, cidade conhecida como a "Califórnia Brasileira", o casal Tatiane Pereira, 22, com o marido Mateus Cazula, 24, e o filho Henrique, 2, no dia 28 de maio. A prefeitura demoliu a casa que a família construía em terreno público abandonado. "Estamos sem trabalho e já fomos despejados por dever o aluguel. Ocupamos esse pedacinho da Favela das Mangueiras e com o auxílio-emergencial construímos as paredes pra morar. É o que dava. Foi tudo embora, e agora?" (Foto: Filipe Augusto Peres)

    Campanha Despejo Zero: “Moradia é questão de vida ou morte na pandemia”

    Em plena crise sanitária, aumento das remoções forçadas em todo o país mobiliza campanha nacional e internacional #despejozero. A intenção é pressionar aprovação do projeto de lei que proíbe que brasileiros sejam jogados no olho da rua e expostos ao coronavírus por não ter como pagar aluguel

    >