O beco genocida. E agora?

É preciso estar MUITO atento ao que vai acontecer nos próximos dias no STF

Por Carlos Eduardo Alves, jornalista e analista político*

Passadas horas de justa zoação do recuo humilhante do genocida, convém agora falar sério. É óbvio que o fascista não se prestaria ao exercício vergonhoso de genuflexão se tivesse conseguido o que seu delírio dava como certo: o golpe em 7 de Setembro. Deu ruim e as coisas saíram de seu controle demente. Fez, com a nota patética, uma tentativa de recobrar o fôlego e de ser, apesar do déficit cognitivo dele e de seus muares medalhados, mais esperto que a esperteza.

É preciso estar MUITO atento ao que vai acontecer nos próximos dias no STF. MUITO. Não se admire se houver uma “amaciada” para o genocida. Notas em jornais noticiaram nos últimos dias articulações de Gilmar Mendes para “desanuviar” o ambiente político. Gilmar, lembre-se, é um juiz político que sempre esteve aliado aos grandes conglomerados econômicos no Brasil.

E, não se esqueça nunca, o STF é comandado pelo inacreditável ministro Fux. A elite está apavorada com a rapidíssima deterioração dos indicadores econômicos, muito em função do genocida. Calmaria é o que pede, enquanto cultiva ainda o sonho de construir a terceira via.

Está no STF, por exemplo, a possibilidade de dar legalidade ao calote nos precatórios que, de um lado, permitirá o Bolsa Família ampliado e, de outro, acalmará o mercado  na base do engana que eu gosto ao não romper oficialmente o Deus Teto de Gastos.

Nas mesas das togas estão também questões sobre o sim ao liberou geral do armamento e, muito principalmente, a possibilidade que mais desespera o genocida: cana para Carluxo no inquérito das fake news. Não foi à toa ou por preguiça que o filho limítrofe esteve ausente no 7 de Setembro. Maluco pero no mucho.

A construção desse acordo esbarra na adesão de Alexandre de Moraes. Pode concordar ou não. O temperamento do ministro não autoriza aposta segura do caminho a apostar. Temer, com suas mãozinhas assustadoras e larápias, deve ter assegurado ao genocida que controlará Moraes, mas não pode dar garantia de entrega da mercadoria. A conferir.

Finalmente, o menos trabalhoso na manobra de um possível acordo é o gado bolsonarista. Vai dormir puto alguns dias, mas depois vai acreditar que o recuo humilhante é, na verdade, uma manobra genial do estrategista genocida. Já estrebucharam algumas horas e logo aceitaram o rompimento com o dr. Conje, por exemplo. Usando uma linguagem sofisticada utilizada nos grandes e intrincados debates filosóficos da Academia, o gado sofre da “Síndrome do Corno Manso”. A escola nórdica prefere “Síndrome do Corno Feliz”, mas isso é irrelevante.

O problema é, como na fábula, a natureza do escorpião. O genocida não vai conseguir se controlar, mesmo que obtenha a garantia de que o filho limítrofe, Dudu Bananinha e Flávio Rachadinha não serão presos. A cabeça do genocida é incontrolável. E recebe aviso de que perderá a eleição. Logo, não há vida fora de golpe.

Tudo posto, a calmaria aparente não pode enganar o setor democrático. O genocida está nas cordas, se finge de manso para atacar o enfermeiro do hospício (ia escrever aquela do coveiro mas preferi manter o nível). Vem tentativa de acordo com a elite aí, o mercado está em êxtase. A mercadoria que move a alegria dessa turma é a penúria do pobre e da liberdade. Sem trégua com o genocida.

(*) Do Facebook do autor

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.