Mudou o patamar após o 19J

O foco não é mais 2022. A data é 2021. Tanta gente na rua não aponta para 2022. A agenda e a ofensiva política popular têm que avançar sobre o terreno do Centrão
Manifestação 19J em São Paulo - Foto de Ricardo Stuckert

Por Rudá Ricci, cientista político

As manifestações gigantes de ontem (em número de pessoas e de cidades mobilizadas) alteraram a configuração do embate entre forças populares (nada de republicanismos por aqui) e a extrema-direita. Foram registrados 427 atos realizados no Brasil e em 17 países no exterior. Estima-se que ontem foram 750 mil pessoas às ruas contra Bolsonaro e sua agenda genocida. A grande imprensa não consegue – como ocorreu na Campanha das Diretas – esconder a pujança das mobilizações.

Atingimos 500 mil mortes causadas pela orientação para a contaminação do rebanho de brasileiros, pela indicação de uso irresponsável de remédios para outros fins que o combate à vírus (vírus não é protozoário!). Os crimes de responsabilidade se amontoam. Ele já teve seu tempo de brincar de governante. Já brincou com emas e fingiu estar perdendo fôlego, reproduzindo a agonia dos que tentaram internação por não conseguir mais respirar. Talvez, finalmente, parcelas maiores da população de nosso país tenham chegado ao basta.

Agora, a mudança de patamar de embate exige nova postura das entidades que lideram as manifestações. Farei algumas ponderações a respeito. Começo com a data. O foco não é mais 2022, por mais que Lula e lulistas queiram. A data é 2021. Tanta gente na rua não aponta para 2022.

Outra necessidade é que a liderança das mobilizações ganhe um rosto. É preciso ganharmos uma referência que, como afirmei, não se limite a 2022. É preciso ter interlocutor neste embate cada vez mais tenso. Não podemos repetir a invisibilidade da condução que ocorreu em 2013.

Trabalhadores da área da saúde também foram às ruas nesse sábado, em Belo Horizonte – Foto de Hedy

Todos que me acompanham sabem o quanto eu sugiro que 2013 foi um momento especial da política no Brasil, inaugurando o século XXI por aqui. Nada a ver com o discurso fácil que 2013 tinha relação com a extrema-direita. Fiz pesquisa de campo para fundamentar minha leitura. Contudo, o maior erro político cometido em 2013 foi o tal “sem liderança”.

O discurso juvenil (ou principista no caso dos anarquistas e autonomistas) levou ao paroxismo de se negarem a negociar como bloco. Quando se sentaram numa mesa, diziam que só se representavam. Na prática, a agenda se perdeu. Nem mesmo se apresentou como múltipla. Ela simplesmente desapareceu. E deu lugar à disputa das interpretações. A grande imprensa saiu correndo dizendo que a pauta era a corrupção e o papel do MP. O Anonymous apresentou pauta. A esquerda.

Era o momento mais importante para uma reviravolta na política nacional. Mas, a Torre de Babel era de tal monta que os governos, acuados, não sabiam o que e com quem negociar. Dilma tentou – na verdade, o então ministro Gilberto Carvalho – e deu com os burros n´água. Não podemos repetir o erro.

Para que as manifestações precisam de um rosto? Para apresentar uma agenda e pressionar os congressistas. Agora é preciso ter uma coordenação política que esteja à altura desse novo patamar político que se ganhou ontem. As ruas estão além do impacto da CPI.

Ligando os pontos: 1) A luta política contra a extrema-direita não aponta para 2022, mas para uma ofensiva para agora; 2) Para tanto, é preciso que as mobilizações e ofensiva ganhem um rosto, o coletivo de 600 entidades que lideraram as manifestações de 29M e 19J; 3) Finalmente, a apresentação de uma agenda do presente e do futuro.

Povo na rua, em Belo Horizonte, contra o genocida – Foto de Isis Medeiros

A agenda e a ofensiva política popular têm que avançar sobre o terreno do Centrão. A agenda nacional econômica não está nas mãos de Paulo Guedes, mas do Centrão; a parca estabilidade do governo está nas mãos do Centrão. O Centrão é o alvo. É a peça que gera o efeito dominó.

Portanto, seria fundamental que cards e cartazes denunciando a posição dos parlamentares que dão sustentação à agenda de destruição do Brasil e de aumento da precariedade social se espalhassem pelo país. Somente assim, as manifestações poderão se tornar ameaça. Somente assim, os parlamentares perceberão que estão sendo acompanhados em seu voto e que suas bases eleitorais começam a ligá-los com o governo e seu sofrimento. Enfim, o patamar de embate político foi alterado.

Termino este breve texto externando minhas saudades e tristeza pela morte de Eugênio Peixoto, que nos deixou ontem. Um militante extraordinário, ex-Secretário de Reordenamento Agrário do MDA e um dos coordenadores da Câmara Técnica da Agricultura Familiar do Consórcio Nordeste. Antes de tudo, um imenso coração. Mais um grande amigo que perco nesse fatídico 2021.

Obs. A foto principal é de Ricardo Stuckert

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode