Mães militantes criam esquema de rodízio para cuidar dos filhos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Mães que não podiam continuar com suas atividades militantes por causa dos filhos pequenos tiveram uma ideia: por que uma não ser a babá do filho da outra para que, em um esquema de rodízio, todas pudessem comparecer aos atos dos coletivos e movimentos em que militam? Assim nasceu a Cirada pela Democracia, grupo de mães e pais que se uniram com o propósito de serem babás nesses momentos.

De início, a ideia era tomar conta dos filhos para que os pais pudessem ir para as ruas. Agora, as crianças também participam dos atos juntos à família. Raquel Otoni, mãe, professora e militante dos Diretos Humanos, explica que a Ciranda tem o objetivo de fornecer uma formação lúdica para as crianças, contribuindo para que sejam adultos cientes e conscientes de suas obrigações e direitos. Ela afirma que a grande preocupação é “ensinar aos pequenos que os conflitos podem ser resolvidos por meio do diálogo, sem a necessidade de violência”.

Além de pais, mães e filhos saírem ganhando com a ajuda mútua, Raquel também conta que, ao dialogar com as crianças, os próprios adultos “são levados a refletir junto delas, em um processo em que filhos ensinam pais e vice-versa”.

COMENTÁRIOS

  • […] Mães que não podiam continuar com suas atividades militantes por causa dos filhos pequenos tiveram uma ideia: por que uma não ser a babá do filho da outra para que, em um esquema de rodízio, todas pudessem comparecer aos atos dos coletivos e movimentos em que militam? Assim nasceu a Cirada pela Democracia, grupo de mães e pais que se uniram com o propósito de serem babás nesses momentos. De início, a ideia era tomar conta dos filhos para que os pais pudessem ir para as ruas. Agora, as crianças também participam dos atos juntos à família. Raquel Otoni, mãe, professora e militante dos Diretos Humanos, explica que a Ciranda tem o objetivo de fornecer uma formação lúdica para as …  […]

  • POSTS RELACIONADOS

    >