Contra Bolsonaro, Lula recebe apoio de adversários do passado

Cada vez mais surgem apoiadores de Lula nesse segundo turno. Algumas figuras isentas, e até opositores, mudaram de lado

Cada vez mais surgem apoiadores a candidatura de Lula no segundo turno das eleições. Algumas figuras isentas, e até antigos opositores estão mudando de lado.

Por Beatriz Pecinato

O PDT, partido comandado por Carlos Lupi, declarou nesta terça-feira (04/10), o apoio da legenda a Lula (PT), que disputará o segundo turno das eleições contra Jair Bolsonaro (PL). O próprio candidato à presidência do Partido Democrático Trabalhista também declarou apoio a Lula. Em um vídeo veiculado em suas redes sociais oficiais, Ciro Gomes não citou o nome do candidato do Partido dos Trabalhadores. Entretanto, afirmou que “acompanha” a decisão de seu partido. 

A candidata a presidência, Simone Tebet (MDB), em um pronunciamento realizado nesta quarta-feira (05/10), também foi outra figura política afirmar seu voto no candidato do PT. “Depositarei nele meu voto porque reconheço no candidato Lula o compromisso com a democracia e com a Constituição, o que desconheço no atual presidente”, disse a candidata.

O partido Cidadania também declarou apoio a Lula. Roberto Freire, presidente nacional da legenda, destacou que o apoio é apenas pontual, e tem como objetivo fortalecer a união para derrotar Jair Bolsonaro. A reunião do partido contou com a participação de 19 membros da executiva nacional. Apenas três foram contra o apoio, e nenhum foi favorável a apoiar o atual presidente.

O ex-presidente da república Fernando Henrique Cardoso saiu em defesa de Lula e da democracia na manhã desta quarta-feira (05/10). Em seu Twitter, o político compartilhou fotos na companhia do petista, afirmando o voto em Lula. Armínio Fraga, presidente do Banco Central (BC) durante o governo de Fernando Henrique, desistiu de anular seu voto e declarou apoio a Lula no segundo turno. O ex-presidente do BC respondeu uma entrevista ao Estadão, e afirmou que tem sido muito crítico do atual governo.

Carlos Ayres Britto, ex-primeiro-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF),  também declarou apoio ao candidato do Partido dos Trabalhadores. “Nesta eleição presidencial já afunilada para dois candidatos, eis a pergunta central: diante de quem a democracia está certa de não sofrer o menor atentado? Resposta: de quem jamais colocou sob suspeita de fraude a urna eletrônica. No caso, Lula, que terá meu voto”, declarou.

Tasso Jereissati, ex-presidente do PSDB, declarou nesta segunda-feira (03/10) seu apoio ao petista. No primeiro turno, o tucano apoiava a candidatura de Simone Tebet (MDB), que terminou a disputa eleitoral em terceiro lugar. Em entrevista ao Estadão, ele declarou: “Minha posição é Lula”.

O senador José Serra (PSDB) também demonstrou seu apoio ao candidato petista em seu Twitter. “Não vou me alongar sobre o tema. Diante das alternativas postas, votarei em Lula.”, ele coloca. Serra e Lula foram concorrentes nas eleições presidenciais de 2002, na qual Lula se elegeu pela primeira vez.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.