Leitura para uma terra em luto e uma lei sem pudor

Ontem, vi na rede imagens sensacionais de Takumã Kuikuro e Kamikia Kisêdjê , fotógrafos de uma geração de brilhantes comunicadores indígenas, onde sempre nos surpreendem com cenas de um planeta indígena, tão cobiçado pela lei podre que quer impor mineração e agronegócio em terras dos índios e devastar aquilo que nela habita.

Takumã Kuikuro projeto de lei 191
por Takumã Kuikuro© – Terra Indígena do Xingu
Kamikiá Kisêdjê projeto de lei 191
por Kamikiá Kisêdjê© – Terra Indígena do Xingu

Fiquei olhando aquela imagem de Takumã, onde, sobre a grande casa de seu clã, se expunha sem pudor um arco de luz dourada, como se um céu de ouro e cores estivesse para cair sobre a cabeça dos homens. 

Ao mesmo tempo, assistia, ao vivo, a um chamado de Caetano Veloso, em Brasília, para mudar o rumo da coisa fora da ordem,  o Projeto de Lei 191/2020, que autoriza a mineração em terras indígenas, o projeto de lei do fim do mundo.

Logo recordei uma imagem antiga de Jesco van Puttkamer, onde o fotógrafo revelava um menino Nafukuá, retirando da terra ovos de tracajá. Assim deveria ser a terra indígena, apenas da terra tirar alguns ovos, de resto deixar viver o que nela habita. Mas não, cairá o céu, é hora de livrar-se das máscaras, é tempo de nova ordem mundial. 

Jesco von Puttkamer projeto de lei 191
Menino Nafukuá colhendo ovos de tracjjá, às margens do Rio Xingu. No auge da seca, há grande quantidade de ovos e peixes nesta região / W.Jesco von Puttkamer – Cunhatãs e Curumins, 1991

Não há zonas de exclusão no céu fora de ordem que se anuncia, nem uma lágrima de chuva haverá  na  vergonha desse momento,  no Congresso há uma opção podre nos destinos da terra. 

Vivemos um tempo de garimpeiros e soldados. Como disse Ailton Krenak, o fim do mundo talvez seja uma breve interrupção de um estado de prazer extasiante que a gente não quer perder. A mãe Terra vai nos tirar o peito de quem só quer mamar. Não teremos mais o seio, a referência de uma provedora maternal. Não tem nada a ver com a imagem masculina do pai. Todas as vezes que a imagem do pai rompe nessa paisagem é sempre para depredar, detonar e dominar.

Helio Carlos Mello projeto de lei 191
por Helio Carlos Mello

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.