Jornalistas Livres chamam a atenção da Fundación para el Nuevo Periodismo Iberoamericano

 

Dois representantes da Fundación para el Nuevo Periodismo Iberoamericano, responsável por uma das mais importantes premiações jornalísticas ibero-americanas, o Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo, estiveram no Brasil essa semana. Jaime Abello Banfi, diretor geral da FNPI, e Ricardo Corredor Cure, diretor geral da entidade (na foto acima, da esquerda para a direita), vieram anunciar o prêmio especial de Excelência em Jornalismo a ser entregue para a jornalista Dorrit Harazim, da Revista Piauí e do jornal O Globo, no próximo dia 30 de setembro em Medellin, na Colômbia.

Nos poucos dias que passaram no país, os diretores da FNPI aproveitaram para aprofundar suas informações sobre jornalistas e veículos tradicionais brasileiros. E também para conhecer melhor iniciativas mais recentes e inovadoras, como os Jornalistas Livres.

“Sempre estamos interessados em saber mais sobre como os jornalistas independentes estão se organizando em novos modelos de cobertura e financiamento de reportagens”, explicou Banfi.

Por quase duas horas, na sexta-feira 24 de julho, os diretores da FNPI conversaram com os representantes dos Jornalistas Livres sobre Crowdfunding, redes sociais, reportagens coletivas, reuniões de pauta abertas, mercado tradicional de jornalismo na América Latina, as manifestações de junho de 2013 e o cenário político brasileiro atual. Com pouco mais de quatro meses de existência, os Jornalistas Livres compartilham do ideário da FNPI, fundada pelo mítico escritor colombiano: independência, integridade e compromisso com um jornalismo ético, público e plural.

 

 

 

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

É ainda possível pensar com complexidade?

Como não bastasse a crise global causada pela pandemia, o mundo acaba de entrar numa nova e grave fase de deriva bélica, que o pode mergulhar numa crise ainda maior. A causa próxima deste agravamento é a invasão da Ucrânia. O autor da invasão é a Rússia, mas o seu autor remoto são os EUA, ao terem ignorado durante três décadas as preocupações russas quanto à sua segurança.