Investigado por homicídio, o deputado e ex-PM Wendel Lagartixa diz que ‘Lula tem que morrer’

Em vídeo, Wendel Lagartixa discute com pessoas na rua e ameaça a pegar arma na cintura

Um vídeo que mostra o ex-policial Wendel Lagartixa batendo boca com uma simpatizante do candidato à presidência, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) repercutiu nas redes na tarde de terça (11/10). Nele o deputado grita “Lula é ladrão! Aqui é Lagartixa” e coloca a mão em sua cintura como se fosse sacar uma arma. Antes de entrar em um carro ele grita novamente: “Lula tem que morrer!”. 

Wendel Lagartixa é bolsonarista e foi eleito o deputado estadual mais votado no Rio Grande do Norte com 88 mil votos. O segundo colocado, Ezequiel de Souza (PSDB) foi o segundo colocado com 20 mil votos a menos. 

O Ministério Público Eleitoral recorreu em Brasília contra o registro da candidatura de Lagartixa. Ele foi condenado por porte de arma ou munição de uso restrito sem autorização, o que configura crime hediondo e terminou de cumprir pena em 4 de junho de 2021. Segundo a Lei da Ficha Limpa, revisada em março de 2022, pessoas que foram condenadas a cumprir pena só podem se candidatar após o prazo de inelegibilidade, ou seja, 8 anos após o término da condenação. 

Wendel Lagartixa passou a maior parte da campanha eleitoral de 2022 preso, suspeito de participação em outro crime, um triplo homicídio na Zona Norte de Natal e só foi solto no dia 15 de setembro, cerca de duas semanas antes do pleito.

Apesar de tantos indícios, no dia 12 de setembro a Corte Eleitoral do Rio Grande do Norte aprovou a candidatura dele por unanimidade.

Acusado de “ladrão” por Lagartixa, Lula se tornou legalmente elegível, de acordo com a Lei de Ficha Limpa, após o anulamento de sua condenação penal devido à incompetência da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba (PR) em seu julgamento. Já o deputado de RN não cumpriu os critérios para se lançar legalmente e, por isso, o MP está pedindo pela impugnação de sua candidatura.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode