IFSP: Ataque a todas as representações estudantis!

Já na primeira semana de trabalho da nova direção do campus do Instituto Federal foi divulgado um comunicado no qual todas as entidades estudantis são orientadas a retirar seus pertences de suas salas. O aviso foi divulgado sem que a nova gestão tenha tentado um diálogo com as representações estudantis ou dado um aviso prévio

Ataque a todas as representações estudantis!

“Já na primeira semana de trabalho da nova direção do campus São Paulo do Instituto Federal (IFSP) foi divulgado, no dia 23/4, um comunicado no qual todas as entidades estudantis estão sendo orientadas a retirar seus pertences de suas salas. Este aviso nos foi divulgado sem que antes a nova gestão tenha tentado um diálogo com as representações estudantis ou dado um aviso prévio.

Ainda, o comunicado informa que, se não houver a retirada dos bens no prazo determinado (05/05), a administração do campus entrará nas salas e retirará todos pertences – sendo os bens patrimoniais devolvidos à administração e os bens exclusivamente dos estudantes (não pertencentes ao IFSP) descartados.

Neste sentido, abrimos para a ciência de todos a situação acima exposta, visto que a construção dos espaços estudantis e o acúmulo de bens de uso comum dos alunos conquistados pelas entidades afeta não somente estas, mas todos os alunos representados por elas.

Num momento em que o governo Bolsonaro consolida intervenções nas universidades de todo o país, sem respeitar a democracia e autonomia das instituições de ensino federais, devemos lutar contra todas as expressões de autoritarismo e construir uma união entre aqueles que defendem a educação pública, gratuita, socialmente referenciada e livre.

Dessa forma, as representações estudantis do campus reivindicam respeito à autonomia e aos espaços estudantis, se posicionam contra essa decisão autoritária e sem diálogo com os alunos e exigem uma reunião com a direção do campus.

Os estudantes do IFSP foram linha de frente contra os ataques que o governo com orientação fascista de Bolsonaro impôs à educação no último período, contra o estrangulamento orçamentário com o roubo do dinheiro da educação, que só esse ano registra um corte de mais de 27 bilhões de reais; contra a tentativa falha de acabar com a autonomia do movimento estudantil com o fajuto documento do estudante online, que ameaçou a independência financeira das entidades; e na derrota do projeto de privatização das universidades e institutos federais, o FUTURE-SE, sendo o IFSP o primeiro IF do Brasil a aprovar um relatório rechaçando a proposta de Paulo Guedes e Bolsonaro, os grandes amigos dos tubarões do ensino e banqueiros.

Mesmo diante da pandemia e do Ensino remoto emergencial avançamos muito em nossas lutas, ampliamos nossa organização, conquistamos ainda mais espaços e vamos utilizar da representação estudantil para levar adiante a defesa da permanência, a luta por melhores condições de ensino e contra a evasão. Assim iremos defender o IFSP público, gratuito, com ensino de qualidade e respeito à democracia e protagonismo estudantil!
Estamos e seguiremos na luta!”

Conselho Estudantil do IFSP Campus São Paulo

Ataques as entidades estudantis

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A militarização das escolas públicas não é o caminho

Por esta série de problemáticas, concluímos que a militarização das escolas não é o caminho. É a educação pública, gratuita, laica, democrática, inclusiva e de qualidade social que oferece formação ampliada para os sujeitos que vão transformar nossa realidade, por isto não abrimos mão do ensino crítico, criativo e emancipatório. O ensino militar vai na contramão do que significa a educação transformadora de mentes e corações. E neste cenário de tanta dor, morte, é a esperança de que juntos e juntas vamos construir um amanhã melhor que nos move. E este novo amanhã começa dentro de uma escola que humaniza e rejeita as violências como estratégias pedagógicas.

>