Gordofobia acaba em indenização de R$ 50 mil a comerciária

Dono de loja do interior de Minas obrigava funcionária a cumprir meta mensal de emagrecimento

Além de usufruir da mão de obra, parece que certos patrões não têm limites para explorar seus empregados, entrando até mesmo em suas vidas íntimas. É o que mostra, por exemplo, este raro flagrante de gordofobia julgado e condenado pela Justiça do Trabalho de Muriaé, na Zona da Mata de Minas.

Vendedora de uma loja de bijuterias, D. L., de 26 anos, passou quase um ano e meio esperando para receber um adicional de seu salário por cumprimento de meta: a redução de peso imposta por um chefe, sócio do estabelecimento. Resultado, a 1ª Vara do Trabalho da cidade condenou a loja a pagar a indenização de R$ 50 mil por danos morais à agora ex-funcionária. 

A sua advogada, Grazielle Berizonzi, informou que, para receber uma complementação salarial de R$ 200, a comerciária era obrigada a cumprir metas de emagrecimento fixadas pelo patrão, como a perda de cinco quilos por mês. 

“Para atingir as tais metas, ela ficava sem comer e até vomitava algumas refeições. A proximidade da data de pagamento passou a gerar pânico, virou uma tortura. Durante o período em que trabalhou na loja, D. chegou a emagrecer, mas não foi um emagrecimento saudável. O custo à saúde mental foi muito grande”, registrou Grazielle.

De acordo com a advogada, os métodos exigidos para comprovação da perda de peso da trabalhadora eram tão rigorosos quanto humilhantes. Fotos anexados ao processo bilhetes deixados pelo chefe em que determina: “Favor apresentar pesagem do dia 5/6/2019 com carimbo da academia, certificando que o peso foi realizado no dia”. Em outro recado, escrito no envelope usado para acondicionar o complemento, o patrão avisou: “Caso não tenha perdido o peso (combinado) do mês de julho, favor devolver os R$ 200″.

soundcloud.com/diarios-associados-mg(abrir em uma nova aba)

 Desculpa de peidorreiro

Também foi anexado ao processo um áudio gravado (confira acicma) pela comerciária registrando um dos momentos em que foi constrangida a medir seu peso numa balança comprada pelo patrão. Antes de subir no aparelho, a vendedora diz: “Eu me pesei sexta-feira. Deixa eu te mostrar a foto (da pesagem), deu 95,4 kg. Antes estava com 96,2 Kg. Mas, essa semana, deve dar mais, pois estou menstruada e retenho muito líquido, fico inchada”. 

D., então, subiu na balança. Insatisfeito com os números apresentados, o chefe retruca: “Isso (a menstruação) é desculpa de peidorreiro!”. Em seguida, investiga o cotidiano de D. e questiona a frequência dela à academia. “Você está fazendo tudo direitinho? Por que naquele dia, 19h, você estava me mandando mensagem e não fez academia?”. Então, ameaça: ‘Vou te dar uma colher de chá dessa vez, hein? Mês que vem, se não tiver perdido….”.

“A situação chegou nesse ponto de degradação: uma funcionária foi obrigada a compartilhar com seu chefe informações íntimas, referentes ao seu ciclo menstrual para justificar por que não atingiu o peso que ele esperava – e, assim, conseguir receber o dinheiro que lhe era devido”, observou a advogada Grazielle.

Conforme a ação judicial, a moça recebia pouco mais de um salário mínimo. Os R$ 200 eram pagos a título de complementação salarial. A comerciária trabalhou na empresa entre janeiro de 2019 e junho deste ano.

O juiz Marcelo Paes Menezes reconheceu que a trabalhadora foi vítima de assédio moral: “Tenho que a autora foi submetida à violência psicológica extrema, de forma habitual por um período prolongado com a finalidade de desestabilizá-la emocional e profissionalmente. A ação da ré (a loja) colocava em xeque o amor próprio da obreira, ao repugnar seu próprio corpo para atender ao padrão estético do sócio da empresa”. 


COMENTÁRIOS

  • 50 mil reais não é nada!!! Não paga nem a terapia de uns 2 anos que ela precisa! É incrível como as compensações são de baixos valores!! Esses caras gastam isso num passeio!

  • POSTS RELACIONADOS

    >