Eu queria ser boçal ainda

O Café com Muriçoca de hoje fala sobre “boçalidades” e defende que não, Bolsonaro não é boçal. Ele é só uma pessoa ruim mesmo.
Eu queria ser boçal ainda

“Era bom ser boçal inda mesmo/ viajar a milhão pelos tempos/ tentando voltar para o quente/ espaço da indignação.”

BoçalidadesMaria do Povo

“Sem um conto no bolso/ Só com ferro na cintura/ Choro de criança/ Que ecoa à luz da lua/ Sugando seco seios/ Da fome verde e amarela/ A morte em capítulos/ Da mesma novela”

Quantas histórias pra contarClã Nordestino

Ói só! Vê se concorda: uma pessoa não aculturada,  não completamente dominada pela cultura opressora, é talvez a mais plenamente capaz de se rebelar. De matar, de morrer,  de sangrar em nome do que não é aceito pelo Grande Irmão.  É capaz de se erguer da forma mais dura contra o racismo,  o machismo,  o capitalismo e os neonazi da vida.

Há quase vinte anos,  ouvi o colega Toni C, da Literarua, dizer que levou uma bela bronca de alguém por causa do termo “boçal”.

Era uma quarta-feira de Cooperifa – hoje o sarau ocorre às terças -, do remoto e tão dolorido ano de 2006. Toni C eu só conhecia por seus textos, publicados no Vermelho.org. Nesse dia ele contou que, certa vez, quando se referiu a alguém como boçal, levou uma baita comida de orelha por isso.  Levou logo um pedala de alguém que lhe dizia: boçais são pessoas negras, escravizadas, que “ainda” não estão aculturadas. E a resposta dele foi: “desculpa! É que eu sou boçal ainda!”. 

Naquela noite eu senti um alumbramento, e aquela história ficou guardada no meu caderninho de memórias. A partir daí, eu que já não usava mais o termo “denegrir”, por seu caráter racista, passei a rejeitar também o verbete “boçal”. Hoje em dia, nem o execelentíssimo Bozo eu chamo assim, porque ele não é boçal, nem de longe… o pateta só finge. O disgramento é só cruel mesmo.

Aconteceu que, há um tempinho atrás, os clipes This is not America,  do porto riquenho Residente,  This is America,  do estadunidense Childish Gambino, Man Down,  de Rhiana e Boa Esperança,  de Emicida,  cada qual me fez voltar a pensar, de novo, no que é ser boçal em nosso mundo. 

“O machado não é só pra cortar cana, também é pra cortar cabeça

Gambino com sua interpretação de uma personagem que é misto de “bom banana” e rebelde. Sua ironia cínica.   Rhiana com seu contra-ataque aos feminicidas: tão cruel e, ao mesmo tempo,  bem vindo… Emicida com a rebelião da senzala moderna e, finalmente,  Residente,  com a história de violência e resistência de toda a América Latina, tais artistas me fizeram pensar que as personas representadas nessas obras de arte têm em comum, talvez,  sua boçalidade. 

Ói só! Vê se concorda: uma pessoa não aculturada,  não completamente dominada pela cultura opressora é talvez a mais plenamente capaz de se rebelar. De matar, de morrer,  de sangrar em nome do que não é aceito pelo Grande Irmão.  É capaz de se erguer da forma mais dura contra o racismo,  o machismo,  o capitalismo e os neonazi da vida. E quando eu digo “dura”, quero dizer “violenta”, sem massagem, como nas cenas que vemos nos clipes musicais de Rhiana, Gambino, Emicida e Residente.

Troquei uma ideia com o Du sobre isso.  Entre um café e outro, ele me disse que as pessoas pobres, as mais lascadas, é comum que elas sejam também as mais “boçais”.  Ele observou que na baixa escala do mundo do crime – aquela pior remunerada – e entre pessoas usuárias de crack, por exemplo, a gente, muitas vezes, encontra as atitudes menos “aculturadas”, menos “civilizadas”, menos adequadas ao que se espera de “pessoas de bem”.

E faz todo sentido:  como diria o saudoso Preto Ghóez, “sem um conto no bolso” e nem um “ferro na cintura”, não tem ação cultural que salve nosso povo. Não tem escola que o dominique. Em sua indisciplinada conduta há traços insuspeitos da rebeldia de quem, de tão pisado, nada tem a perder. E eu quero muito conservar ao menos parte desse facão afiado que um dia foi chamado de boçalidade, mas que é a marca de quem se recusa a simplesmente ser peça devidamente ajustada à engrenagem machista e racista que concordamos em chamar de “capitalismo”.

Bom café com muriçoca pra vocês.


Dinha (Maria Nilda de Carvalho Mota) é poeta, militante contra o racismo, editora independente e Pós Doutora em Literatura. É autora dos livros "De passagem mas não a passeio" (2006) e Maria do Povo (2019), entre outros. 
Nas redes: @dinhamarianilda

LEIA TAMBÉM algumas das crônicas anteriores:

São Paulo é uma cidade-palafita

Olha nos olhos e enxerga o bebê

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>