Eu fiz o ENEM em 2021

Em escola em bairro de classe média em São Paulo, alunos se aglomeram na saída
Estudantes chegaram cedo para não correr risco de perder a prova do ENEM no bairro de Pinheiros, em São Paulo (SP): alunos que não tiveram acesso à internet ao longo do ano saíram prejudicados - Foto: Martha Raquel / Brasil de Fato
Estudantes chegaram cedo para não correr risco de perder a prova do ENEM no bairro de Pinheiros, em São Paulo (SP): alunos que não tiveram acesso à internet ao longo do ano saíram prejudicados - Foto: Martha Raquel / Brasil de Fato

O relógio marcava 11h31 quando os portões da UNIP Pinheiros, em São Paulo, foram abertos para a realização do Enem 2020. Aproximadamente 30 alunos já estavam no local aguardando, mas poucos entraram de cara. A maioria acabou esperando do lado de fora e se viram vítimas das dezenas de contratados dos cursinhos e universidades que aproveitam a realização da prova para coletar dados.

Publicado originalmente no Brasil de Fato

Vendedores de caneta, água e barrinhas de cereais se acumulavam em frente ao prédio usando a máscara no pescoço. O corredor de entrada, com 6 fiscais, foi evitado até que o relógio se aproximasse das 13h, gerando assim uma grande aglomeração de estudantes e seus celulares. 

Os estudantes que prestaram a prova naquele local moravam perto da universidade, um bairro de classe média alta. Com pontos de ônibus e metrô próximos, a maioria esmagadora chegou de carro, acompanhada pelos pais. Conversei com Roberto, empresário e pai de uma menina de 16 anos que deseja cursar engenharia ou finanças. Sua filha, Vitória, estudou no St. Paul’s School, um dos mais caros de São Paulo, com mensalidades na casa dos 10 mil reais. 

Ele me contou que uma das dificuldades enfrentadas pela filha na hora de estudar era que alguns alunos assistiam às aulas on-line ainda na cama e só passaram a acompanhar com responsabilidade o conteúdo quando a escola pediu que as câmeras ficassem abertas. Vitória teve 90% das aulas no último ano do colégio de forma remota, o restante foi feito presencialmente. 

“Eu acho que a compreensão das matérias foi prejudicada, mas todo mundo foi prejudicado igual. A diferença é que aqueles pais que puderam complementar com informações, aqueles alunos que tiveram acesso, disposição e interesse em ampliar o que aprenderam tem mais condições de passar, de serem classificados”, acredita. 

Era 12:54 quando eu tirei a última foto e passei pelo portão. Aguardei até o fechamento e a localização da escola me explicava porque naquelas 1h30 apenas dois alunos negros entraram no prédio.

No caminho até a minha sala, filas sem distanciamento social se formavam para que os estudantes pudessem guardar seus pertences no envelope cedido pelo INEP, o instituto que organiza o Enem

Na minha sala o distanciamento parecia estar sendo respeitado com rigor, mas os 30 minutos de espera antes do início da prova revelaram que na verdade o espaço ocupado pelos alunos só chegava próximo do recomendado por uma decisão individual. 

Contei 36 carteiras dispostas na sala em 4 fileiras. A ficha de presença no final do dia me revelou que a sala deveria ter 38 pessoas prestando a prova mais dois fiscais. A entrega da prova foi feita por “chamada” e, com risquinhos na perna, contei 17 presentes e 21 ausentes. 

E se todos comparecessem para fazer a prova do ENEM?

As distâncias entre os assentos era de uma carteira de estudos, ou seja, menos de um metro. As ausências explicavam o espaço na sala, mas, e se todos comparecessem? 

A sala de aula tinha aproximadamente 70 m², com apenas uma porta e nenhuma janela. Dois aparelhos de ar-condicionado estavam ligados. 

A prova de 90 questões, sendo metade “Linguagens, códigos e tecnologias” e metade “Ciências humanas e suas tecnologias”, também contava com a redação. O tema deste ano foi “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”. 

Leia mais: Enem: candidatos relatam nas redes que o distanciamento social não foi respeitado

Entre uma questão e outra, a fala do Roberto, que entrevistei antes dos portões fecharem, não saía da minha cabeça. Se ele mesmo reconhecia que alguns alunos poderiam ir melhor que a sua filha porque tiveram mais de 10% das aulas presenciais, como ele não enxerga que milhões de brasileiros sequer tiveram condição de acompanhar as aulas on-line durante a pandemia?

Nesse momento me lembro de uma reportagem que fiz no início da pandemia, que mostrava que alguns estudantes precisavam subir em caixas d’água para conseguir sinal de internet. 

De acordo a pesquisa TIC Domicílios, realizada pelo Centro Regional e Estudos para Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic), em 2019, 46 milhões de brasileiros não tinham acesso à internet, totalizando quase 30% dos lares brasileiros. A pesquisa ainda indicava que, das que têm acesso, a cada cinco pessoas, uma afirma que só consegue acessar a internet através da rede emprestada do vizinho. 

A primeira pessoa deixou a sala às 17h30 seguida por um outro aluno. Todos os demais esperaram dar às 18h30 para que pudessem levar o caderno de questões para casa. No horário permitido, centenas de alunos deixaram ao mesmo tempo as salas de aula e se aglomeraram no portão de entrada para discutir as respostas. Acontece que a maioria dos alunos estudavam no mesmo colégio e ficaram esperando os amigos para a conferência. 


Alunos se aglomeram no final da prova para conferir respostas / Martha Raquel / Brasil de Fato

Os últimos participantes do ENEM deixaram o prédio às 19h10, logo após a assinatura da ata. Os pais começaram deixar o local com seus filhos e às 19h30 os funcionários deixaram o prédio. 

Edição: Rogério Jordão

Veja também: Crônica: Amarelo: futebol e política por Rogério de Souza

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Pandemia do ódio: Bolsonaro e Hitler se sobrepõem - Foto: Reprodução

Estamos vivendo a pandemia do ódio

A máquina de ódio, mentiras e manipulação desencadeada por Bolsonaro e seus aliados, já intoxicou profundamente a sociedade brasileira