Estratégia de sobrevivência

No Café com Muriçoca de hoje Dinha fala sobre "Estratégia de sobrevivência". Aos 43 anos de idade, um pós-doutorado e vários livros publicados, ela ainda sente a insegurança do que é ser mulher no mundo capitalista.
Estratégia de sobrevivência. Dinha no colo da mãe.
Dinha no colo da mãe. 1980. Jd. Miriam;

Dinha*

Pra isso é necessário um país, uma sociedade e um sistema econômico que leve a sério a proteção às mulheres, na forma de políticas de combate ao feminicídio e às culturas degradantes, além de oportunidades e incentivos que corroam o machismo, o patriarcado e a misoginia. Não necessariamente nessa ordem.

“Vão invadir o meu barraco – é polícia! Vieram pra arregaçar, cheios de ódio e malícia”.

O homem na estrada – Racionais MCs

Na sexta-feira saí de casa apressada. Minhas filhas perguntaram meu destino e eu tive dúvidas antes de responder: vou namorar,  trabalhar e voltar.

Uma delas grita pra outra: a mamãe é famosa! Você já viu o que o google fala dela? Um tanto de espanto e alegria tomou a casa e eu saí de lá com menos culpa por deixá-las. 

O google levou 43 anos pra me reconhecer como alguém que merece estar em suas sugestões de pesquisa.  Minha mãe levou, talvez, uns 7. Desde a primeira reunião na escola ela provavelmente notou que algo em mim cheirava à vida, apesar das inúmeras ameaças diretas e veladas que sofremos, todos e todas, nas favelas brasileiras.  E quando ela me viu lendo em público,  pela primeira vez, no antigo Osem – lar de crianças inseguras – ela deve ter tido uma epifania:  que a menina beradêra, pelas bordas ou não, de boca cheia, ia devorar a vida. 

O google levou 43 anos. Mas minha mãe é mais importante que o google. Desde sempre eu me esforcei pra mostrar a ela que eu sou digna do seu amor e da sua admiração.  Para o google eu não fiz questão nenhuma. 

Pelo contrário… vira e mexe eu me escondo pra que suas luzes não me ceguem, pra que a sociedade do espetáculo não me coloque no lugar de vítima,  de mártir, de santa,  de puta ou de palhaça… de tempos em tempos me recolho à minha pequenez cotidiana e gasto mais tempo com as crias do que com as criações. 

Pesquisa no google: As pessoas também perguntam.
Estratégia de sobrevivência. Ou: mamãe é famosa.

Mas tem tempos em que aparecer, no meu caso,  é estratégia de sobrevivência. 

Quando, há dois anos,  os vermes invadiram meu barraco, foi a articulação das redes que me manteve um pouco mais segura: seja divulgando o ataque que sofri, seja colaborando para que tivessem grades e câmeras no meu portão.  A Rede de Proteção e Resistência contra o Genocídio,  da qual faço parte,  foi fundamental na minha defesa. A rede de amigos e amigas (que chegaram em casa rapidinho pra me defender), a de jornalistas, a de gente da política, as redes sociais… todas as redes me protegeram, cada qual à sua maneira. 

Sei que se manter em evidência não é suficiente pra me tirar da mira dos Promotores da Morte… Marielle Franco que o diga… 

Pra isso é necessário um país, uma sociedade e um sistema econômico que leve a sério a proteção às mulheres, na forma de políticas de combate ao feminicídio e às culturas degradantes, além de oportunidades e incentivos (financeiros) que corroam o machismo, o patriarcado e a misoginia. Não necessariamente nessa ordem.

Tudo isso é o que é preciso. 

Nada disso é o que tá teno… 

Então, na sexta-feira,  quando saí de casa e fui para o ponto de ônibus, e lá havia uma viatura e, perto dela, dois coxinhas… uma luz de alerta se acendeu no meu do peito e eu pensei se morreria…

Minhas cicatrizes me fazem pensar que eles me notam e me odeiam. Que sabem que eu somo nas lutas que querem o seu fim.

O google, certeza, me nota.

Minha mãe e minhas filhas me notam.

Eu anoto… e agradeço quando o busão, finalmente, dá a partida.


(*) Dinha (Maria Nilda de Carvalho Mota) é poeta, militante contra o racismo, editora independente e Pós Doutora em Literatura. É autora dos livros "De passagem mas não a passeio" (2006) e Maria do Povo (2019), entre outros. 
Nas redes: @dinhamarianilda

LEIA TAMBÉM algumas das crônicas anteriores:

O reizinho genocida

Olha nos olhos e enxerga o bebê

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula acerta na economia?

Até agora o governo Lula 3 se configura como independente e assertivo na área econômica. Pode-se dizer que fosse economista, o Lula atual seria um desenvolvimentista, keynesiano e heterodoxo.

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.