Em Minas Gerais, Festival da Reforma Agrária pauta a luta por cultura, comida na mesa e democracia

Foto: David Robins

Reafirmando que produzir alimentos saudáveis, arte e cultura é resistir na luta pela terra e transformação social, Festival do MST faz parte da agenda de lutas do dia do trabalhador

Por Agatha Azevedo e Matheus Teixeira

Entre os dias 29 de abril e 1 de maio, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ocupa a cidade de Belo Horizonte com produção saudável, arte e cultura, trazendo o já tradicional Festival de Arte e Cultura e Feira da Reforma Agrária e Agricultura Familiar, que em sua terceira edição, leva como lema: “Reforma agrária popular: cultivando terra, arte e democracia”. Ao longo de três dias, a Praça da Assembleia Legislativa irá receber produtos das nove regionais do MST de Minas Gerais, além de produtos de outros estados e de parceiros da agricultura familiar e da reforma agrária.

Serão cerca de 60 toneladas de alimentos e outros produtos da reforma agrária e da agricultura familiar. Segundo Maíra Santiago, do Setor de Produção, o Festival é uma forma de garantir soberania alimentar na cidade e autonomia financeira no campo. “Esses alimentos saudáveis vindos de nove regionais de Minas Gerais e de outros estados do Brasil, representam a materialidade da função social da terra que a reforma agrária representa, em dois aspectos centrais para o MST que são a agroecologia e a cooperação entre as famílias camponesas sem terra na produção de alimentos sem veneno e ao mesmo tempo cuidando dos bens da Natureza. Trazer toda essa produção para a cidade é demonstrar qual o projeto que queremos para nosso país.”, explica.

Comida com sabor de resistência

A proposta do Festival é trazer para Belo Horizonte uma variedade da culinária mineira concentrada em um único lugar, proporcionando às pessoas a possibilidade de degustar diferentes culinárias. Tradicional nas atividades do MST, a Cozinha da Roça é o espaço da multiplicidade de temperos e sabores, e traz pratos típicos das nove regiões do estado mineiro e mais alguns quitutes de estados convidados.

Fotos: David Robins

Cultura do campo e da cidade

Ocupar a capital com a produção agroecológica dos trabalhadores e trabalhadoras sem terra é levar a cultura camponesa do cuidado com a terra, das novas relações pautadas pelos princípios agroecológicos a toda a sociedade mineira.

É usar a cultura como a potente arma de transformação social que é, sendo assim, o nosso festival está repleto de atrações artísticas, numa troca rica, integrando campo e cidade. Pereira da Viola, Titane, Sérgio Pererê, Guê Oliveira e Maurício Tizumba, já estão confirmados para cantar e nos encantar nesses três dias de festival. O tradicional Samba da Nossa Terra, programação fixa do Armazém do Campo, troca de endereço e traz alegria à praça da assembleia.

Roda de viola, ensaio aberto do bloco Pisa Ligeiro, e atração surpresa que integra o campo e cidade são algumas das atividades previstas durante a Feira.

A realização do Festival foi garantida por meio de recursos do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, através de Emenda Parlamentar do Deputado Federal Rogério Correia e recursos do Projeto de Restauração Florestal e Desenvolvimento Rural Sustentável na Bacia do Rio Paraopeba, em Minas Gerais, executado pela Coopertrac (Cooperativa dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura Camponesa).

Festival de Arte e Cultura e Feira da Reforma Agrária e Agricultura Familiar
Data: 29 de maio a 1 de abril
Horário: de 8h às 22h
Local: Praça da Assembleia Legislativa
Entrada Gratuita

Contato imprensa:
Agatha Azevedo (31) 99408-7249 | Matheus Teixeira (32) 99836-6678

COMENTÁRIOS

  • Solicito e agradeço que me envie seu boletim de notícias para meu endereço eletrônico abaixo.

  • POSTS RELACIONADOS

    Na luta pela terra se aprende muito

    Por Gilvander Moreira[1] Enquanto pesquisávamos sobre a luta pela terra como pedagogia de emancipação humana, no Acampamento Dom Luciano Mendes, em Salto da Divisa, Baixo

    Terra, mãe que nos sustenta

    Por Gilvander Moreira1 Cleonice Silva Souza, camponesa Sem Terra, hoje, assentada no Assentamento Dom Luciano Mendes, em Salto da Divisa, no Baixo Jequitinhonha, MG, dia

    >